14 de julho de 2008

NUTRIÇÃO FUNCIONAL




Nutrição Funcional é uma evolução natural da Ciência do corpo humano. Ela está fundamentada nas informações fisiológicas e bioquímicas do organismo, compreendendo a interação que existe entre todos os sistemas do corpo em conjunto com as características dos nutrientes. Os profissionais consideram o diagnóstico e o tratamento nutricional centrado no paciente, conforme as características genéticas, bioquímicas e metabólicas dos desequilíbrios funcionais desencadeantes dos processos patológicos, visando à promoção, manutenção e recuperação da saúde, vendo a "PESSOA" como um ser inteiro em seus aspectos fisiológicos, emocionais, sociais e de essência humana.
Somos formados por cerca de 100 trilhões de células e renovamos 50 milhões destas diariamente. Estas células são formadas exclusivamente por nutrientes e fitoquímicos e estes são fornecidos pela nossa alimentação diária. É exatamente essa matéria-prima que fornecemos para a renovação celular que irá determinar o resultado, bom ou ruim, orgânico ou funcional do novo tecido que teremos.
Os nutrientes e fitoquímicos dos mais variados alimentos sejam eles, funcionais ou não, executam funções específicas no nosso organismo e, conhecendo esses processos pode-se detectar os desequilíbrios funcionais. Esses desequilíbrios funcionais são alterações das funções normais orgânicas, causadas por carências nutricionais e sobrecarga do sistema imunológico, além da diminuição da capacidade do organismo de eliminar toxinas. Esses desequilíbrios funcionais podem desencadear distúrbios que nos afetam tanto na nossa saúde física, como mental e emocional. Dessa forma, a Nutrição Funcional possibilita tratar efetivamente as CAUSAS desses distúrbios, restabelecendo o equilíbrio orgânico e PREVENINDO novos problemas.
A Nutrição Funcional tem aplicação urgente devido a insatisfação com o modelo convencional de tratamento, o encarecimento progressivo dos tratamentos alopáticos, os efeitos colaterais dos medicamentos e principalmente pela mudança consensual da população que vem dando preferência a uma visão mais integral do processo saúde-doença.