8 de novembro de 2008

SARDINHA, A MAIS POPULAR FONTE DE ÔMEGA-3...


Ela contém ácido graxo ômega-3 em quantidades que não deixam nada a desejar a parentes estrangeiros, como o salmão, que levam a fama de ser as melhores fontes da substância.

Muita gente pode estranhar, já que o ômega-3, ácido graxo lotado de vantagens para a saúde, é típico de peixes de águas gélidas e profundas. Essas espécies precisam da gordura para evitar que congelem nessas águas. Por que, então, a sardinha, que aprecia temperaturas amenas, seria tão rica no ácido graxo? Por ser migratória e se movimentar muito, ela armazena a gordura como reserva energética. Sem contar que também se alimenta de algas ricas em ômega-3.

A sardinha não só contém ômega- 3 como fornece o ácido graxo em suas melhores variantes: o eicosapentaenóico, conhecido como EPA, e o docosahexaenóico, o DHA. A título de comparação, vegetais como a linhaça fornecem a gordura como ácido alfalinolênico. Essa substância é convertida em EPA e DHA graças a enzimas no nosso organismo.

No corpo humano, essas gorduras do bem minimizam a ação nociva de compostos inflamatórios. Dessa forma, ajudam na prevenção de uma série de males que dão as caras em locais díspares como o coração, o intestino e as articulações. Sem falar que ainda entram na constituição da retina e da massa cinzenta. Recentemente, um trabalho da UFSC analisou as quantidades de ômega-3 em diversos peixes da costa brasileira. E adivinhe... A sardinha foi a campeã de EPA, ficando à frente de pescados como o bonito e o atum.

O RANKING DO ÔMEGA-3

Veja a posição que a sardinha ocupa nessa disputa


Fonte: Revista Saúde, outubro de 2008.