Pular para o conteúdo principal

Cientistas identificam genes associados à obesidade infantil....


Cientistas identificaram pelo menos duas novas variantes genéticas que aumentam o risco de obesidade na infância.

"Este é o maior estudo já realizado com todo o genoma sobre a obesidade infantil comum, em contraste com estudos anteriores, que se concentraram em formas mais extremas de obesidade, principalmente relacionadas com síndromes raras", disse Struan Grant, do Hospital Infantil da Filadélfia (EUA).

"Como consequência, nós definitivamente identificamos e caracterizamos uma predisposição genética para a obesidade infantil comum," reforça ele.

O estudo, realizado por um grupo internacional de colaboradores, o Early Growth Genetics Consortium (EGG), foi publicado hoje na revista Nature Genetics.

Alimentos, sedentarismo e genes

Pesquisas indicam que adolescentes obesos tendem a ter maior risco de mortalidade quando adultos, além de resistência à insulina e maiores riscos de doenças crônicas.

Embora fatores ambientais, tais como escolhas alimentares, sedentarismo e pouco sono, sejam considerados os principais causadores da obesidade na infância, estudos com gêmeos e outros indícios de base familiar têm sugerido também um componente genético para a condição.

Hábitos alimentares são mais importantes que gene da obesidade
Estudos anteriores identificaram variantes genéticas que contribuem para a obesidade em adultos e em crianças com obesidade extrema, mas pouco se sabe sobre os genes envolvidos na obesidade infantil não relacionada a alguma doença.

Outros cientistas têm preferido seguir outras vias, afirmando que a obesidade está ligada à insulina, e não aos genes.

Este novo trabalho analisou estudos anteriores realizados na Europa, Austrália e Estados Unidos.

Funcionamento desconhecido

A meta-análise incluiu 14 estudos anteriores, abrangendo 5.530 casos de obesidade infantil e 8.300 participantes de controle, todos de ascendência europeia.

A equipe identificou dois novos locais suspeitos, um perto do gene OLFM4, no cromossomo 13, o outro dentro do gene HOXB5, no cromossomo 17.

Eles também encontraram indícios fortes para duas variantes de outros genes.

Nenhum desses genes havia sido previamente associado com a obesidade.

"O conhecimento biológico de três dos genes," acrescenta Grant, "aponta para um papel do intestino, apesar de que seu papel funcional preciso sobre a obesidade é atualmente desconhecido."

Fonte: Diário da Saúde

Postagens mais visitadas deste blog

Última chamada!!!! Projeto verão 2019....

Vai chegando esta época do ano, começam as preocupações com as festas de final de ano, as férias, praia, verão! Pois é, para àqueles que não estão no seu projeto Verão 2019 desde o começo do ano, ainda é possível modificar muita coisa, seja nos hábitos alimentares, seja no seu corpo.

Conte com nossos Programas Exclusivos para chegar no verão com hábitos alimentares mais saudáveis e com mudanças expressivas em seu organismo.

Como todos os anos, iniciamos estas chamadas semanalmente para lembrar que no final do ano entramos em recesso dia 15/12 e retomamos nossas atividades na segunda semana de janeiro. Então não perca tempo e não faça da melhoria de hábitos alimentares, mais uma promessa de ano novo! Aproveite para agendar sua consulta e garanta seu Plano Alimentar para finalizar bem o ano e iniciar o ano novo com o pé direito!

Ainda dá tempo!

Bom dia, segunda! ☀️

Mais uma oportunidade de fazermos uma semana diferente!
Mais uma chance de recomeçar!
Quem não recomeça depois do tropeço, nunca chega lá!

Não desista! O ano ainda não acabou!
Dá sim pra gerar mudanças!
Dá sim pra terminar o ano bem melhor!
Confie em você! Comece agora!

Bora?! 🌿💚🍃

Mindfulness....

Nossa mente é cheia de distrações. Estamos trabalhando e do nada começamos a pensar na lista do supermercado, que amanhã vence o condomínio e não esquecemos de dar aquela conferida no celular para não perder nenhuma notificação.
Focar a atenção em apenas uma tarefa é um desafio e a meditação mindfulness pode ser a resposta para se manter presente. 
A meditação mindfulness (atenção plena) tem como objetivo aumentar a calma e o relaxamento, melhorar o equilíbrio psicológico, a saúde e o bem-estar geral.
A prática, através da atenção plena na respiração, no corpo e no momento imediato aumenta a percepção das experiências que ocorrem no presente. 
A prática da meditação, seja qual for a técnica, desenvolve a habilidade de nos adaptarmos ao estresse, chamada de resiliência. Ser resiliente não significa não experimentar dificuldades, mas desenvolver a sua própria capacidade para voltar ao estado de homeostase apesar das dificuldades.
Dê uma chance para a meditação! Crie consciência no prese…