Pular para o conteúdo principal

Educação alimentar traz resultados a médio e longo prazo...



Ainda que alguns resultados possam ser observados durante, ou no final de um programa de educação alimentar, as melhoras significativas e efetivas são a médio e longo prazo.
É o que revela a pesquisadora Vanilde de Castro, da USP.
Ela analisou mudanças de comportamento em adultos com excesso de peso após participarem de um Programa de Educação Alimentar (PRAUSP) coordenado pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP).
Foi dada atenção especial aos fatores que facilitaram a manutenção dos hábitos adquiridos após a participação no programa.
As mudanças investigadas foram quanto aos hábitos de vida - consumo de álcool, cigarro e prática de atividade física, à alimentação e as alterações de peso, cintura e quadril.
A pesquisadora dividiu os participantes do programa em dois grupos. Um com pessoas que finalizaram o programa, chamados de Grupo Intervenção, que tiveram frequência mínima de 70%.
Os resultados mostraram que esses realizaram mais mudanças comportamentais do que aqueles do chamado de Grupo Abandono, que tiveram frequência igual ou inferior a 30%.
"Mas as alterações nem sempre foram mantidas no período posterior. O programa mostrou-se eficaz em promover modificações comportamentais, mas é preciso considerar o perfil dos participantes no planejamento das atividades", enfatiza a pesquisadora.
A boa notícia, diz ela, é que os participantes dos dois grupos aumentaram o consumo de verduras, legumes e frutas e reduziram frituras e embutidos, sendo estas mudanças as mais realizadas e mantidas também após o programa.
E, ainda, a participação integral no programa, do Grupo Intervenção, levou a mudanças significativas, como ao aumento da mastigação e fracionamento da alimentação, bem como a redução da compulsão alimentar, do Índice de Massa Corporal (IMC), e da circunferência da cintura.
"Isso leva, a longo prazo, à diminuição dos riscos de doenças cardiovasculares", lembra a pesquisadora.
Entre os resultados da pesquisa, constatou-se o aumento do consumo de álcool entre os participantes do Grupo Intervenção.
Este fato, diz Vanilde, merece mais investigação para confirmar se este comportamento reflete a realidade atual vivenciada pela maioria da população ou se constitui em uma forma de compensação encontrada pelos participantes.
"Deve-se considerar também, que as informações relativas ao consumo de álcool foram obtidas por questionários diferentes, o que poderia ter contribuído para a diferença encontrada", explica.
Fonte: Diário da Saúde

Postagens mais visitadas deste blog

Última chamada!!!! Projeto verão 2019....

Vai chegando esta época do ano, começam as preocupações com as festas de final de ano, as férias, praia, verão! Pois é, para àqueles que não estão no seu projeto Verão 2019 desde o começo do ano, ainda é possível modificar muita coisa, seja nos hábitos alimentares, seja no seu corpo.

Conte com nossos Programas Exclusivos para chegar no verão com hábitos alimentares mais saudáveis e com mudanças expressivas em seu organismo.

Como todos os anos, iniciamos estas chamadas semanalmente para lembrar que no final do ano entramos em recesso dia 15/12 e retomamos nossas atividades na segunda semana de janeiro. Então não perca tempo e não faça da melhoria de hábitos alimentares, mais uma promessa de ano novo! Aproveite para agendar sua consulta e garanta seu Plano Alimentar para finalizar bem o ano e iniciar o ano novo com o pé direito!

Ainda dá tempo!

Bom dia, segunda! ☀️

Mais uma oportunidade de fazermos uma semana diferente!
Mais uma chance de recomeçar!
Quem não recomeça depois do tropeço, nunca chega lá!

Não desista! O ano ainda não acabou!
Dá sim pra gerar mudanças!
Dá sim pra terminar o ano bem melhor!
Confie em você! Comece agora!

Bora?! 🌿💚🍃

Mindfulness....

Nossa mente é cheia de distrações. Estamos trabalhando e do nada começamos a pensar na lista do supermercado, que amanhã vence o condomínio e não esquecemos de dar aquela conferida no celular para não perder nenhuma notificação.
Focar a atenção em apenas uma tarefa é um desafio e a meditação mindfulness pode ser a resposta para se manter presente. 
A meditação mindfulness (atenção plena) tem como objetivo aumentar a calma e o relaxamento, melhorar o equilíbrio psicológico, a saúde e o bem-estar geral.
A prática, através da atenção plena na respiração, no corpo e no momento imediato aumenta a percepção das experiências que ocorrem no presente. 
A prática da meditação, seja qual for a técnica, desenvolve a habilidade de nos adaptarmos ao estresse, chamada de resiliência. Ser resiliente não significa não experimentar dificuldades, mas desenvolver a sua própria capacidade para voltar ao estado de homeostase apesar das dificuldades.
Dê uma chance para a meditação! Crie consciência no prese…