Pular para o conteúdo principal

Segundo estudo, óleo de canola reduz risco de síndrome metabólica...


Tanto o óleo de canola puro, quanto misturas de óleo com alto percentual de canola, diminuem a gordura abdominal quando usados no lugar de outros tipos e misturas de óleos vegetais.
Uma equipe de cientistas do Canadá e dos EUA também confirmou que o consumo de óleos vegetais pode ser uma maneira simples de reduzir o risco de síndrome metabólica.
"As gorduras monoinsaturadas desses óleos vegetais parecem reduzir a gordura abdominal, o que por sua vez diminui os fatores de risco da síndrome metabólica," disse a Dra. Penny Kris-Etherton, da Universidade do Estado da Pensilvânia.
No estudo randomizado e controlado, 121 participantes com risco para síndrome metabólica receberam uma dose diária de 40 gramas de um de cinco óleos vegetais como parte de uma dieta para manutenção do peso e saudável para o coração, com ingestão de 2.000 calorias diárias, durante quatro semanas.
Os participantes tinham cinco fatores de risco caracterizados pelo aumento da gordura abdominal, baixo colesterol HDL, açúcar no sangue acima da média e pressão arterial e triglicerídeos elevados.
Os pesquisadores repetiram o processo para todos os cinco tipos de óleo vegetal pesquisados.
Os resultados mostraram que aqueles que consumiram óleo de canola ou uma mistura com alto oleico de óleo de canola diminuíram sua gordura da barriga em 1,6% em comparação com aqueles que consumiam uma mistura de óleo de linhaça ou cártamo, ou falso açafrão.
Embora pareça pouco, a inclusão do óleo na dieta a longo prazo pode ter efeitos cumulativos com efeitos bem perceptíveis.
A gordura abdominal ficou inalterada com outros tipos de óleo. Como os óleos de linhaça, cártamo e milho têm baixos teores de gordura monoinsaturada, os pesquisadores concluíram que esse deve ser o composto responsável pelos efeitos benéficos detectados no óleo de canola.
A maioria dos fatores que contribui para a síndrome metabólica pode ser contornada com uma dieta saudável, exercícios físicos e perda de peso, o que pode reduzir significativamente os riscos à saúde gerados por esta condição, que incluem doenças cardiovasculares e diabetes tipo 2.
Fonte: Diário da Saúde

Postagens mais visitadas deste blog

Ainda dá tempo!

Bom dia, segunda! ☀️

Mais uma oportunidade de fazermos uma semana diferente!
Mais uma chance de recomeçar!
Quem não recomeça depois do tropeço, nunca chega lá!

Não desista! O ano ainda não acabou!
Dá sim pra gerar mudanças!
Dá sim pra terminar o ano bem melhor!
Confie em você! Comece agora!

Bora?! 🌿💚🍃

Última chamada!!!! Projeto verão 2019....

Vai chegando esta época do ano, começam as preocupações com as festas de final de ano, as férias, praia, verão! Pois é, para àqueles que não estão no seu projeto Verão 2019 desde o começo do ano, ainda é possível modificar muita coisa, seja nos hábitos alimentares, seja no seu corpo.

Conte com nossos Programas Exclusivos para chegar no verão com hábitos alimentares mais saudáveis e com mudanças expressivas em seu organismo.

Como todos os anos, iniciamos estas chamadas semanalmente para lembrar que no final do ano entramos em recesso dia 15/12 e retomamos nossas atividades na segunda semana de janeiro. Então não perca tempo e não faça da melhoria de hábitos alimentares, mais uma promessa de ano novo! Aproveite para agendar sua consulta e garanta seu Plano Alimentar para finalizar bem o ano e iniciar o ano novo com o pé direito!

Alimentos x Herpes

Um questionamento que faz parte da minha consulta é: “você tem herpes?” Muitas vezes isso gera estranheza! 🤔O que isso tem a ver com a alimentação? Muita coisa!! . . Por exemplo, a arginina, é um aminoácido que estimula a replicação do vírus e aumenta a frequência das crises. Alguns alimentos fonte de arginina: castanhas 🌰 aveia, granola, gérmen de trigo 🌾 amendoim 🥜 chocolate 🍫 coco 🥥milho 🌽 uva 🍇 trigo 🌾  MAS, a noz pecã e o pistache são nuts com uma menor quantidade de arginina. Então se você, assim como eu, possui o vírus e quer deixar ele quieto, mas adora a praticidade das castanhas, elas são as melhores opções! . Logicamente, se o consumo for pontual e sem excessos, você pode se dar bem com as castanhas e elas não serem gatilhos para crises! . . A lisina, que também é um aminoácido, ajuda a conter a replicação do vírus antes da lesão se manifestar na pele. A lisina é importante porque inibe a ação da arginina, evitando a replicação do vírus da herpes.  A lisina está p…