Pular para o conteúdo principal

Dieta sólida pode ser indicada para bebês de 4 meses com propensão ao diabetes 1, indica pesquisa...


A melhor idade para introduzir alimentos sólidos na dieta de bebês com propensão genética ao diabetes tipo 1 é entre quatro e cinco meses de idade. É o que aponta um estudo publicado no periódico JAMA Pediatrics nesta semana. A indicação, no entanto, não segue a indicação da Organização Mundial de Saúde de que a amamentação seja exclusiva até os seis meses de idade. Para os pesquisadores, a amamentação concomitante (e necessária) nesse período ajuda a reduzir os riscos de desenvolver o diabetes tipo 1.

A incidência do diabetes tipo 1 vem crescendo pelo mundo, principalmente entre crianças com menos de cinco anos de idade. Por isso, a dieta na infância tem sido um foco de interesse particular entre os pesquisadores da doença. Para entender a relação, Brittni Frederiksen, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, e equipe analisaram a associação entre a exposição alimentar e o desenvolvimento do diabetes tipo 1.
Para o estudo, foram triados sangues do cordão umbilical de neonatais no Hospital St. Joseph, em Denver. Também participaram do levantamento, parentes de primeiro grau de pessoas com diabetes 1. Descobriu-se que, tanto a exposição precoce (menos de quatro meses de idade) quanto a tardia (com seis meses ou mais) a alimentos sólidos estavam associadas com a doença. “Nossos dados sugerem que múltiplos alimentos e antígenos têm um papel, e que é complexa a relação entre o tipo de alimento e quando ele é inserido na dieta do bebê com os riscos para o diabetes tipo 1”, afirmam os autores.
De acordo com os pesquisadores, os resultados apontam que o período mais seguro para a introdução dos alimentos sólidos na dieta de bebês é entre os quatro e cinco meses de idade. Esses alimentos, no entanto, devem ser inseridos junto à amamentação, para, assim, reduzir os riscos em crianças geneticamente suscetíveis à doença. “Os dados ainda precisam ser duplicados em um número maior de participantes para sua confirmação.”
Fonte: Veja

Postagens mais visitadas deste blog

Ainda dá tempo!

Bom dia, segunda! ☀️

Mais uma oportunidade de fazermos uma semana diferente!
Mais uma chance de recomeçar!
Quem não recomeça depois do tropeço, nunca chega lá!

Não desista! O ano ainda não acabou!
Dá sim pra gerar mudanças!
Dá sim pra terminar o ano bem melhor!
Confie em você! Comece agora!

Bora?! 🌿💚🍃

Última chamada!!!! Projeto verão 2019....

Vai chegando esta época do ano, começam as preocupações com as festas de final de ano, as férias, praia, verão! Pois é, para àqueles que não estão no seu projeto Verão 2019 desde o começo do ano, ainda é possível modificar muita coisa, seja nos hábitos alimentares, seja no seu corpo.

Conte com nossos Programas Exclusivos para chegar no verão com hábitos alimentares mais saudáveis e com mudanças expressivas em seu organismo.

Como todos os anos, iniciamos estas chamadas semanalmente para lembrar que no final do ano entramos em recesso dia 15/12 e retomamos nossas atividades na segunda semana de janeiro. Então não perca tempo e não faça da melhoria de hábitos alimentares, mais uma promessa de ano novo! Aproveite para agendar sua consulta e garanta seu Plano Alimentar para finalizar bem o ano e iniciar o ano novo com o pé direito!

Alimentos x Herpes

Um questionamento que faz parte da minha consulta é: “você tem herpes?” Muitas vezes isso gera estranheza! 🤔O que isso tem a ver com a alimentação? Muita coisa!! . . Por exemplo, a arginina, é um aminoácido que estimula a replicação do vírus e aumenta a frequência das crises. Alguns alimentos fonte de arginina: castanhas 🌰 aveia, granola, gérmen de trigo 🌾 amendoim 🥜 chocolate 🍫 coco 🥥milho 🌽 uva 🍇 trigo 🌾  MAS, a noz pecã e o pistache são nuts com uma menor quantidade de arginina. Então se você, assim como eu, possui o vírus e quer deixar ele quieto, mas adora a praticidade das castanhas, elas são as melhores opções! . Logicamente, se o consumo for pontual e sem excessos, você pode se dar bem com as castanhas e elas não serem gatilhos para crises! . . A lisina, que também é um aminoácido, ajuda a conter a replicação do vírus antes da lesão se manifestar na pele. A lisina é importante porque inibe a ação da arginina, evitando a replicação do vírus da herpes.  A lisina está p…