Pular para o conteúdo principal

Estilo de vida altera DNA e influencia metabolismo...

Outrora visto como um registro definitivo a guiar o que acontece ou não com o corpo humano, hoje o DNA já é encarado com outros olhos por um crescente número de cientistas.
Já está bem estabelecido, por exemplo, que o estilo de vida induz alterações no DNA.
Essas alterações podem ter efeitos específicos sobre o metabolismo, sendo benéficos ou causando danos nos órgãos ou doenças, dependendo do estilo de vida.
No decurso da vida, as influências ambientais e fatores de estilo de vida - como a dieta, o tabagismo ou a ingestão de bebidas alcoólicas - ou processos como o envelhecimento, induzem alterações bioquímicas no DNA.
Frequentemente, essas alterações levam à metilação do DNA, um processo no qual grupos metílicos são adicionados a segmentos específicos do DNA, sem alterar sua sequência.
Esses processos podem influenciar a função do gene, sendo conhecidos como epigenética.
Epigenética e metabolismo
Cientistas do Centro Médico Helmholtz (Alemanha) identificaram agora 28 alterações no DNA associadas a características metabólicas.
Este é o primeiro estudo de larga escala associando o epigenoma com metabólitos e genes modificados pelo estilo de vida.
O grupo analisou mais de 457 mil locais no DNA em busca de alterações bioquímicas, e comparou-as com as concentrações de 649 metabólitos diferentes.
A análise revelou que a metilação de 28 segmentos de DNA altera uma série de processos metabólicos importantes.
"Este estudo nos dá novas informações sobre como os fatores de estilo de vida podem influenciar o metabolismo através das alterações resultantes no DNA", afirmam Melanie Waldenberger e Christian Gieger.
"Agora podemos usar estes resultados para desenvolver novas abordagens diagnósticas e terapêuticas para doenças relacionadas com o estilo de vida, tais como o diabetes," concluíraam.
Há outros grupos procurando associações mais específicas no epigenoma, procurando descobrir, por exemplo, como a epigenética altera os genes ligados ao câncer.
Fonte: Diário da Saúde

Postagens mais visitadas deste blog

Ainda dá tempo!

Bom dia, segunda! ☀️

Mais uma oportunidade de fazermos uma semana diferente!
Mais uma chance de recomeçar!
Quem não recomeça depois do tropeço, nunca chega lá!

Não desista! O ano ainda não acabou!
Dá sim pra gerar mudanças!
Dá sim pra terminar o ano bem melhor!
Confie em você! Comece agora!

Bora?! 🌿💚🍃

Última chamada!!!! Projeto verão 2019....

Vai chegando esta época do ano, começam as preocupações com as festas de final de ano, as férias, praia, verão! Pois é, para àqueles que não estão no seu projeto Verão 2019 desde o começo do ano, ainda é possível modificar muita coisa, seja nos hábitos alimentares, seja no seu corpo.

Conte com nossos Programas Exclusivos para chegar no verão com hábitos alimentares mais saudáveis e com mudanças expressivas em seu organismo.

Como todos os anos, iniciamos estas chamadas semanalmente para lembrar que no final do ano entramos em recesso dia 15/12 e retomamos nossas atividades na segunda semana de janeiro. Então não perca tempo e não faça da melhoria de hábitos alimentares, mais uma promessa de ano novo! Aproveite para agendar sua consulta e garanta seu Plano Alimentar para finalizar bem o ano e iniciar o ano novo com o pé direito!

Alimentos x Herpes

Um questionamento que faz parte da minha consulta é: “você tem herpes?” Muitas vezes isso gera estranheza! 🤔O que isso tem a ver com a alimentação? Muita coisa!! . . Por exemplo, a arginina, é um aminoácido que estimula a replicação do vírus e aumenta a frequência das crises. Alguns alimentos fonte de arginina: castanhas 🌰 aveia, granola, gérmen de trigo 🌾 amendoim 🥜 chocolate 🍫 coco 🥥milho 🌽 uva 🍇 trigo 🌾  MAS, a noz pecã e o pistache são nuts com uma menor quantidade de arginina. Então se você, assim como eu, possui o vírus e quer deixar ele quieto, mas adora a praticidade das castanhas, elas são as melhores opções! . Logicamente, se o consumo for pontual e sem excessos, você pode se dar bem com as castanhas e elas não serem gatilhos para crises! . . A lisina, que também é um aminoácido, ajuda a conter a replicação do vírus antes da lesão se manifestar na pele. A lisina é importante porque inibe a ação da arginina, evitando a replicação do vírus da herpes.  A lisina está p…