Pular para o conteúdo principal

Óleo substitui gordura saturada em biscoitos...



Pesquisadores da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) desenvolveram um processo para produção de gorduras com baixo teor de ácidos graxos saturados que pode ser aplicado para diversos fins na indústria de alimentos.

O principal diferencial deste processo é a possibilidade de obtenção de uma gordura com baixo teor de ácidos graxos saturados, mas que tem características químicas de um óleo. Ou seja, a matéria-prima se comporta como uma gordura, mesmo sendo um óleo.

A tecnologia permite a substituição parcial da gordura saturada nos alimentos industrializados e que, em função de sua textura, exige alto grau de saturação dos ácidos graxos.

Já em processo de licenciamento para a indústria, a expectativa é que a nova técnica permita a produção de recheios de bolachas, biscoitos, bolos e sorvetes, entre outros, mais saudáveis.

"Com esse know-how, é possível obter uma gordura com baixo teor saturado e a empresa licenciada pode escolher o tipo de aplicação que lhe convier", afirma a professora Lireny Aparecida Gonçalves, que desenvolveu a tecnologia juntamente com seu colega Renato Grimaldi.

Rotulagem de produtos alimentícios

O processo, que se baseia na cristalização de gordura, permite benefícios à saúde, uma vez que ele possibilita a substituição das gorduras trans - que, se consumidas em demasia, podem elevar o colesterol e levar à obesidade - pela gordura com baixo teor saturado na fabricação de alimentos industrializados.

Um dos impulsos para o desenvolvimento do novo ingrediente foi a resolução 54/12 da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que versa sobre a rotulagem de produtos alimentícios e que determinou que, desde 1º de janeiro de 2014, houvesse uma readequação dos critérios para produtos com baixos teores de gordura e que não contêm gordura trans, com o intuito de estimular a reformulação e a busca por produtos industrializados menos danosos à saúde.

Fonte: Diário da Saúde

Postagens mais visitadas deste blog

Ainda dá tempo!

Bom dia, segunda! ☀️

Mais uma oportunidade de fazermos uma semana diferente!
Mais uma chance de recomeçar!
Quem não recomeça depois do tropeço, nunca chega lá!

Não desista! O ano ainda não acabou!
Dá sim pra gerar mudanças!
Dá sim pra terminar o ano bem melhor!
Confie em você! Comece agora!

Bora?! 🌿💚🍃

Última chamada!!!! Projeto verão 2019....

Vai chegando esta época do ano, começam as preocupações com as festas de final de ano, as férias, praia, verão! Pois é, para àqueles que não estão no seu projeto Verão 2019 desde o começo do ano, ainda é possível modificar muita coisa, seja nos hábitos alimentares, seja no seu corpo.

Conte com nossos Programas Exclusivos para chegar no verão com hábitos alimentares mais saudáveis e com mudanças expressivas em seu organismo.

Como todos os anos, iniciamos estas chamadas semanalmente para lembrar que no final do ano entramos em recesso dia 15/12 e retomamos nossas atividades na segunda semana de janeiro. Então não perca tempo e não faça da melhoria de hábitos alimentares, mais uma promessa de ano novo! Aproveite para agendar sua consulta e garanta seu Plano Alimentar para finalizar bem o ano e iniciar o ano novo com o pé direito!

Alimentos x Herpes

Um questionamento que faz parte da minha consulta é: “você tem herpes?” Muitas vezes isso gera estranheza! 🤔O que isso tem a ver com a alimentação? Muita coisa!! . . Por exemplo, a arginina, é um aminoácido que estimula a replicação do vírus e aumenta a frequência das crises. Alguns alimentos fonte de arginina: castanhas 🌰 aveia, granola, gérmen de trigo 🌾 amendoim 🥜 chocolate 🍫 coco 🥥milho 🌽 uva 🍇 trigo 🌾  MAS, a noz pecã e o pistache são nuts com uma menor quantidade de arginina. Então se você, assim como eu, possui o vírus e quer deixar ele quieto, mas adora a praticidade das castanhas, elas são as melhores opções! . Logicamente, se o consumo for pontual e sem excessos, você pode se dar bem com as castanhas e elas não serem gatilhos para crises! . . A lisina, que também é um aminoácido, ajuda a conter a replicação do vírus antes da lesão se manifestar na pele. A lisina é importante porque inibe a ação da arginina, evitando a replicação do vírus da herpes.  A lisina está p…