Pular para o conteúdo principal

Resíduos do café têm poderosos efeitos antioxidantes....



A casca prateada do café - a epiderme do grão de café - é removida durante o processamento, depois de os grãos terem sido secos. Igualmente, a borra de café é normalmente descartada tão logo o café esteja coado.

Tradicionalmente se considera que estes subprodutos teriam poucos usos e aplicações práticas.

Algumas vezes, a borra de café é utilizada como esfoliante de pele caseiro, como produto de limpeza abrasivo ou como agente de compostagem para fertilizar certas plantas.

No entanto, José Ángel Rufian Henares, da Universidade de Granada (Espanha) descobriu agora que esses subprodutos do café poderiam ser reciclados com finalidades bem mais nobres: para fins nutricionais humanos.

Antioxidantes e antimicrobianas

Henares demonstrou que os dois resíduos do café têm fortes propriedades antioxidantes e antimicrobianas, sendo ricos em fibras e fenóis.

Na verdade, os dados indicam que os efeitos antioxidantes da borra de café são 500 vezes maiores do que os apresentados pela vitamina C, o que significa que o material poderia ser utilizado para criar alimentos funcionais com benefícios significativos para a saúde.

"[Os resíduos do café] também contêm níveis elevados de melanoidinas, que são produzidas durante o processo de torrefação do café e lhe dão sua cor castanha. As propriedades biológicas dessas melanoidinas podem ser aproveitadas para uma variedade de aplicações práticas, tais como a prevenção de agentes patogênicos prejudiciais em produtos alimentares," disse Henares.

Melanoidinas

Mas há um desafio a vencer para o aproveitamento prático das propriedades benéficas dos subprodutos do café: é necessário separar as fibras e fenóis das melanoidinas, para que elas não se anulem.

"Se quisermos aproveitar os efeitos probióticos benéficos dos subprodutos do café, primeiro de tudo precisamos remover os melanoidinas, uma vez que elas interferem com essas propriedades probióticas benéficas," explicou o professor Henares.

Fonte: Diário da Saúde

Postagens mais visitadas deste blog

Ainda dá tempo!

Bom dia, segunda! ☀️

Mais uma oportunidade de fazermos uma semana diferente!
Mais uma chance de recomeçar!
Quem não recomeça depois do tropeço, nunca chega lá!

Não desista! O ano ainda não acabou!
Dá sim pra gerar mudanças!
Dá sim pra terminar o ano bem melhor!
Confie em você! Comece agora!

Bora?! 🌿💚🍃

Última chamada!!!! Projeto verão 2019....

Vai chegando esta época do ano, começam as preocupações com as festas de final de ano, as férias, praia, verão! Pois é, para àqueles que não estão no seu projeto Verão 2019 desde o começo do ano, ainda é possível modificar muita coisa, seja nos hábitos alimentares, seja no seu corpo.

Conte com nossos Programas Exclusivos para chegar no verão com hábitos alimentares mais saudáveis e com mudanças expressivas em seu organismo.

Como todos os anos, iniciamos estas chamadas semanalmente para lembrar que no final do ano entramos em recesso dia 15/12 e retomamos nossas atividades na segunda semana de janeiro. Então não perca tempo e não faça da melhoria de hábitos alimentares, mais uma promessa de ano novo! Aproveite para agendar sua consulta e garanta seu Plano Alimentar para finalizar bem o ano e iniciar o ano novo com o pé direito!

Alimentos x Herpes

Um questionamento que faz parte da minha consulta é: “você tem herpes?” Muitas vezes isso gera estranheza! 🤔O que isso tem a ver com a alimentação? Muita coisa!! . . Por exemplo, a arginina, é um aminoácido que estimula a replicação do vírus e aumenta a frequência das crises. Alguns alimentos fonte de arginina: castanhas 🌰 aveia, granola, gérmen de trigo 🌾 amendoim 🥜 chocolate 🍫 coco 🥥milho 🌽 uva 🍇 trigo 🌾  MAS, a noz pecã e o pistache são nuts com uma menor quantidade de arginina. Então se você, assim como eu, possui o vírus e quer deixar ele quieto, mas adora a praticidade das castanhas, elas são as melhores opções! . Logicamente, se o consumo for pontual e sem excessos, você pode se dar bem com as castanhas e elas não serem gatilhos para crises! . . A lisina, que também é um aminoácido, ajuda a conter a replicação do vírus antes da lesão se manifestar na pele. A lisina é importante porque inibe a ação da arginina, evitando a replicação do vírus da herpes.  A lisina está p…