Pular para o conteúdo principal

Fosfato em alimentos industrializados prejudica os rins....



Fosfatos adicionados artificialmente aos produtos lácteos e aos cereais parecem causar picos nos níveis de fósforo no sangue maiores do que os causados pelos fosfatos que ocorrem naturalmente nos alimentos, colocando os rins sob estresse severo.

A descoberta vem dar suporte a um alerta recente de que o fosfato pode se tornar o "próximo sódio", em referência à quantidade excessiva de sal nos alimentos industrializados.

Fosfato demais na alimentação também enrijece os vasos sanguíneos, dilata o coração e é ruim para os ossos - mas parece que isto é válido sobretudo para os fosfatos adicionados artificialmente pela indústria alimentícia.

"O estudo sugere que as pessoas deveriam ser mais conscientes do que comem," disse a professora Linda Moore, do Hospital Metodista de Houston e principal autor do estudo.

"O Instituto de Medicina recomenda 700 miligramas de fosfato por dia e achamos que este é um bom número. O que vimos neste estudo é o consumo do dobro desse valor por um monte de gente. Fosfato demais é preocupante para pessoas saudáveis - mas é de especial preocupação para as pessoas que já possuem lesão renal ou doença renal crônica," alerta a pesquisadora.

Fósforo no organismo

O fósforo é um elemento químico crucial para a vida. Ele ajuda a formar a espinha dorsal do DNA e do RNA, está fortemente envolvido como carreador de energia dentro e entre as células, ajuda a traduzir os sinais hormonais em mudanças no comportamento celular, e pode até mesmo ser um amortecedor de alterações no pH.

O fósforo ocorre em muitas formas no corpo humano, mas o fosfato é a mais comum - fosfatos são formatos por um átomo de fósforo e quatro de oxigênio.

Os fosfatos são adicionados a muitos alimentos como sais, funcionando como conservantes, agentes de espessamento e aeradores, para deixar bolos e outros alimentos mais fofos.

O que se tem demonstrado agora é que, como quase tudo, fosfato demais pode fazer mal - e mais mal sobretudo para pessoas que já têm problemas nos rins.

Controlando para o desempenho das funções renais e para todos os outros tipos de alimentos consumidos, uma porção de produtos lácteos com aditivos de fosfato inorgânico aumenta os níveis séricos de fósforo em 0,07 miligrama por decilitro (mg/dL), e uma porção de cereais ou grãos (1/2 xícara) com fosfatos adicionados irá aumentar o fósforo sérico em 0,01 mg/dL.

O estudo foi publicado no American Journal of Clinical Nutrition.

Fonte: Diário da Saúde

Postagens mais visitadas deste blog

Ainda dá tempo!

Bom dia, segunda! ☀️

Mais uma oportunidade de fazermos uma semana diferente!
Mais uma chance de recomeçar!
Quem não recomeça depois do tropeço, nunca chega lá!

Não desista! O ano ainda não acabou!
Dá sim pra gerar mudanças!
Dá sim pra terminar o ano bem melhor!
Confie em você! Comece agora!

Bora?! 🌿💚🍃

Alimentos x Herpes

Um questionamento que faz parte da minha consulta é: “você tem herpes?” Muitas vezes isso gera estranheza! 🤔O que isso tem a ver com a alimentação? Muita coisa!! . . Por exemplo, a arginina, é um aminoácido que estimula a replicação do vírus e aumenta a frequência das crises. Alguns alimentos fonte de arginina: castanhas 🌰 aveia, granola, gérmen de trigo 🌾 amendoim 🥜 chocolate 🍫 coco 🥥milho 🌽 uva 🍇 trigo 🌾  MAS, a noz pecã e o pistache são nuts com uma menor quantidade de arginina. Então se você, assim como eu, possui o vírus e quer deixar ele quieto, mas adora a praticidade das castanhas, elas são as melhores opções! . Logicamente, se o consumo for pontual e sem excessos, você pode se dar bem com as castanhas e elas não serem gatilhos para crises! . . A lisina, que também é um aminoácido, ajuda a conter a replicação do vírus antes da lesão se manifestar na pele. A lisina é importante porque inibe a ação da arginina, evitando a replicação do vírus da herpes.  A lisina está p…

Benefícios da Chlorella...

A Chlorella é uma alga que fornece proteínas, carboidratos, gorduras boas, vitaminas, minerais e fitonutrientes como os pigmentos carotenoides (astaxantina, cantaxantina, loraxantina, flavoxantina e neoxantina) e a clorofila.

A alga apresenta ainda um bom teor das vitaminas C, E e K, e dos minerais cálcio, ferro, fósforo e potássio.
Além disso, possui ação antiinflamatória, atua nas funções cerebrais, fígado e sistema imunológico, auxilia na digestão, no controle da glicemia, melhora dores da artrite, reduz o LDL colesterol.
É uma ótima fonte de glutationa, um potente antioxidante. Nosso fígado também produz a glutationa, que é utilizada para processos de intoxicação por álcool, drogas, nicotina, poluição, determinados alimentos, etc. Como nossa produção de glutationa diminui com a idade, tomar chlorella regularmente pode ser uma maneira bastante eficaz para melhorar as funções do fígado, facilitando a eliminação de toxinas e o combate aos radicais livres.
Regularmente somos expostos …