30 de março de 2015

Healthy Monday...

SEGUNDA SAUDÁVEL...

Mais uma semana se inicia e a páscoa se aproxima. Pois é, chocolate + chocolate + chocolate. Sabemos que muitas crianças e até adultos ganham muitos ovos de páscoa e comem tudo o que resulta num aumento de peso nesta época do ano.

Vamos sugerir que você faça na sua casa uma Páscoa solidária, doe metade dos ovos que seu filho ou você ganhar para uma criança carente, pois além de não aumentar o ponteiro da balança você torna o dia de uma criança mais feliz e doce. Pense nisso....

Lembre-se: Toda segunda-feira é uma nova chance para que um estilo de vida saudável se reinicie. Faça da segunda-feira o dia em que você renova seu compromisso de viver uma vida mais saudável !!!

26 de março de 2015

Óleo de coco e exercícios combatem hipertensão...



O óleo de coco é um dos poucos alimentos que podem ser classificados como um "superalimento".

Sua combinação exclusiva de ácidos graxos pode ter efeitos positivos profundos na saúde, incluindo a perda de gordura, aumento do colesterol bom, melhor funcionamento do cérebro e muitos outros benefícios, incluindo o combate a cáries e aftas.

Agora, pesquisadores da Universidade Federal da Paraíba dispuseram-se a testar a hipótese de que uma combinação de óleo de coco por dia e treinamento físico poderia restaurar a pressão arterial normal em indivíduos hipertensos.

Óleo de coco com exercício

Usando animais de laboratório espontaneamente hipertensos - sem alterações genéticas - a equipe constatou que tanto o óleo de coco quanto o treinamento físico reduzem o ganho de peso.

Igualmente, tanto a suplementação de óleo de coco quanto o condicionamento físico, ambos aplicados individualmente, reduziram a pressão sanguínea.

No entanto, somente quando o óleo de coco e o treinamento físico foram combinados, eles foram capazes de trazer a pressão arterial de volta aos valores normais.

"Esta é uma descoberta importante, uma vez que o óleo de coco está sendo considerado um 'superalimento' e está sendo consumido por atletas e pela população em geral que procura um estilo de vida saudável," disse o Dr. Valdir de Andrade Braga, um dos autores do estudo.

Testes em humanos

"A possibilidade de usar o óleo de coco como adjuvante no tratamento da hipertensão vem se somar à longa lista de benefícios associados ao seu consumo.

"Nosso próximo passo é começar alguns ensaios clínicos a fim de verificar se podemos reproduzir esses resultados em pacientes humanos hipertensos," finalizou Valdir.

Fonte: Diário da Saúde

Saúde na casca da jabuticaba...



Pesquisadores da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) constataram que a casca da jabuticaba é rica em compostos antioxidantes, podendo ser um componente importante na produção e conservação de alimentos probióticos.

Os alimentos probióticos recebem o acréscimo de bactérias (chamadas probióticas) que podem agir no controle de infecções intestinais, estimular o trânsito intestinal, melhorar a absorção de nutrientes, auxiliar a digestão da lactose, contribuir para a redução dos níveis de colesterol, ativar a produção de anticorpos, além de possuírem efeitos anticarcinogênicos.

A ausência de oxigênio é de fundamental importância para as culturas probióticas para que seja evitada a toxicidade e a morte dos micro-organismos e, consequentemente, a perda de funcionalidade do produto.

É daí que vem a necessidade dos antioxidantes.

Eliene Penha Pereira e José de Assis Faria descobriram que a casca da jabuticaba, normalmente jogada fora após o consumo ou processamento da polpa, é uma fonte natural de antioxidantes.

Queijo com jabuticaba

O extrato sólido obtido da casca da fruta, de coloração que varia de roxa a preta, é rico em antocianinas e outros compostos fenólicos que, além de atuarem como antioxidantes, possuem capacidade anti-inflamatória, atividade antimutagênica e anticancerígena.

Isto mostra a importância do subproduto gerado a partir da potencial produção industrial de sucos, geleias, vinhos, licores e vinagres provenientes de jabuticaba, que apesar do amplo leque de possibilidades de utilização do fruto, é ainda pouco explorado em escala no Brasil.

A pesquisadora testou a utilização das cascas de jabuticaba na conservação de um queijo do tipo petit suisse probiótico, sem aditivos. Apesar de uma ligeira mudança de cor, o queijo passou por todos os testes sensoriais e alcançou maior tempo de vida útil sem degradação.

Fonte: Diário da Saúde

4 de março de 2015

Castanha do Brasil melhora função cognitiva...



O consumo diário de uma castanha do Brasil - ou castanha do Pará - é suficiente para recuperar a deficiência de selênio e trazer melhora das funções cognitivas.

Pesquisadores da USP descobriram estes efeitos trabalhando com idosos com comprometimento cognitivo leve(CCL), considerado um estágio intermediário entre o envelhecimento normal e as demências, como a doença de Alzheimer.

A nutricionista Bárbara Cardoso explica que o CCL (comprometimento cognitivo leve) é caracterizado pela perda cognitiva (processo que envolve atenção, percepção, memória, raciocínio, juízo, imaginação, pensamento e linguagem) maior do que o esperado para a idade.

As análises feitas pela nutricionista mostraram uma associação entre os níveis de selênio e o estresse oxidativo, o excesso de radicais livres em comparação com o sistema protetor de cada célula - 95% dos idosos que participaram da pesquisa apresentavam deficiência em selênio.

Castanha-do-brasil e selênio

Durante seis meses, a nutricionista acompanhou dois grupos de idosos. O primeiro ingeriu uma castanha-do-brasil por dia e o outro não recebeu nenhuma intervenção.

Após o período, todos os participantes no grupo que consumiu a castanha diariamente deixaram de apresentar a deficiência de selênio.

Os dois grupos também passaram por avaliação neuropsicológica antes e depois da intervenção com a castanha-do-brasil, para avaliar fatores como fluência verbal, capacidade de copiar desenhos, reconhecimento de figuras, entre outros.

Os resultados mostraram que o consumo da castanha-do-brasil atenuou o declínio cognitivo, com o grupo que ingeriu a castanha apresentando sistematicamente melhores resultados.

Segundo a nutricionista, "apenas uma unidade de castanha-do-brasil forneceu 288,75 microgramas de selênio ao dia, aumentando o consumo de selênio para além da recomendação diária (55 microgramas/dia), mas sem ultrapassar o limite tolerável de 400 microgramas".

Fonte: Diário da Saúde

2 de março de 2015

Uvas e vinho tinto ajudam a queimar gordura.....


Beber suco de uvas escuras ou tomar vinho tinto - com moderação - pode melhorar a saúde de pessoas com excesso de peso, ajudando-as a queimar melhor a gordura.

Este estudo analisou os benefícios das uvas para pessoas com obesidade ou distúrbios metabólicos relacionados ao excesso de peso, tais como fígado gorduroso.

Ácido elágico

Neil Shay e seus colegas da Universidade do Estado de Oregon (EUA) analisaram os efeitos de quatro compostos extraídos das uvas viníferas Muscadínea (Vitis rotundifolia) sobre animais de laboratório obesos e sobre culturas de células do fígado e gordura humanas cultivadas em laboratório.

Um dos compostos químicos, o ácido elágico, mostrou-se particularmente potente: ele reduziu drasticamente o crescimento das células de gordura já existentes e a formação de novas, e incrementou o metabolismo dos ácidos graxos nas células do fígado.

Contudo, estes compostos fitoquímicos não representam uma forma milagrosa para a perda de peso, adverte o Dr. Shay: "Nós não descobrimos, e não esperávamos descobrir, que estes compostos melhoram o peso corporal," disse ele. Mas, ao aumentar a queima de gordura, especialmente no fígado, eles podem melhorar a função hepática em indivíduos com excesso de peso.

"Se pudermos desenvolver uma estratégia de dieta para reduzir o acúmulo nocivo de gordura no fígado, utilizando alimentos tão comuns quanto as uvas, isso seria uma notícia muito boa," acrescentou o pesquisador.

Proteínas PPAR

Quando Shay e seus colegas analisaram os tecidos gordurosos dos camundongos que comeram os suplementos, eles observaram níveis elevados de atividade de PPAR-alfa e PPAR-gama, duas proteínas que funcionam no interior das células para metabolizar a gordura e o açúcar.

Shay levanta a hipótese de que o ácido elágico e os outros compostos químicos das uvas ligam-se a esses receptores hormonais (PPAR-alfa e PPAR-gama), fazendo com que eles ativem os genes que desencadeiam o metabolismo da gordura e da glicose. Segundo ele, os medicamentos para redução de açúcar e triglicérides no sangue agem desta forma.

O ácido elágico presente em uma planta do cerrado também já demonstrou ação benéfica contra a asma.

Fonte: Diário da Saúde