28 de fevereiro de 2013

Você sabia?



De nada adianta se alimentar bem, de forma saudável, se seu intestino não está em ordem! Favorecer a saúde intestinal é fundamental para que as vitaminas, minerais, fitoquímicos e outras substâncias benéficas presentes na nossa alimentação sejam absorvidas e cumpram sua função no nosso organismo.

27 de fevereiro de 2013

Conheça 10 transgênicos que você pode estar comendo sem saber...



No final de dezembro passado, a agência que zela pela segurança alimentar nos Estados Unidos, a FDA (Food and Drug Administration) aprovou para consumo um tipo de salmão geneticamente modificado, reacendendo o debate sobre a segurança dos transgênicos e suas implicações éticas, econômicas sociais e políticas.
É a primeira vez que um animal geneticamente modificado é aprovado para consumo humano.
Mas muitos consumidores nos Estados Unidos, Europa e Brasil, regiões em que os organismos geneticamente modificados (OGMs) em questão de poucos anos avançaram em velocidade surpreendente dos laboratórios aos supermercados, passando por milhões de hectares de áreas cultiváveis, continuam desconfiados da ideia do homem cumprindo um papel supostamente reservado à natureza ou à evolução - e guardam na memória os efeitos nocivos, descobertos tarde demais, de "maravilhas" tecnológicas como o DDT e a talidomida.
Boa parte do público ainda teme possíveis efeitos negativos dos transgênicos para a saúde e o meio ambiente.
Pesquisas de opinião nos Estados Unidos e na Europa, entretanto, indicam que a resistência aos OGMs tem caído, refletindo, talvez, uma tendência de gradual mudança de posição da percepção pública.
Polêmica científica
As principais academias de ciências do mundo e instituições como a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) insistem em dizer que os transgênicos são seguros e que a tecnologia de manipulação genética realizada sob o controle dos atuais protocolos de segurança não representa risco maior do que técnicas agrícolas convencionais de cruzamento de plantas.
Mas muitos cientistas discordam, ainda que os alertas não ganhem nas manchetes a mesma importância que os anúncios dos eventuais benefícios dos transgênicos.
Pesquisas já demonstraram que os vegetais consumidos podem alterar os genes humanos, e até livros já foram escritos mostrando o risco de que os transgênicos espalhem-se pela natureza.
A preocupação é ainda maior no caso dos animais transgênicos, como é o caso dos mosquitos transgênicos soltos no Brasil e em outros países para combater a dengue, e cujos efeitos sobre o homem não são conhecidos.
Salmão transgênico
O salmão transgênico, que pode chegar às mesas de jantar em 2014, será o primeiro animal geneticamente modificado (GM) consumido pelo homem.
Vários produtos transgênicos já estão nos supermercados, um fato que pode ter escapado a muitos consumidores - apesar da discreta rotulagem obrigatória, no Brasil e na UE, de produtos com até 1% de componentes transgênicos.
Veja abaixo uma lista com 10 produtos e derivados que serve de exemplo de como os transgênicos entraram, estão tentando ou mesmo falharam na tentativa de entrar na cadeia alimentar.
Milho transgênico
Com as variantes transgênicas respondendo por mais de 85% das atuais lavouras do produto no Brasil e nos Estados Unidos, não é de se espantar que a pipoca consumida no cinema, por exemplo, venha de um tipo de milho que recebeu, em laboratório, um gene para torná-lo tolerante a herbicida, ou um gene para deixá-lo resistente a insetos, ou ambos.
Dezoito variantes de milho geneticamente modificado foram autorizadas pelo CTNBio, órgão do Ministério da Ciência e Tecnologia que aprova os pedidos de comercialização de OGMs.
O mesmo pode ser dito da espiga, dos flocos e do milho em lata que você encontra nos supermercados. Há também os vários subprodutos - amido, glucose - usados em alimentos processados (salgadinhos, bolos, doces, biscoitos, sobremesas) que obrigam o fabricante a rotular o produto.
O milho puro transgênico não é vendido para consumo humano na União Europeia, onde todos os legumes, frutas e verduras transgênicos são proibidos para consumo - exceto um tipo de batata, que recentemente foi autorizado, pela Comissão Europeia, a ser desenvolvido e comercializado. Nos Estados Unidos, ele é liberado e não existe a rotulação obrigatória.
Óleos de cozinha geneticamente modificados
Os óleos extraídos de soja, milho e algodão, os três campeões entre as culturas geneticamente modificadas - e cujas sementes são uma mina de ouro para as cerca de dez multinacionais que controlam o mercado mundial - chegam às prateleiras com a reputação "manchada" mais pela sua origem do que pela presença de DNA ou proteína transgênica.
No processo de refino desses óleos, os componentes transgênicos são praticamente eliminados. Mesmo assim, suas embalagens são rotuladas no Brasil e nos países da UE.
Soja transgênica
No mundo todo, o grosso da soja transgênica, a rainha das commodities, vai parar no bucho dos animais de criação - que não ligam muito se ela foi geneticamente modificada ou não.
O subproduto mais comum para consumo humano é o óleo de cozinha, mas há ainda o leite de soja, tofu, bebidas de frutas e soja e a pasta missô, todos com proteínas transgênicas (a não ser que tenham vindo de soja não transgênica).
No Brasil, onde a soja transgênica ocupa quase um terço de toda a área dedicada à agricultura, a CTNBio liberou cinco variantes da planta, todas tolerantes a herbicidas - uma delas também é resistente a insetos.
Mamão papaia transgênico
Os Estados Unidos são o maior importador de papaia do mundo - a maior parte vem do México e não é transgênica.
Mas muitos norte-americanos apreciam o papaia local, produzido no Havaí, Flórida e Califórnia.
Cerca de 85% do papaia do Havaí, que também é exportado para Canadá, Japão e outros países, vem de uma variedade geneticamente modificada para combater um vírus devastador para a planta.
A fruta não é vendida no Brasil, nem na Europa.
Queijo transgênico
Aqui não se trata de um alimento derivado de um (OGM) organismo geneticamente modificado, mas de um alimento em que um OGM contribuiu em uma fase de seu processamento.
A quimosina, uma enzima importante na coagulação de lacticínios, era tradicionalmente extraída do estômago de cabritos - um procedimento custoso e "cruel".
Biotecnólogos modificaram microrganismos como bactérias, fungos ou fermento com genes de estômagos de animais, para que estes produzissem quimosina. A enzima é isolada em um processo de fermentação em que esses microrganismos são mortos.
A quimosina resultante deste processo - e que depois é inserida no soro do queijo - é tida como idêntica à que era extraída da forma tradicional. Essa enzima é pioneira entre os produtos gerados por OGMs e está no mercado desde os anos 90.
Notem que o queijo, em todo seu processo de produção, só teve contato com a quimosina - que não é um OGM, é um produto de um OGM.
Além disso, a quimosina é eliminada do produto final. Por isso, o queijo escapa da rotulação obrigatória.
Pão, bolos e biscoitos geneticamente modificados
Trigo e centeio, os principais cereais usados para fazer pão, continuam sendo plantados de forma convencional e não há variedades geneticamente modificadas em vista.
Mas vários ingredientes usados em pão e bolos vêm da soja, como farinha (geralmente, nesse caso, em proporção pequena), óleo e agentes emulsificantes como lecitina.
Outros componentes podem derivar de milho transgênico, como glucose e amido. Além disso, há, entre os aditivos mais comuns, alguns que podem originar de microrganismos modificados, como ácido ascórbico, enzimas e glutamato. Dependendo da proporção destes elementos transgênicos no produto final (acima de 1%), ele terá que ser rotulado.
Abobrinha transgênica
Seis variedades de abobrinha resistentes a três tipos de vírus são plantadas e comercializadas nos Estados Unidos e Canadá.
Ela não é vendida no Brasil ou na Europa.
Arroz transgênico
Uma das maiores fontes de calorias do mundo, mesmo assim, o cultivo comercial de variedades modificadas fica, por enquanto, na promessa. Vários tipos de arroz estão sendo testados, principalmente na China, que busca um cultivo resistente a insetos.
Falou-se muito no golden rice, uma variedade enriquecida com beta-caroteno, desenvolvida por cientistas suíços e alemães.
O "arroz dourado", com potencial de reduzir problemas de saúde ligados à deficiência de vitamina A, está sendo testado em países do sudeste asiático e na China, onde foi pivô de um recente escândalo: dois dirigentes do projeto foram demitidos depois de denúncias de que pais de crianças usadas nos testes não teriam sido avisados de que elas consumiriam alimentos geneticamente modificados.
Feijão transgênico
A Empresa Brasileira para Pesquisa Agropecuária (Embrapa), conseguiu em 2011 a aprovação na CTNBio para o cultivo comercial de uma variedade de feijão resistente ao vírus do mosaico dourado, tido como o maior inimigo dessa cultura no país e na América do Sul.
As sementes devem ser distribuídas aos produtores brasileiros - livre de royalties - em 2014, o que pode ajudar o país a se tornar autossuficiente no setor.
É o primeiro produto geneticamente modificado desenvolvido por uma instituição pública brasileira.
Salmão transgênico
Após a aprovação prévia da FDA, o público e instituições americanos têm um prazo de 60 dias (iniciado em 21 de dezembro) para se manifestar sobre o salmão geneticamente modificado para crescer mais rápido.
Em seguida, a agência analisará os comentários para decidir se submete o produto a uma nova rodada de análises ou se o aprova de vez.
Francisco Aragão, pesquisador responsável pelo laboratório de engenharia genética da Embrapa, afirma que tem acompanhado o caso do salmão "com interesse", e que não tem dúvidas sobre sua segurança para consumo humano.
"A dúvida é em relação ao impacto no meio ambiente. (Mesmo criado em cativeiro) O salmão poderia aumentar sua população muito rapidamente e eventualmente eliminar populações de peixes nativos. As probabilidades de risco para o meio ambiente são baixas, mas não são zero...na natureza não existe o zero".
Transgênicos que não deram certo
A primeira fruta aprovada para consumo nos Estados Unidos foi um tomate modificado para aumentar sua vida útil após a colheita, o "Flavr Savr tomato".
Ela começou a ser vendida em 94, mas sua produção foi encerrada em 97, e a empresa que o produziu, a Calgene, acabou sendo comprada pela Monsanto.
O tomate, mais caro e de pouco apelo ao consumidor, não emplacou.
O mesmo ocorreu com uma batata resistente a pesticidas, lançada em 95 pela Monsanto: a New Leaf Potato.
Apesar de boas perspectivas iniciais, ele não se mostrou economicamente rentável o suficiente para entusiasmar fazendeiros e foi tirada do mercado em 2001.
Fonte: Diário da Saúde

26 de fevereiro de 2013

Você sabia?



A pêra é fonte de vitaminas e minerais, mas também é rica em pectina, fibra que auxilia na redução da absorção dos carboidratos no organismo. Uma excelente opção para o lanche da manhã!

25 de fevereiro de 2013

Healthy Monday...



SEGUNDA-SAUDÁVEL......

Mais uma semana começando a todo vapor! A pergunta da semana é: você lembra de organizar seus lanchinhos para levar ao trabalho? Hmmm, você sabe que eles fazem toda diferença no processo de emagrecimento, não é? Procure levar frutas ou castanhas para lanche da manhã e à tarde procure combinar uma proteína (iogurte, queijo magro) com um carboidrato integral (granola, barrinhas, torradinha integral). Não saia de casa sem esta companhia indispensável. Excelente semana!

Lembre-se: Toda segunda-feira é uma nova chance para que um estilo de vida saudável se reinicie. Faça da segunda-feira o dia em que você renova seu compromisso de viver uma vida mais saudável !!!

23 de fevereiro de 2013

Bebidas açucaradas x câncer de próstata...



Pesquisadores da Universidade de Lund, avaliaram dados de 8 mil homens com idade entre 43 e 75 anos. Eles notaram que o consumo diário de bebidas açucaradas, aumentou em 40% o risco de desenvolver câncer de próstata.

22 de fevereiro de 2013

Você sabia?


Que o baru contém antioxidantes capazes de combater o estresse oxidativo, responsável pelo aparecimento e agravamento de doenças crônicas degenerativas?

O baru deve ser consumido sempre torrado, porque como toda leguminosa, carrega fatores antinutricionais que interferem na absorção de determinados nutrientes.

21 de fevereiro de 2013

Cientistas criam hambúrguer rico em ômega-3...



Todo o mundo sabe que peixes e azeite são ricos em ômega-3, que traz enormes benefícios à saúde.
Mas metade do mundo continua comendo hambúrgueres e bifes de carne vermelha.
Ora, se você não pode ir contra eles, junte-se a eles.
Foi o que pensaram Jim Drouillard e seus colegas da Universidade do Estado do Kansas (EUA).
A equipe acaba de criar o primeiro hambúrguer rico em ômega-3.
Dose diária de ômega-3
A equipe desenvolveu uma técnica que enriquece a carne vermelha com os ácidos graxos capazes de reduzir o colesterol, ajudar a controlar a pressão sanguínea e diminuir o risco de doenças cardíacas.
Recomenda-se que cada pessoa ingira entre 1.200 e 1.600 miligramas diárias de ômega-3.
Cada hambúrguer enriquecido produzido pela equipe possui cerca de 200 miligramas de ômega-3.
O mais importante, segundo os pesquisadores, é que a carne continua tendo sabor de hambúrguer, e não de peixe.
Na verdade, o ômega-3 acrescentado à carne é extraído de sementes de linhaça, e não de peixe.
Caminhos mais saudáveis
Agora será necessário aguardar uma avaliação independente do hambúrguer enriquecido para verificar se o ômega-3 é suficiente para contrabalançar os outros compostos danosos presentes na carne grelhada.
Enquanto isso, quem estiver interessado em ingerir uma comida mais saudável, pode continuar contando com os peixes, azeite e outras oleaginosas, que possuem os ácidos graxos saudáveis ao natural, sem qualquer contraindicação.
Ou, quem sabe, adotar uma dieta mediterrânea.
Fonte: Diário da Saúde

20 de fevereiro de 2013

Você sabia?



Que a melancia é uma excelente fonte de vitaminas B1, B2, fósforo e cálcio? Ela também é rica em silício, nutrientes que ajuda no combate à flacidez. E não se esqueça que é uma fruta super diurética :)

19 de fevereiro de 2013

Excesso de açúcar eleva risco de câncer...



Os açúcares são necessários para nos dar energia e, em quantidades moderadas, contribuem para nosso bem-estar.
Altos níveis de açúcar, contudo, podem fazer bem mais do que danificar nossas células, levando a condições mais graves, como o diabetes.
Pesquisadores espanhóis acabam de demonstrar que elevados níveis de açúcar no sangue também aumentam o risco de câncer.
Do açúcar ao câncer
Que a obesidade é uma das principais causas do diabetes é algo que tem sido demonstrado em vários estudos.
Níveis elevados de açúcar no sangue são características tanto da obesidade quanto do diabetes.
Por outro lado, pessoas com diabetes têm até duas vezes mais chance de desenvolver cânceres de cólon ou de pâncreas do que a população em geral.
O que ainda necessitava de esclarecimento é a conexão entre obesidade e diabetes, de um lado, e o câncer do outro.
Beta-catenina
Um mecanismo-chave nessa conexão acaba de ser descoberto pela equipe a Dra Custodia Garcia-Jimenez, da Universidade Rei Juan Carlos.
Os elevados níveis de açúcar no sangue aumentam a atividade de um gene conhecido por acelerar a progressão do câncer.
O estudo mostrou que a capacidade das células do intestino para secretar um hormônio chamado GIP - que otimiza a liberação de insulina pelo pâncreas - é controlada por uma proteína chamada β-catenina.
Por sua vez, a atividade da β-catenina é estritamente dependente dos níveis de açúcar no organismo.
O excesso de açúcar pode levar a uma superatividade dessa proteína, que já se sabe estar envolvida no desenvolvimento de vários tipos de câncer, ao tornar as células "imortais", evitando a apoptose, ou morte celular programada - esta é uma etapa-chave nos primeiros estágios do câncer.
Prevenção
"Ficamos surpresos ao verificar que alterações em nosso metabolismo, causadas pelo açúcar que ingerimos, impactam nosso risco de ter câncer," disse a Dra Custodia.
"Nós agora estamos investigando que outros componentes da dieta podem influenciar o nosso risco de câncer. Mudanças de dieta são uma das estratégias de prevenção mais fáceis, que podem potencialmente evitar muito sofrimento," concluiu ela.
Fonte: Diário da Saúde

18 de fevereiro de 2013

Healthy Monday...



SEGUNDA-SAUDÁVEL......

O ano parece que vai começar, afinal de contas o carnaval acabou, então...vamos começar a colocar em prática nossos objetivos e metas para este ano.....

Há uma semana retomamos nossas atividades normais aqui no blog, pois o início do ano foi agitado. E já que estamos recomeçando por aqui, que tal você recomeçar aí? Isso mesmo, recoloque suas metas e objetivos que foram estabelecidos no final do ano e que ainda não foram realizadas, arrume tempo e força de vontade para colocá-los em prática.

Lembre-se: Toda segunda-feira é uma nova chance para que um estilo de vida saudável se reinicie. Faça da segunda-feira o dia em que você renova seu compromisso de viver uma vida mais saudável !!!

16 de fevereiro de 2013

Você sabe a diferença entre alergia e intolerância alimentar?



intolerância alimentar ocorre porque, ao chegarem ao estômago, tais substâncias não são parcialmente ou totalmente absorvidas, acumulando-se e provocando desconfortos. Nesses casos, o organismo não produz as enzimas necessárias para a digestão desses alimentos ou elas são insuficientes. No caso da intolerância à lactose, o sistema digestório não produz uma enzima chamada lactase.

inchaço, principalmente no abdome, nas pernas e nos pés, é uma das evidências de que algo está errado, podendo ser acompanhado de gases, cólicas, olheiras, náuseas, dores de cabeça, fadiga, diarreia, urina com cheiro forte, alteração de humor e até mau hálito. Outros sintomas são rinite, gastrite, sinusite e amidalite constantes.

Os causadores de intolerância alimentar mais comuns são ovos, leite, soja, trigo e frutos do mar, além de corantes, conservantes e intensificadores de sabor presentes em produtos industrializados, enlatados e congelados. 

alergia alimentar é facilmente confundida com a intolerância. Embora os sintomas sejam semelhantes, a primeira é uma resposta exagerada do sistema imunológico ao contato com determinadas substâncias. Já a segunda é a dificuldade da digestão de determinados alimentos não gerada pelo sistema de defesa. É importante saber que, apesar de os processos estarem interligados, eles não são os mesmos.


15 de fevereiro de 2013

Romã possui antioxidantes que protegem contra doenças degenerativas...



Pesquisadoras brasileiras descobriram que a romã tem grande potencial para atuar na prevenção do Mal de Alzheimer e outras doenças degenerativas.
Inúmeros estudos indicam que, entre pessoas que consomem frutas e verduras regularmente, é mais raro o diagnóstico de doenças degenerativas decorrentes da idade avançada.
"Isso se deve ao fato de que a quantidade de antioxidantes presentes nesses alimentos é elevada", comenta Maressa Caldeira Morzelle, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (USP/ESALQ), autora da pesquisa.
Em seu trabalho, Maressa mostrou que a casca da fruta possui mais antioxidantes do que seu suco e sua polpa.
Acredita-se que os antioxidantes atuem na prevenção contra os radicais livres que matam as células do nosso corpo, o que pode resultar em doenças degenerativas em geral.
Com base nessa premissa, Maressa buscou alternativas que pudessem concentrar todo o extrato da casca de romã em um pó que possa ser diluído como suco ou adicionado a sucos de outros sabores
Composto bioativo
O principal desafio foi criar um composto bioativo que não afeta as propriedades sensoriais do produto final.
Os melhores resultados vieram na forma de um extrato, elaborado com etanol e água, e de um pó para refrescos, que não altera o sabor do suco ao qual é adicionado.
Segundo a pesquisadora, o trabalho pode se transformar em um produto comercial, eventualmente na forma de microcápsulas contendo o extrato casca de romã, que possam ser adicionadas na dieta em geral, ou mesmo tomadas na forma de um suplemento tradicional.
Fonte: Diário da Saúde

14 de fevereiro de 2013

Vegetarianos têm coração mais saudável, diz estudo...



Pessoas que seguem uma dieta vegetariana têm um coração mais saudável do que aquelas que comem carne e peixe. Segundo uma pesquisa britânica, esses indivíduos apresentam um risco menor de sofrer doenças cardíacas e também de serem hospitalizados ou morrerem em decorrência de um evento cardiovascular. O estudo, que estará presente na edição de março do periódico The American Journal of Clinical Nutrition, reforça trabalhos recentes que associaram o consumo de carne vermelha a uma maior taxa de mortalidade.
Para a autora desse estudo, Francesca Crowe, epidemiologista da Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha, grande parte dessa diferença se deve aos efeitos do colesterol e da pressão sanguínea, que geralmente são mais altos entre os consumidores de carne. “Nossas conclusões ressaltam a importância dos hábitos alimentares para a saúde do coração”, diz.
A pesquisa de Crowe comparou a saúde cardiovascular de vegetarianos e não vegetarianos — ao todo, o estudo avaliou quase 45.000 pessoas entre 50 e 70 anos de idade durante 12 anos. Ao longo desse tempo, os participantes responderam a questionários detalhados sobre sua saúde e seu estilo de vida. 
Melhor saúde — Segundo os resultados, os vegetarianos, de maneira geral, têm pressão arterial e níveis de colesterol no sangue mais baixos do que as pessoas que comem carne. Eles também tendem a apresentar um índice de massa corporal (IMC) menor e um menor risco de diabetes. Além disso, após levarem em consideração fatores como idade, tabagismo, consumo de álcool e prática de atividade física, os pesquisadores concluíram que os vegetarianos têm uma chance 28% menor de desenvolver alguma doença cardiovascular e 32% mais baixa de hospitalização ou de morrer por condições do tipo. O risco de câncer, no entanto, é semelhante entre vegetarianos e não vegetarianos.
Fonte: Revista Veja

13 de fevereiro de 2013

Desintoxicação pós-carnaval...



A folia acabou! Não dizem por aí que o ano começa após o carnaval? Pois é, se 2013 para você começa agora após os excessos do carnaval, nada melhor que começar o ano com o pé direito e com o corpo limpinho, desintoxicado de tanta bebida alcoólica e alimentos e hábitos nada saudáveis.

Vamos às dicas para você desintoxicar seu organismo:

- Beba muita, muita, MUITA ÁGUA, principalmente se extrapolou a dose no álcool. Lembre-se a maior parte do seu organismo é constituída de água, se faltar, nada funciona como deveria.

- Tome chá verde, um excelente diurético e desintoxicante vai te auxiliar a eliminar aquele inchaço indesejado. Não gosta do sabor? Adicione fatias de limão, laranja, hortelã, capim cidreira para saborizá-lo. Outros chás com poder diurético são: alecrim, salsaparrilha e hortelã, mas o chá verde possui muitas propriedades benéficas além da desintoxicação, então seu consumo é importante.

- Nesta semana procure fazer refeições leves com ingredientes naturais para colocar seu metabolismo em dia. Aposte em sopas bem coloridas e que não sejam industrializadas. Faça saladas com uma boa variedade de legumes e verduras para repor vitaminas e minerais ao seu organismo. Carnes magras e grelhadas são uma boa pedida e nada de frituras e carnes gordurosas.

- Aposte no arroz integral, se não tem hábito de consumir os alimentos integrais é uma boa hora para iniciar seu consumo. Além de proporcionar mais saciedade por seu índice glicêmico ser menor, sendo um grande aliado no processo de emagrecimento, de brinde você leva mais nutrientes.

- Abuse das frutas! Com certeza você deve ser daqueles que come 1 fruta ao dia ou 1 por semana. Nada disso! Tente criar o hábito de consumir no mínimo 3 frutas ao dia. A dica que sempre dou ao meus clientes é fazer uma super salada de frutas, mas não aquela tradicional que só vai banana, maçã e mamão. Coloque laranja, kiwi, melão, pêra, maçã, manga, mamão, pique tudo e coloque na geladeira e vá servindo as porções nos lanches, café-da-manhã e leve com você uma porção para o trabalho, além de ser muito mais gostoso que uma fruta só você acaba ingerindo diversas vitaminas de uma vez só.

- Determine horários para as suas refeições. Eu sei que muitas vezes é difícil pela rotina de trabalho, etc, mas procure estabelecer horários para as refeições. Nosso corpo gosta de disciplina e estabelecer esta rotina alimentar evita que você fique beliscando, exagere nas refeições ou coma alimentos que não deve, como por exemplo alimentos fritos ou fast food.

- Se não consegue sozinho, procure ajuda! Tem pessoas que são bem organizadas e conseguem se disciplinar nas refeições, o que não é garantia de estar se alimentando corretamente, mas já é um começo. Acredito que é sempre interessante procurar um profissional para trocar uma ideia sobre seus hábitos alimentares. Muitas vezes as mudanças não são grandes, mas fazem toda diferença. E muitas vezes as mudanças precisam ser drásticas e por isso o suporte técnico de um profissional é importante para que você não desista no meio do caminho já que conseguimos buscar alternativas aos obstáculos.

- E por fim, mas não menos importante, é preciso enraizar o hábito do exercício físico, que além de melhorar a circulação, evitando retenção de líquidos, tem zilhões de benefícios, incluindo o emagrecimento e melhora da qualidade de vida.

Estas dicas são um incentivo para que você comece a colocar em prática suas resoluções de ano novo, e tenho certeza que melhorar seus hábitos alimentares, faz parte desta lista.

12 de fevereiro de 2013

Você sabia?



O limão e outras frutas cítricas são ricos em um grupo de substâncias derivadas da sinefrina, que aceleram o metabolismo, o que aumenta o gasto calórico, auxiliando no processo de emagrecimento.

11 de fevereiro de 2013

Healthy Monday...


SEGUNDA SAUDÁVEL....

Semana começando com a ressaca do carnaval. Para quem abusou do álcool ou da folia, hoje é dia de muita hidratação, alimentação leve e muito descanso.

A partir de quarta-feira, retomando as atividades normais reinicie seu programa alimentar com alguma mudanças que vão melhorar sua qualidade de vida. Precisa emagrecer ou melhorar sua qualidade de vida através de hábitos alimentares saudáveis? Conte conosco para mudar sua alimentação. Não dizem que o ano só começa depois do carnaval? Então comece o seu tomando uma atitude mais saudável!

Lembre-se: Toda segunda-feira é uma nova chance para que um estilo de vida saudável se reinicie. Faça da segunda-feira o dia em que você renova seu compromisso de viver uma vida mais saudável !!!

9 de fevereiro de 2013

Você sabia?


O atum é fonte de vitamina B3, nutriente considerado importante para manter a ansiedade sob controle.

8 de fevereiro de 2013

Dicas para pular um carnaval saudável....



Carnaval é alegria, curtição e também ficar horas e horas pulando, suando, desidratando. Por isso é muito, muito importante jamais esquecer da hidratação, principalmente para aqueles que curtem as festas durante o dia ao ar livre naquele sol de rachar. Hidrate-se, tome água de coco e muita água para hidratar ainda mais se você estiver na companhia de bebidas alcoólicas, elas desidratam ainda mais, portanto, tome muita água intercalada com o álcool.

Independente do horário da sua festa, certeza é que você vai dançar, pular e não pode estar de estômago cheio, então nada de refeições pesadas antes de cair na folia. Prefira sanduíches integrais que vão te dar saciedade por um período maior, saladinha com grelhados, massas com molhos leves para dar energia para aguentar horas de folia.

De qualquer forma divirta-se, faça refeições leves, hidrate-se e não exagere nas bebidas alcoólicas!

7 de fevereiro de 2013

Você sabia?



O chocolate possui fenilalanina que melhora o humor mesmo quando consumido em pequenas porções. Prefira sempre o amargo e meio amargo.

6 de fevereiro de 2013

Sobre as mentiras que a balança conta....




Quem nunca subiu numa balança esperando que o “peso” mostrado por ela seja o menor possível? Frequentemente nos pesamos de olho no número que vai aparecer no visor digital, embora ele esteja longe de ser um parâmetro confiável para avaliar a situação da sua saúde e o sucesso do seu treino. “Perder peso”, embora seja o que a maioria dos praticantes amadores de esporte persegue, é um termo incorreto que minimiza algo bem mais complexo do que parece.

Mesmo o Índice de Massa Corporal, o famoso IMC, obtido por uma fórmula que avalia estatura e peso, pode levar a classificações incorretas. É possível apresentar IMC baixo, por exemplo, mas com porcentagem de massa gorda considerável – e vice-versa.
O corpo é basicamente constituído por gordura (massa gorda), ossos e músculos (massa magra). Quando determina o seu peso, a balança tradicional não discrimina quanto dele é formado por massa magra e quanto se deve à massa gorda. Consequentemente, não nos informa se o ganho ou a perda de peso são preocupantes ou benéficos. Confira dois casos reais que ilustram a questão:
Caso 1 – Uma praticante de musculação vinha exagerando nos treinos e não seguia orientação nutricional. Após ser reavaliada em termos de composição corporal, percebemos que sua massa gorda aumentara 1,2kg, enquanto sua massa magra diminuíra 1,4kg. Em outras palavras, ela até perdeu peso, mas sua composição corporal piorou.
Caso 2 – Um homem mais velho que havia ficado sedentário por anos decidiu adotar um programa de atividade física. Nós o avaliamos na primeira semana de treinos e repetimos o processo após três meses . Resultado: seu peso aumentou 1,2 kg. A massa gorda, porém, havia reduzido em 900 gramas. Perplexo, este aluno perguntou: “Como posso ter ganhado peso, se estou fazendo tudo direito?” A explicação é simples: ele ganhou 2,1 kg de massa magra.
Os dois casos mostram como a balança pode “mentir” para você. No primeiro caso, se fosse o único parâmetro para acompanhar a evolução dos programas, a praticante teria sido levada a acreditar que estava no caminho certo. E não estava. Já no segundo, o aluno teria ficado desestimulado, achando que estava engordando por conta dos exercícios. O que também não era verdade.
Fica então a dica: esqueça um pouco o número registrado pela balança e faça uma análise da sua composição corporal para saber se você está perdendo peso corretamente.

Por Renato Dutra/Revista Veja

5 de fevereiro de 2013

4 de fevereiro de 2013

Healthy Monday...


SEGUNDA SAUDÁVEL...

Mais uma semana se inicia e o carnaval já está quase chegando...E você vai pular o carnaval em forma? Ou ainda precisa eliminar uns quilinhos que te incomodam? Conte conosco para melhorar sua disposição e entrar na folia com o corpo em forma.

Aproveite que a semana está começando e inicie um programa de acompanhamento não apenas para o carnaval, mas para toda a vida! Cuide da sua alimentação, corrija maus hábitos e adquira atitudes saudáveis em relação a sua alimentação e sua saúde. Entre em contato e agende sua consulta!

Lembre-se: Toda segunda-feira é uma nova chance para que um estilo de vida saudável se reinicie. Faça da segunda-feira o dia em que você renova seu compromisso de viver uma vida mais saudável !!!

2 de fevereiro de 2013

Você sabia?


A banana contêm a vitamina B6, que em déficit no organismo, prejudica a formação de serotonina e dopamina.

1 de fevereiro de 2013

Sorvete recebe fruta do cerrado para ficar saudável...



Um sorvete que faça bem à saúde é sem dúvida a melhor notícia que poderia surgir no verão.
E essa é a expectativa nascida de um estudo feito na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, em Piracicaba (SP).
Os pesquisadores criaram um preparado lácteo em pó enriquecido com fibras de linhaça, inulina e FOS (fonte de prebióticos).
O resultado é um sorvete com menos açúcar, menos gordura e menos sódio.
Mas um dos grandes responsáveis por tantos benefícios é a mangaba, fruta típica do cerrado brasileiro.
Com as adições, o sorvete saudável apresenta alto teor de fibras alimentares, cálcio e vitaminas.
Mangaba
"A elaboração dos preparados em pó e dos sorvetes tem forte potencial à comercialização, já que são ricos do ponto de vista nutricional e agradam desde crianças até idosos, por serem atrativos e saudáveis", afirmou Marina Leopoldina Lamounier, autora do trabalho.
Marina afirma que sorvetes de frutas do cerrado com baixo valor energético ganham espaço cada vez maior na mesa dos consumidores.
"Estas frutas oferecem grande variedade de sabores e aromas, possuem quantidades significativas de vitaminas, propriedades funcionais e medicinais. É aí que entra a mangaba [Hancornia speciosa], que apresenta boa digestibilidade, alto valor nutritivo e consideráveis teores de proteína e vitamina C", conclui.
Outra vantagem é que o sorvete é adequado para pessoas com intolerância à lactose.
Fonte: Diário da Saúde