30 de abril de 2013

O café que você toma é saudável?



Uma pesquisa recente ressaltou os benefícios do café grego para o coração, alentando os fãs da bebida em todo o mundo.
Mas será que todos os tipos de café são bons para o bom funcionamento do órgão mais vital do corpo humano?
Todos os dias milhões de nós consumimos café saboreando seus componentes viciantes, e a verdade é que, a cada gole na xícara, nem todos pensam nos benefícios para a saúde.
"Nunca achei que tivesse problema tomar cinco xícaras de café por dia", diz Will Corby, especialista em café e instrutor da Escola de Café de Londres.
A cafeína é um estimulante tão poderoso que é comum ouvir histórias de pessoas que tomaram "overdose" de café espresso. Tomar muito da bebida é algo geralmente associado a malefícios para a saúde, como insônia, dores de cabeça e diurese.
Will Corby defende que qualidade é chave na hora de escolher um café. Ele diz que pode tomar 20 xícaras de café em um dia de degustação sem qualquer efeito colateral, mas o que acontece se ele beber três cafés ruins?
"Eu tomo muito café, mas é um café bom, bem macerado. Não tenho problemas para dormir. Mas se você tomar um café mal feito, isso pode ter um efeito negativo", diz Corby.
Café grego
De fato, pesquisas ao longo dos anos têm ressaltado os benefícios de tomar café, mais especificamente o café grego.
O consumo de café entre idosos na ilha grega de Ikaria foi relacionado à redução do riso de doenças cardiovasculares, segundo uma pesquisa divulgada na publicação Vascular Medicine Journal.
Mas por que o café grego é especial?
O café grego não é coado. Dentro de uma pequena cafeteira de bronze conhecida como briki, a água é misturada ao pó, que desce até o fundo, quando pode, então, ser servido. Tem mais concentração de cafeína do que o café filtrado e o percolado.
A bebida é muito forte, tem uma espuma espessa e pode ser preparada com açúcar ou puro. É servido com um copinho de água. Ao mesmo tempo, o café grego é conhecido por suas propriedades anti-inflamatórias.
Benefícios e malefícios do café
Diversos estudos já mostraram efeitos positivos e negativos do café sobre a saúde. Essas divergências, dizem especialistas, se explicam em parte pela falta de consistência do que bebemos.
Diferentes formas de torrar e diferentes espécies e variedades de grãos podem ter distintos graus de cafeína e outros compostos. Há, também, o efeito de diferentes ingredientes adicionais na bebida, como açúcar e leite.
No lado positivo, o café é conhecido por conter muitos antioxidantes, que impedem que nossas moléculas oxidam e produzam radicais livres.
Mulheres que bebem duas ou mais xícaras por dia têm menos chance de ficarem deprimidas, diz outro estudo.
Também há estudos que afirmam que o café reduz o risco de câncer oral e que o café reduz o risco de diabetes tipo 2.
E, entre as muitas razões para amar o café, o fato de ele dar energia talvez seja a mais simples delas.
No entanto, estudos também ligam a ingestão de cafeína ao aumento do colesterol e da pressão sanguínea.
Quanto café tomar
O que concluir, então? Recentemente, mudou de rumo o debate quanto a se o café faz bem ou mal. Uma pesquisa da Escola de Saúde Pública de Harvard sugere que não há elos entre o café e riscos à saúde.
Mesmo beber seis xícaras por dia "não está associado com aumento de riscos de morte por qualquer causa, seja câncer ou males cardiovasculares", diz Rob van Dam, professor-assistente na universidade.
Mas atenção: especialistas advertem contra excessos.
A pesquisa de Harvard, como a maioria dos estudos, levou em consideração copos de 225 ml, cada um com 100 mg de cafeína, "não os copos de 450 ml de um café grande na Starbucks, que tem cerca de 330 mg de cafeína", diz Van Dam.
Ao mesmo tempo, seja social ou psicologicamente, o café tem efeitos na nossa saúde mental.
"As pessoas ficam ligadas ao tomar café, enquanto o álcool as torna letárgicas", diz Will Corby. "Por isso as pessoas amam o café, ele ajuda na interação social."
O diretor da Associação de Cafés Especiais dos EUA (SCAA), Peter Giuliano, cita outra pesquisa, da Universidade da Califórnia, sugerindo que o café é útil para conectar tanto pessoas quanto diferentes partes de nosso cérebro.
Muitos pesquisadores ressaltam, porém, que muito ainda falta ser descoberto sobre os efeitos da bebida. Dito isso, é hora de fazer uma pausa para o café.
Fonte: Diário da Saúde

27 de abril de 2013

Veja lista dos 12 alimentos mais contaminados com pesticidas...




Todos sabem que frutas, legumes e vegetais em geral precisam receber produtos que combatem pragas no seu cultivo. O que muitos podem desconhecer são quais alimentos recebem as maiores quantidades de agrotóxicos, substâncias que chegam ao corpo quando ingerimos tais itens.

​O site The Huffington Post publicou a lista dos 12 alimentos mais contaminados nos Estados Unidos, examinados pela entidade sem fins lucrativos Environmental Working Group (EWG). A lista é conhecida como Dirty Dozen, algo como os 12 sujos.

A maçã lidera o ranking há nove anos seguidos. A lista é feita com a análise de 48 alimentos e, segundo a entidade, 67% deles ainda carregam pesticidas mesmo depois de lavados.

Segundo estudos, agrotóxicos estão associados a problemas de saúde, principalmente em crianças. Também podem ser carcinogênicos, bem como alterar a produção hormonal do organismo.

Confira a lista:

Maçãs
99% das amostras testadas demonstraram a presença de pelo menos um tipo de agrotóxico
 
Morangos
Trata-se do segundo alimento mais contaminado segundo análise de organização sem fins lucrativos
 
Uvas
As amostras verificadas pela Environmental Working Group (EWG) identificaram 15 tipos de substâncias tóxicas na fruta
 
Salsão
Foram identificados 13 diferentes tipos de agrotóxicos no alimento
 
Pêssegos
As frutas ficaram em quinto lugar entre os alimentos mais contaminados com pesticidas
 
Espinafre
Entre os vegetais, é o segundo mais contaminado segundo análise feita por entidade que verifica nível de agrotóxicos em alimentos
 
Pimentões
Foram encontrados resíduos de 15 pesticidas no alimento
 
Nectarinas
Em todas as amostras testadas da fruta foram identificados agrotóxicos
 
Pepinos
Ocupa o nono lugar na lista dos alimentos mais contaminados
 
Batatas
Segundo análise da Environmental Working Group (EWG), os alimentos também estão repletos de agrotóxicos
 
Tomates-cereja
Contém 13 tipos diferentes de pesticidas
 
Pimentas
Ocupam a 12ª posição entre os alimentos mais contaminados com agrotóxicos

Fonte: Terra

26 de abril de 2013

O que são Suplementos Pré-treino?



Este post escrevi para o site Homens que se cuidam e estou replicando aqui. Espero que gostem!
Agora é febre nas academias saber qual o pré-treino que o colega do aparelho ao lado está consumindo. Mas e aí,será que vale a pena investir neste tipo suplemento?
Vamos esclarecer alguns pontos sobre este assunto! A função primária do pré-treino é melhorar a performance durante o exercício e não a construção muscular.
Falo isso, porque já ouvi conversas e já atendi pacientes que investiram o dinheiro de uma boa proteína, muito útil no processo de hipertrofia, para comprar um pré-treino que para ele naquele momento não teria muita serventia.
A composição pode variar de uma marca para a outra, mas em geral eles combinam diversas substâncias como arginina, cafeína, beta-alanina, creatina, dimethylamylamina, sinefrina. Alguns destes componentes não são aprovados pela ANVISA, por isso não são comercializados aqui no Brasil.
Como Consumir: seu uso é recomendado para indivíduos que estão em um nível avançado de treino e não faz sentido o consumo para aqueles que estão iniciando na academia ou estão num nível intermediário de treinamento.
Normalmente utiliza-se o suplemento entre 30 e 45 minutos antes do treino.
Contra-indicações: importante ressaltar que alguns componentes como a sinefrina, cafeína e outros estimulantes normalmente contidos nessas fórmulas podem agravar/desencadear sérios problemas em pessoas susceptíveis. Outros efeitos colaterais relacionados são: alteração da pressão arterial, ansiedade, aumento dos batimentos cardíacos, nervosismo, tremores, suor excessivo.
A melhor forma de prezar pela saúde é procurando um nutricionista, pois ele irá orientá-lo sobre o uso de algumas das substâncias presentes nos pré-treinos como a arginina, ornitina, creatina, taurina, cafeína, beta-alanina de forma efetiva e individualizada.
Lembre-se: nada funciona isoladamente, suplementação sem uma boa alimentação e um treino adequado é dinheiro jogado fora!

24 de abril de 2013

Você sabia?




A ameixa é uma excelente fonte de antioxidantes vitamina C, vitamina A (na forma de Betacaroteno), vitamina B2 (riboflavina), potássio, magnésio e fibras.

Seu alto conteúdo de fibras lhe confere um poder laxativo, sendo muito recomendadas contra a prisão de ventre. Estas fibras também promovem saciedade sendo uma boa fruta para ser utilizada por aqueles em processo de emagrecimento.

Além de todos seus benefícios, esta delícia tem apenas 53, isso mesmo, 53 Kcal em 100 gramas.

23 de abril de 2013

Óleo de peixe na veia melhora imunidade após cirurgias...


A aplicação de óleo de peixe pelas veias na etapa pré-operatória favorece a resposta imunológica na etapa pós-operatória.
A descoberta foi feita por pesquisadores da Faculdade de Medicina da USP.
O óleo de peixe é rico em ácidos graxos poli-insaturados de cadeia longa ômega-3 (AGPI w-3), que têm potencial para prevenir ou atenuar inflamações.
A pesquisadora Raquel Torrinhas testou a injeção direta do composto em 63 pacientes internados para cirurgia eletiva de ressecção de câncer de estômago e cólon.
Entre os pacientes selecionados, com idades entre 18 e 75 anos, 31 receberam óleo de peixe e 32, no grupo controle, receberam infusão de emulsão parenteral rica em triglicérides de cadeia média.
O composto especial de óleo de peixe, fabricado na Alemanha, foi injetado por veia periférica, na concentração de 0,2 grama (g) de gordura por quilo (kg) de peso corpóreo por dia, durante seis horas contínuas e com rodízio diário do acesso venoso.
Reforço imunológico
No período pós-operatório, os pacientes tratados com a emulsão de óleo de peixe apresentaram menores níveis de interleucina IL-6 e maiores níveis da interleucina IL-10, em comparação aos que foram tratados com emulsão lipídica controle.
"Enquanto a IL-6 é um mediador imunológico relacionado com inflamação e imunossupressão, a IL-10 tem propriedades anti-inflamatórias", conta Raquel.
A injeção não alterou a evolução clínica da cirurgia propriamente dita, mas os pacientes apresentaram vários benefícios de natureza imunológica.
"Pacientes tratados com emulsão de óleo de peixe apresentaram funções ou marcadores de funções leucocitárias (das células de defesa do organismo) pós-operatórios melhores do que aqueles tratados com emulsão controle, notadamente menor diminuição da explosão oxidativa leucocitária, manutenção da porcentagem de monócitos exprimindo moléculas de superfície HLA-DR e CD32 e aumento da intensidade da expressão de CD32 por neutrófilos," explicou a pesquisadora.
Segundo Raquel, a infusão isolada de emulsão parenteral de óleo de peixe como fármaco-nutriente já foi realizada por outros pesquisadores em outras populações de pacientes e vem se mostrando segura, quando feita na mesma dose que aquela adotada na pesquisa (0,2g de gordura/ kg de peso corpóreo/ dia).
"Durante o estudo observaram-se efeitos adversos de baixa/moderada gravidade (dor local, vômitos e flebite local) em 9,7% dos pacientes do grupo óleo de peixe OP e 6,2% dos pacientes do grupo controle," concluiu.
Fonte: Diário da Saúde

22 de abril de 2013

Healthy Monday...


SEGUNDA SAUDÁVEL...

Começando mais uma semana com o pé direito! Quero te perguntar como anda seu consumo de ômega-3. Isso mesmo este ácido graxo essencial que age na prevenção e tratamento de várias patologias. Você sabia que ele melhora a saúde mental, melhorando a memória, o aprendizado e o sistema cognitivo? Que ele protege seu coração, aumentando o bom colesterol e reduzindo os triglicérides? E além disso, tem ação antiinflamatória sistêmica, diminuindo processos inflamatórios como a acne e a celulite. 

Se você não tem um consumo frequente de peixes como sardinha, salmão, arenque, atum, sementes como a chia, linhaça é interessante conversar com seu Nutricionista ou médico sobre uma suplementação individualizada para o seu caso. 

Lembre-se: Toda segunda-feira é uma nova chance para que um estilo de vida saudável se reinicie. Faça da segunda-feira o dia em que você renova seu compromisso de viver uma vida mais saudável !!!!!

20 de abril de 2013

Anvisa reduz quantidade de iodo no sal de cozinha...



A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou a redução dos limites de iodo adicionado no sal de cozinha.
Segundo a agência reguladora, há indícios de que o consumo excessivo de iodo possa aumentar os casos de tireoidite de Hashimoto, doença autoimune que tem entre seus principais sintomas a fadiga crônica, cansaço fácil e ganho de peso.
A norma atual fixa uma quantidade de iodo entre 20 miligramas (mg) e 60 mg para cada quilo de sal.
Com a nova resolução, a adição de iodo no sal poderá ficar entre 15 mg e 45 mg.
Os limites de adição de iodo no sal recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) ficam entre 20 mg e 40 mg para países em que a população consume uma média de 10 gramas de sal por dia.
Dados do Ministério da Saúde indicam que o brasileiro consome 9,6 gramas de sal diariamente, mas o consumo total pode chegar a 12 gramas quando levado em consideração alimentos processados e consumidos fora de casa.
A medida havia sido antecipada em 2011, quando a Anvisa colocou o assunto em consulta pública.
De acordo com a Anvisa, o processo de iodação do sal é uma medida adotada em todo o mundo com o objetivo de prevenir distúrbios por deficiência de iodo (DDI), que incluem retardo mental grave e irreversível e surdo-mudez em crianças, anomalias congênitas e bócio.
Fonte: Diário da Saúde

19 de abril de 2013

Suco de beterraba diminui pressão arterial...



Um copo de suco de beterraba por dia pode ajudar a reduzir a pressão arterial - hipertensão, ou pressão alta.
Os voluntários com pressão arterial elevada que beberam cerca de 240 mililitros (ml) de suco de beterraba apresentaram uma diminuição da pressão arterial de cerca de 10 mm Hg.
"Nossa esperança é que um aumento na ingestão de legumes com um teor elevado de nitrato na dieta, tais como vegetais de folhas verdes ou de beterraba, possa ser uma abordagem no estilo de vida que se pode facilmente utilizar para melhorar a saúde cardiovascular," disse Amrita Ahluwalia, da Escola de Medicina de Londres, uma das autoras do estudo publicado no jornal da Associação Norte-Americana do Coração.
O suco de beterraba contém cerca de 0,2 grama de nitrato, um nível que se pode encontrar em uma grande bacia de alface ou em duas beterrabas.
No corpo, o nitrato é convertido em um composto químico chamado nitrito e, em seguida, em óxido nítrico no sangue.
O óxido nítrico é um gás que alarga os vasos sanguíneos, auxiliando o fluxo do sangue.
"Ficamos surpresos com a pequena quantidade de nitrato necessária para resultar em um efeito tão grande", disse Ahluwalia.
"Este estudo mostra que, em comparação com indivíduos com pressão arterial saudável, muito menos nitrato é necessário para produzir reduções na pressão arterial capazes de gerar benefícios clínicos em pessoas que precisam reduzir a pressão arterial. Entretanto, ainda é incerto se este efeito é mantido a longo prazo," conclui a pesquisadora.
De acordo com o manual da Sociedade Brasileira de Hipertensão, uma dieta rica em potássio ajuda a controlar a pressão arterial.
Alimentos como feijão, ervilha, vegetais de cor verde-escuro, banana, melão, cenoura, beterraba, frutas secas, tomate, batata inglesa e laranja são indicados por serem ricos em potássio e pobres em sódio.
Fonte: Diário da Saúde

18 de abril de 2013

Perda de peso inadequada traz risco de transtorno alimentar...



Quase um terço dos adolescentes apresentam algum tipo de prática não saudável para controle do peso, enquanto 12,2% apresentam comportamentos de risco para transtornos alimentares.
Os dados são fruto da pesquisa da nutricionista Greisse Viero da Silva Leal, da Faculdade de Saúde Pública da USP.
As práticas de dieta restritiva aumentaram a chance de apresentar comportamentos de risco para transtornos alimentares 17 vezes no sexo masculino, e em quase 13 vezes no sexo feminino.
Greisse recomenda que os pais e os adolescentes aprendam a reconhecer precocemente as atitudes que podem desencadear transtornos alimentares na busca de sua prevenção.
Foram avaliados adolescentes, com idade média de 16 anos (de 14 a 19 anos), estudantes do ensino médio de 12 Escolas Técnicas do Centro Paula Souza, no município de São Paulo.
Comportamento de risco e comportamento não saudável
Entre os adolescentes que apresentaram comportamento de risco para transtornos alimentares, 72,5% são do sexo feminino.
"Estes comportamentos são caracterizados por compulsão alimentar (10,3%), prática de dieta restritiva (8,7%), uso de diuréticos com o objetivo de emagrecer (1,4%), uso de laxantes com o objetivo de emagrecer (0,3%) e vômito autoinduzido com o objetivo de emagrecer (0,3%)", conta a nutricionista.
Dos jovens que apresentavam alguma prática não saudável para controle do peso, 66,8% são do sexo feminino.
"Estas práticas são comer muito pouca comida com o objetivo de perder peso (20,4%); omitir refeições com o objetivo de perda de peso (20,6%); usar substitutos de refeições e alimentos com o objetivo de emagrecer (7,4%); usar remédios para emagrecer (2,1%) e fumar mais cigarros com o objetivo de emagrecer (1,6%)".
Entre as meninas, a leitura de revistas sobre dieta para emagrecer aumentou em 2,87 vezes a chance de apresentar práticas não saudáveis para controle do peso, enquanto que estar satisfeita com a imagem corporal diminuiu esta chance, ou seja, satisfação corporal foi fator protetor.
"O que se observa é que cada vez mais as revistas voltadas para o público feminino apresentam dietas para emagrecer e trazem corpos muito magros como ideais de beleza, as adolescentes podem sentir-se insatisfeitas com seus corpos quando comparados aos das modelos das revistas e procurar métodos não saudáveis para perder peso", diz Greisse.
Entre os adolescentes do sexo masculino, o que mais influenciou as práticas não saudáveis para controle de peso foi o estímulo materno à prática de dietas para emagrecer e a mídia (televisão, artistas de TV e modelos), aumentando o desejo de mudar a aparência corporal.
Fonte: Diário da Saúde

17 de abril de 2013

Descoberto como obesidade causa doenças autoimunes...



A obesidade é geralmente associada com as doenças cardiovasculares e com o diabetes.
Menos conhecida é a conexão entre o excesso de peso e doenças autoimunes, quando o sistema imunológico passa a atacar o próprio corpo.
Esse conhecimento está agora se ampliando, com a descoberta de como essa resposta autoimune se dá - e com a forma de interrompê-la.
A chave pode estar em um elemento conhecido como IAM, inibidor de apoptose nos macrófagos - apoptose é a morte celular programada, e macrófagos são células do sistema imunológico.
Toru Miyazaki e seus colegas da Universidade de Tóquio identificaram o IAM (inibidor de apoptose nos macrófagos) na corrente sanguínea, associando-o à inflamação que ocorre nos tecidos gerada pela obesidade.

"Nosso estudo explica, pela primeira vez, como a obesidade provoca uma resposta autoimune inicial, nomeadamente a produção de anticorpos contra vários auto-antígenos, e também define uma molécula-chave neste processo autoimune," disse Miyazaki.

Agora eles descobriram que a supressão do IAM - fazer com que as células consigam voltar a programar sua morte normalmente - também pode evitar as doenças autoimunes.
Os pesquisadores verificaram que uma imunoglobulina natural, chamada IgM, aumenta no sangue de camundongos alimentados com uma dieta rica em gordura. O aumento de IgM resulta dos estímulos que os ácidos graxos induzem sobre as células do sistema imunológico. Além disso, a IgM liga-se ao IAM, e esse complexo é retido no sangue, em vez de ser excretado pela urina.
A equipe concluiu que a presença prolongada de IgM-IAM no sangue contribui para a produção de auto-anticorpos.
"Assim, a inibição do IAM pode ser usada como uma terapia para evitar não só a resistência à insulina e distúrbios metabólicos, mas também a autoimunidade sob condições de obesidade," concluiu Miyazaki.
Fonte: Diário da Saúde

16 de abril de 2013

Segundo estudo, óleo de canola reduz risco de síndrome metabólica...


Tanto o óleo de canola puro, quanto misturas de óleo com alto percentual de canola, diminuem a gordura abdominal quando usados no lugar de outros tipos e misturas de óleos vegetais.
Uma equipe de cientistas do Canadá e dos EUA também confirmou que o consumo de óleos vegetais pode ser uma maneira simples de reduzir o risco de síndrome metabólica.
"As gorduras monoinsaturadas desses óleos vegetais parecem reduzir a gordura abdominal, o que por sua vez diminui os fatores de risco da síndrome metabólica," disse a Dra. Penny Kris-Etherton, da Universidade do Estado da Pensilvânia.
No estudo randomizado e controlado, 121 participantes com risco para síndrome metabólica receberam uma dose diária de 40 gramas de um de cinco óleos vegetais como parte de uma dieta para manutenção do peso e saudável para o coração, com ingestão de 2.000 calorias diárias, durante quatro semanas.
Os participantes tinham cinco fatores de risco caracterizados pelo aumento da gordura abdominal, baixo colesterol HDL, açúcar no sangue acima da média e pressão arterial e triglicerídeos elevados.
Os pesquisadores repetiram o processo para todos os cinco tipos de óleo vegetal pesquisados.
Os resultados mostraram que aqueles que consumiram óleo de canola ou uma mistura com alto oleico de óleo de canola diminuíram sua gordura da barriga em 1,6% em comparação com aqueles que consumiam uma mistura de óleo de linhaça ou cártamo, ou falso açafrão.
Embora pareça pouco, a inclusão do óleo na dieta a longo prazo pode ter efeitos cumulativos com efeitos bem perceptíveis.
A gordura abdominal ficou inalterada com outros tipos de óleo. Como os óleos de linhaça, cártamo e milho têm baixos teores de gordura monoinsaturada, os pesquisadores concluíram que esse deve ser o composto responsável pelos efeitos benéficos detectados no óleo de canola.
A maioria dos fatores que contribui para a síndrome metabólica pode ser contornada com uma dieta saudável, exercícios físicos e perda de peso, o que pode reduzir significativamente os riscos à saúde gerados por esta condição, que incluem doenças cardiovasculares e diabetes tipo 2.
Fonte: Diário da Saúde

12 de abril de 2013

Cientistas criam tomate que imita ação do colesterol bom...



Cientistas criaram um tomate geneticamente modificado que produz um peptídeo que imita a ação do HDL, o chamado colesterol bom.
Os primeiros experimentos, realizados em animais, mostram que as cobaias que ingeriram o tomate tiveram menos inflamações e menor acúmulo de placas nas artérias.
"Este é um dos primeiros exemplos de um peptídeo que age como a principal proteína no colesterol bom, e pode ser introduzido no corpo simplesmente comendo-se o fruto," disse o Dr. Alan Fogelman, da Universidade da California em Los Angeles (EUA).
Segundo o pesquisador, o peptídeo não precisa ser isolado ou purificado - ele é totalmente ativo tão logo o tomate seja comido.
Quando os animais comeram o tomate, o peptídeo tornou-se ativo no intestino delgado, mas não no sangue, sugerindo que o intestino pode ser um alvo mais promissor para evitar doenças induzidas pela dieta, como a aterosclerose, uma doença que pode levar a ataques cardíacos e derrames.
"Parece que o mecanismo de ação do tomate produtor de peptídeo envolve alterações no metabolismo dos lipídios no intestino, o que impacta positivamente o colesterol," disse Srinavasa Reddy, coautor do estudo.
O peptídeo, chamado 6F, imita a ação da proteína apoA-1, considerada a mais importante na lipoproteína de alta densidade (HDL na sigla em inglês), o colesterol bom.
O tomate rico no componente do colesterol bom ainda não está aprovado para testes em humanos.
Mas os cientistas acreditam que essa possibilidade é melhor porque não se tratará de um medicamento, mas de um alimento funcional, com chances de ser melhor tolerado pelo organismo do que um remédio.
Se isto não for possível, contudo, o peptídeo poderá ser fabricado na forma de um suplemento, aí sim, funcionando como um medicamento.
Fonte: Diário da Saúde

11 de abril de 2013

Azeite de oliva aumenta sensação de saciedade...


Muitas pessoas adotam dietas de baixa caloria, mas acabam "compensando" - elas comem mais porque não se sentem saciadas, ou "cheias", como estavam acostumadas.
Um novo estudo mostrou que essas pessoas podem ter um aliado importante: os óleos naturais, com baixos teores de gordura.
Esses óleos, liderado pelo azeite de oliva, regulam a sensação de saciedade, fazendo com que a pessoas sinta-se cheia mesmo ingerindo menos calorias.
A equipe do Dr. Peter Schieberle, da Universidade Técnica de Munique (Alemanha), descobriu agora como é que os óleos naturais podem ajudar a comer menos e perder peso.
Durante três meses, os participantes tomaram 500 gramas de iogurte enriquecido com um de quatro tipos de gordura, dois animais e dois vegetais (oliva e canola).
"O azeite de oliva teve o maior efeito na saciedade. O grupo que ingeriu azeite de oliva apresentou uma alta concentração do hormônio da saciedade (serotonina) no sangue. Também no aspecto subjetivo, esses participantes relataram achar que o iogurte saciava mais," diz o Dr. Schieberle.
Durante o estudo, nenhum dos participantes apresentou ganho de peso.
Cheiro do azeite
"Os resultados nos surpreenderam,", admite Schieberle, "porque o óleo de canola e o azeite de oliva contêm ácidos graxos similares".
Então eles se voltaram para os compostos presentes no aroma do azeite de oliva.
Bingo! Os participantes que tomaram iogurte contendo apenas o aroma do azeite de oliva continuaram sentindo-se saciados, enquanto os demais consumiram quase 200 calorias a mais por dia.
A duração da sensação da saciedade depende de uma série de fatores, mas o nível de açúcar no sangue é especialmente significativo. Quanto mais rápido ele cai, mais rapidamente as células somáticas absorvem a glicose do sangue, e mais cedo a pessoa vai começar a sentir fome novamente.
Na próxima parte do estudo, os pesquisadores pretendem investigar quais das substâncias aromáticas presentes no azeite de oliva são mais eficazes na inibição da absorção de glicose.
Fonte: Diário da Saúde

10 de abril de 2013

Dicas para aumentar a massa muscular...



Matéria escrita para o site Homens que se cuidam
Aqui vão algumas dicas da Nutricionista Esportiva Cris Spricigo sobre o aumento de massa magra! As informações são simples e fundamentais para quem deseja alcançar a sua meta ;)
Fracione suas refeições - o fracionamento das refeições é indispensável,  alimentar-se de 3 em 3 horas ou de 2 em 2 horas é importantíssimo. Programe-se para ter sempre os alimentos necessários disponíveis. Leve sua marmita, seus lanches para onde você for. Você não vai querer catabolizar ao longo do dia, certo?
Hidrate-se sempre - mantenha um consumo regular de água ao longo do dia e durante o treino. Para que ocorra o resfriamento do corpo, existe uma produção que suor, que gera uma perda de líquidos que devem ser repostos durante e após o treino.
Coma bem antes de ir a academia - Lembre-se que é preciso fornecer energia aos músculos antes dos exercícios. Até 1 hora antes do treino, coma alimentos que possam fornecer açúcar aos músculos, como os carboidratos. As melhores fontes deste nutriente são pães torrados, biscoitos de água, frutas, leite ou iogurte adoçado, batata doce, arroz, macarrão e algumas barras energéticas à base de carboidrato. A quantidade de alimentos ingeridos antes dos exercícios deve ser moderada, de forma a não dificultar a digestão e estar rapidamente disponível para os músculos.
Atenção no Pós-treino - Repor as energias gastas durante o treino é fundamental, o ideal é ingerir alimentos imediatamente após ou até no máximo 2 horas após os exercícios. Ingerir alimentos fontes de proteína, como carnes magras, queijos magros, iogurte desnatado, clara de ovo, suplementação proteica ou hipercalórica. Atenção para as proteínas, a reparação das fibras musculares com exercícios de força, necessitam de uma quantidade maior de proteínas, mas que devem ser calculadas de forma individual para que você não consuma em excesso. O que o corpo não aproveita é eliminado, e pode ser aquele suplemento caríssimo, importado que você está eliminando, fique atento.
Cuidado para não engordar, claro que, com as necessidades aumentadas de carboidrato e proteínas, a ingestão de alimentos é maior. Porém, a distribuição das calorias durante o dia é o grande segredo do sucesso. As refeições devem priorizar os horários de exercícios, e as quantidades de alimentos, devem ser reduzidas da tarde para a noite. A quantidade calórica necessária é individual, e sua variação depende do peso, altura, da carga de exercícios, da frequência de atividade física e até do horário do mesmo. Desta forma, aquele aumento na balança pode ser de gordura e não de massa magra, se a dieta não estiver perfeita!
Fique ligado na testosterona - o hormônio é o pai da construção muscular, ela promove a síntese proteica. Sua produção depende de zinco e complexo B, especialmente B12 e alguns alimentos podem contribuir para o aumento da sua produção. Basta que você consuma diariamente alguns dos seguintes alimentos: peixes ricos em ômega 3 (salmão, sardinha, atum), banana, abacate, carnes magras, feijão, ovo, brócolis.
Suplementação individualizada - além da alimentação uma boa suplementação com certeza pode auxiliar e muito, e não existe uma receita de bolo pronta neste caso.  Ela vai variar de acordo com o horário, duração do treino. Se no seu caso vamos usar proteína, aminoácidos, carboidrato em gel, hipercalóricos, barras de proteínas e por aí vai. A suplementação é e deve ser uma estratégia definida de forma individualizada para complementar o seu resultado final.
Não se esqueça que nada isoladamente funciona!

9 de abril de 2013

Segundo pesquisa, carne vermelha muda bactérias intestinais e causa aterosclerose....



Parece que o problema de comer muita carne vermelha não tem a ver apenas com o colesterol.
Uma substância abundante nas carnes vermelhas, vendida como suplemento alimentar e adicionada em bebidas energéticas provoca a aterosclerose - o endurecimento ou o entupimento das artérias - e aumenta o risco de outras doenças cardiovasculares.
O nome da substância denuncia sua origem: carnitina.
As bactérias que vivem no trato gastrointestinal humano metabolizam a carnitina, transformando-a em trimetilamina-N-óxido (TMAO), um metabólito já associado à aterosclerose em seres humanos em estudos anteriores.
Além disso, a nova pesquisa constatou que uma dieta rica em carnitina promove o crescimento das bactérias que metabolizam a carnitina, agravando o problema através da produção de mais do "entupidor de artérias" TMAO.
O estudo analisou os níveis de carnitina e TMAO em pessoas onívoras (que comem de tudo), vegans e vegetarianos, além dos dados clínicos, de 2.595 pacientes submetidos a avaliações cardíacas preventivas.
Os cientistas avaliaram também os efeitos cardíacos de uma dieta reforçada com carnitina em camundongos normais em comparação com camundongos com níveis artificialmente menores de microrganismos do intestino.
Nos animais, o TMAO altera o metabolismo do colesterol em múltiplos níveis, explicando como ele aumenta a aterosclerose.
Os níveis mais elevados de carnitina nos pacientes humanos funcionou como um indicador fiel do aumento dos riscos das doenças cardiovasculares e grandes eventos cardíacos, como ataque cardíaco, derrame e morte, mas apenas em indivíduos simultaneamente com altos níveis de TMAO.
Além disso, os pesquisadores descobriram tipos específicos de bactérias do intestino associados tanto com os nível de TMAO no plasma quanto com os padrões alimentares, e que os níveis basais de TMAO são significativamente menores entre os vegans e vegetarianos do que entre os onívoros.
Os vegans e vegetarianos, mesmo após ingerirem uma grande quantidade de carnitina na forma de suplementos não produziram níveis significativos das bactérias associadas ao TMAO, enquanto os onívoros tiveram esse efeito após consumirem a mesma quantidade de carnitina.
Nutriente não essencial
"As bactérias que vivem em nossos tratos digestivos são determinadas pelos nossos padrões de dieta de longo prazo. Uma dieta rica em carnitina realmente muda a nossa composição microbiana do intestino, beneficiando aquelas que gostam de carnitina, tornando os comedores de carne ainda mais suscetíveis à formação de TMAO e seus efeitos de entupimento das artérias," explica o Dr. Stanley Hazen, da Universidade Case Western (EUA), coordenador do estudo.
"Enquanto isso, os vegans e vegetarianos têm uma capacidade significativamente reduzida para sintetizar a TMAO da carnitina, o que pode explicar os benefícios para a saúde cardiovascular dessas dietas."
"A carnitina não é um nutriente essencial, o nosso corpo produz naturalmente tudo o que precisamos," prossegue o pesquisador. "Precisamos avaliar a segurança do uso crônico de suplementos de carnitina, já que, como nós mostramos, sob certas condições, eles podem favorecer o crescimento de bactérias que produzem TMAO e potencialmente obstruem as artérias."
Fonte: Diário da Saúde

8 de abril de 2013

Healthy Monday...



SEGUNDA SAUDÁVEL....

Atenção, a Páscoa já passou chega de se entupir de chocolate. Ah, mas sobrou um monte! Bom, aí você escolhe: ou ganha um monte de gramas a mais ou faz a felicidade de alguém doando um chocolate. Isso mesmo pratique o desapego e doe para uma criança da rua, para o filho do vizinho da sua funcionária, enfim, se desfaça desta tentação.

Nesta segunda, procure se desintoxicar de tanto chocolate e das delícias da Páscoa. Coma muitos legumes e salada no almoço e tome uma deliciosa sopa desintoxicante no jantar, sem se esquecer das frutas nos lanches intermediários.

Lembre-se: Toda segunda-feira é uma nova chance para que um estilo de vida saudável se reinicie. Faça da segunda-feira o dia em que você renova seu compromisso de viver uma vida mais saudável !!!!!

7 de abril de 2013

Nutricionista dá dicas para quem vai disputar corrida em Goiânia...



Entrevista concedida à assessoria de imprensa da Caixa para etapa de abertura do Circuito da Caixa:

Goiânia - Sede da etapa de abertura do Circuito de Corridas Caixa 2013, em 7 de abril, Goiânia guarda algumas tentações para quem está se preparando para correr. Com uma culinária influenciada por mineiros, paulistas e índios, a cidade tem pratos como o empadão goiano e a pamonha. 

De acordo com a Dra. Cristiane Spricigo, nutricionista e especialista em nutrição esportiva, todas essas iguarias são permitidas, desde que consumidas com moderação e nos horários adequados. "Os goianos gostam muito de pamonha. O milho, em si, é rico em carboidrato, importante para quem corre, mas a pamonha leva muita gordura na preparação. Não é um prato que eu veto, mas sempre oriento os atletas a comer em horários regulares, não exagerar na quantidade. E, se possível, usar menos gordura ao preparar o alimento", ressalta a Dra. Cristiane, que faz um trabalho individualizado para esportistas e atende grupos de corrida como o Mulheres que Malham (MQM), sempre presente no Circuito Caixa.

Segundo a nutricionista, o ingrediente que não pode faltar no prato do atleta em preparação para uma corrida é o carboidrato. "É preciso incluir alimentos ricos em carboidratos, como pães, massas e outros, tanto ao longo do dia como antes do treino, em geral meia hora antes de ir correr", destaca. A hidratação constante, com água e líquidos contendo vitaminas e sais minerais, também é importante, principalmente numa região como Goiânia, com clima seco de cerrado.

Mas atenção: os cuidados dos atletas com a nutrição devem acompanhar o treinamento físico e procurar orientação especializada pelo menos um mês antes da prova que pretendem disputar. "O corpo demora pelo menos quinze, vinte dias para se adaptar a uma nova rotina alimentar. Muito pouco se pode fazer a uma semana da corrida", explica a Dra. Cristiane. "E, no dia do evento, o atleta não deve comer nada diferente do que seu normal. Se a pessoa não está acostumada a ingerir carboidrato em gel durante os treinos, não deve fazer isso durante a prova, também, ou o corpo pode estranhar e ter uma reação ruim."

Para quem vai disputar a primeira etapa do Circuito Caixa, que terá largada às 8 horas no Parque Areião, uma dica: "procure comer algo leve como um sanduíche de peito de peru", diz a Dra. Cristiane Spricigo.

Mais importante competição de corridas de rua do País, o Circuito Caixa celebra em 2013 dez anos de história, cinco deles em Goiânia. Passando por quatro das cinco regiões brasileiras, a competição conta com a chancela da CBAt. Suas 12 corridas somam pontos para o ranking brasileiro de corredores de rua. Os dez primeiros colocados no ranking, no masculino e no feminino, garantem o patrocínio da Caixa para 2014. 

2 de abril de 2013

Abril é tempo de...



- Abacate
- Abóbora e abóbora-moranga
- Abobrinha brasileira
- Alface 
- Alho-porró
- Almeirão
- Ameixa estrangeira
- Atemoia
- Banana-maçã
- Batata doce amarela
- Batata doce rosada
- Berinjela japonesa
- Beterraba
- Caqui
- Cará
- Catalonha
- Chuchu
- Escarola
- Inhame
- Jaca
- Kiwi nacional
- Maçã nacional e gala
- Mamão formosa 
- Mandioca
- Nabo
- Pepino caipira, comum e japonês
- Pera estrangeira
- Pimenta vermelha
- Repolho
- Tangerina-cravo
- Tomate

1 de abril de 2013

Healthy Monday...



SEGUNDA SAUDÁVEL....

Como foi sua Páscoa? Recheada de ovos, bombons, etc? Conseguiu se controlar e hoje trouxe para o trabalho pelo menos um dos ovos para dividir com o pessoal do trabalho? Mandou seus filhos também levarem para escola para dividir com os colegas para ele não se entupir sozinho de chocolate?

Pois é, existe vida após a Páscoa e dependo de como foi a sua existe umas graminhas ou até mesmo quilinhos para serem exterminados. Como não adianta chorar sobre o leite derramado e sobre o chocolate consumido, vamos trabalhar duro para eliminar este peso extra.

Faça uma caminhada mais longa, abandone o elevador, deixe o carro um pouco mais longe, diminua o carboidrato do almoço pela metade e acrescente a mesma quantidade de salada colorida e variada para encher seu corpo de antioxidantes e nutrientes que vão ajudar na faxina! Tome muita água e coma frutas nos intervalos para completar a desintoxicação.

Lembre-se: Toda segunda-feira é uma nova chance para que um estilo de vida saudável se reinicie. Faça da segunda-feira o dia em que você renova seu compromisso de viver uma vida mais saudável !!!