31 de agosto de 2011

31 de Agosto, Dia do Nutricionista...


Na arte de nutrir a vida, o NUTRICIONISTA é o maestro que rege a orquestra do organismo humano através da sinfonia dos sentidos.....

Ser NUTRICIONISTA é vitaminar planos, dar energia a sonhos e alimentar idéias....

PARABÉNS a todos os colegas NUTRICIONISTAS pelo empenho e dedicação que esta profissão tão importante exige de todos nós, para que possamos disseminar a importância da Alimentação Saudável na melhoria da Qualidade de Vida !!!!

30 de agosto de 2011

Palitinhos de Gergelim sem Glúten e Lactose (Grissini)



Ingredientes:

- ½ xícara de gergelim
- 1 colher de (chá) de fermento em pó
- 75 gramas de margarina (¾ de tablete)
- 1 e ½ xícaras de creme de arroz
- ½ xícara de maisena
- ¼ xícara de fécula de batata
- 1 colher de (chá) de sal
- água para dar liga
- 2 ovos

MODO DE PREPARO: 

Misture todos os ingredientes, menos a água, amasse bem, depois acrescente a água aos poucos, sempre trabalhando a massa. Enrole pequenas porções da massa numa superfície enfarinhada dando formato de grissini. Se desejar antes de assar polvilhe mais um pouco de gergelim. Asse em forno médio pré-aquecido por 20-25 minutos. Ficam macios e crocantes.
Dica: Você pode adicionar um pouco de semente de linhaça para aumentar o teor de fibras.                                                            

















Fonte: Liga da Saúde

28 de agosto de 2011

Resumo da Semana na Liga da Saúde....


Aditivos alimentares e seus malefícios

Aditivos alimentares: resolvi escrever sobre o tema, pois, vejo que poucas pessoas conhecem os malefícios de tais substâncias consideradas por muitos, como inofensivas. O texto abaixo foi publicado originalmente no meu blog pessoal (http://www.ecologiamedica.net/), porém fiz algumas atualizações. 
Leia mais...

Os benefícios da Quinua


Atualmente, nunca se teve tantas opções de consumo de alimentos na busca de uma vida mais saudável.  Em se tratando de grãos e cereais, vamos conhecer hoje um pouco sobre a Quinua e saber o que tem por trás desse grão ainda pouco conhecido, apesar de encontrado em lojas de produtos naturais e até nas prateleiras de alguns supermercados.  Ou seja, mais uma opção que não pode faltar em nossas mesas.

Alzheimer: Complementos para um Cérebro Doente


O Mal de Alzheimer ou Doença de Alzheimer (DA) é uma patologia degenerativa que acomete o cérebro. Usualmente é de natureza crônica e progressiva, comprometendo funções corticais superiores como a memória, o pensamento, a linguagem e o julgamento crítico.As características da doença foram descritas pela primeira vez no início do século XX pelo neuropatologista alemão Alois Alzheimer.

Vai ser Mamãe? Então Saiba do que Seu Bebê Precisa!..


A descoberta de uma gravidez é sempre motivo de muita alegria. Mas, também gera muita ansiedade porque ter um ser sendo gerado dentro de si é uma grande responsabilidade. E esta responsabilidade não se dá apenas após o parto, mas sim desde a concepção e desenvolvimento intra-útero. A mãe é a responsável pelo fornecimento de nutrientes que irão promover o crescimento do feto e é aí que seu papel de mãe se inicia, saber fazer boas escolhas alimentares para gerar um bebê saudável.

Sinusite – Dicas para evitar as crises e ter mais sucesso no tratamento




Sinusite é a inflamação dos seios da face ("Buracos" que todos temos nas imediações do nariz e acima dos olhos, primordialmente) que existem para não só diminuir o peso do crânio mas também produzir a secreção que lubrifica o nariz e assim retém impurezas. Na sinusite esta secreção (“catarro”) fica presa, concentrada e viscosa, assim comprimindo as paredes dos seios da face, provocando inflamação e causando dor.  Ocorre que quanto mais esta secreção acumula, mais vai ficando “velha” e fétida por ser infectada por microrganismos (mais comumente vírus – Estudos mostram que menos da metade das sinusites é de etiologia bacteriana); Ou seja: o que principalmente melhora os sintomas de uma sinusite é possibilitar a saída deste catarro dos seios da face e, somente quando necessário, matar o agente infeccioso que está vivendo e multiplicando-se na secreção retida (lembremo-nos que antibióticos em geral servem para combater bactérias e não vírus)...

Benefícios do Gergelim...



Do latim Sesamum indicum L. o gergelim é uma semente originária do Oriente que pode ser encontrada em grãos, com ou sem casca, inteiro ou moído, e também como óleo, manteiga ou pasta.

Palitinhos de Gergelim sem Glúten e Lactose (Grissini)


Aproveitando que ontem falamos sobre os inúmeros benefícios do gergelim para nossa saúde (aqui), hoje trazemos uma sugestão para o lanche da tarde. Excelente domingo a todos!
Leia mais...

27 de agosto de 2011

Vai ser Mamãe? Então Saiba do que Seu Bebê Precisa!..



A descoberta de uma gravidez é sempre motivo de muita alegria. Mas, também gera muita ansiedade porque ter um ser sendo gerado dentro de si é uma grande responsabilidade. E esta responsabilidade não se dá apenas após o parto, mas sim desde a concepção e desenvolvimento intra-útero. A mãe é a responsável pelo fornecimento de nutrientes que irão promover o crescimento do feto e é aí que seu papel de mãe se inicia, saber fazer boas escolhas alimentares para gerar um bebê saudável.

Sabe aquela história que na gravidez você precisa se alimentar por dois? Na, na, ni, na, NÃO! Durante a gestação a maioria das mulheres ganha peso, mas elas não precisam ganhar uma quantidade ilimitada de peso, pois será difícil perder este excesso depois do parto e pode trazer complicações como diabetes e hipertensão. Basta que sejam acrescentadas à dieta 300 calorias por dia para manter uma gravidez saudável. O Institute of Medicine em seu último protocolo estabeleceu como aceitável um ganho de peso de 0,5 a 2 quilos durante o primeiro trimestre da gravidez.

A gestação não é um período para dietas, muito menos para comer o que quiser como se não houvesse amanhã. Se sua alimentação não é das mais equilibras, é uma excelente fase para buscar ajuda e mudar de vez maus hábitos visando a melhora do seu bem estar e do desenvolvimento saudável do seu bebê.

Um estudo fresquinho que saiu semana passada descobriu que o que uma mulher come durante a gravidez forma as preferências do bebê em relação a determinados alimentos na fase adulta. Um bebê é cercado e alimentado no líquido amniótico, que é preenchido com os sabores do que a mãe tenha comido. Os bebês se alimentam com o sabor do líquido amniótico, formando memórias desses sabores, mesmo antes do nascimento. Estas memórias resultam em preferências para estes alimentos mais tarde em sua vida. Portanto, você é o que você come e seu bebê será no futuro o que você comeu!

Segundo os pesquisadores, baunilha, cenoura, alho, anis, hortelã, são alguns dos sabores que foram mostrados para ser transmitidos ao líquido amniótico ou leite materno. Por exemplo, comer brócolis, durante a gravidez melhora as chances de seu bebê comer brócolis mais do que outro bebê, cuja mãe não come brócolis.

A dieta da mãe durante a gravidez pode alterar o DNA de seu filho, e aumentar o risco de obesidade, segundo pesquisadores da British Heart  Foundation. O estudo, mostrou   que comer muito carboidrato pode alterar o DNA. Alterações na dieta podem alterar a  função dos genes – conhecidos como mudança epigenética.

A pesquisa sugere que as mulheres devem seguir os conselhos dos médicos e nutricionistas em relação à melhora dos hábitos alimentares durante a gestação. Pois estes hábitos podem ter uma influência à longo prazo sobre a saúde do bebê após o nascimento.

As futuras mamães que comem vegetais todos os dias têm crianças com menor propensão a desenvolver o diabetes tipo 1, segundo um estudo feito na Universidade de Gotemburgo (Suécia) que foi publicado no jornal Pediatric Diabetes. No diabetes do tipo 1, determinadas células no pâncreas gradualmente perdem a capacidade de produzir insulina, levando à deficiência do hormônio. Crianças com risco de desenvolver o diabetes tipo 1 têm anticorpos em seu sangue que atacam essas células produtoras de insulina.

Esses marcadores de risco eram duas vezes mais comuns em crianças cujas mães raramente comeram vegetais durante a gravidez. O risco foi o mais baixo entre as crianças cujas mães afirmaram ter comido vegetais todos os dias durante a gravidez.

O consumo de muita gordura pela mãe durante a gravidez pode levar o bebê a ter sérios problemas no fígado, segundo estudo da Universidade de Southamptom, no Reino Unido. Publicados na revista médica Hepatology, os resultados indicaram uma associação entre uma alimentação rica em gordura na gestação e os riscos do filho desenvolver, posteriormente, doença hepática gordurosa não-alcoólica – condição associada à obesidade e marcada pelo acúmulo de gordura no fígado. 

Associação Dietética Americana (ADA) preconiza que as recomendações de fibras dietéticas para gestantes sejam as mesmas indicadas para o restante da população. Deve variar de 20 a 35g/dia, tanto das fibras solúveis quanto das insolúveis. 

A gestação por si só predispõe a sintomas desconfortáveis do hábito intestinal, consequente de alterações mecânicas e hormonais, que variam entre os indivíduos. A prevalência de constipação entre gestantes é de aproximadamente 40%. 

Em todos os estágios da gestação, e principalmente no último trimestre, as fibras dietéticas merecem atenção especial. A terapia ideal inclui aumentar a ingestão de fibras através da dieta e suplementos de fibras solúveis.Mas não se esqueça que ao aumentar o consumo de fibras deve-se aumentar a água ingerida diariamente, senão o efeito pode ser o contrário, pode piorar a constipação.

O número de porções do grupo de fibras dietéticas que a gestante deve incluir em sua dieta, são: 3 porções de frutas, 4-5 porções de vegetais ou folhas verdes e 7-8 porções de cereais integrais e legumes.

Uma das melhorias que as gestantes podem fazer na dieta é aumentar o consumo dos peixes (sardinha, salmão, atum, arenque) para 2 vezes por semana. Este consumo deve ser mantido também durante a lactação de acordo com um estudo publicado em setembro no American Journal of Clinical Nutrition, que demonstrou que ômega-3 presente nos peixes passa para o leite materno sendo benéfico ao desenvolvimento infantil. No estudo bebês cujas mães faziam uso dos peixes tinham melhores notas nos testes de desenvolvimento aos 6 e aos 18 meses de vida. Outra pesquisa, mas feita pela Universidade de Connecticut, demonstrou que o consumo durante a gravidez do ácido docosahexaenoico (DHA), um ácido graxo poliinsaturado da série ômega-3, durante a gravidez reduz o risco de depressão pós-parto.

Dicas Gerais Durante a Gestação:

- Troque o que for branco/refinado por suas versões integrais, como pão, arroz, macarrão;
- Aumente o consumo de água e líquidos;
- Consuma pelo menos 3 frutas ao dia e 4 tipos de legumes/verduras de cores diferentes, de preferência tudo orgânico;
- Consuma carnes sempre bem cozidas, nada mal passado, muito menos crú;
- Fracione suas refeições em pequenos volumes para evitar azia, náuseas. Faça no mínimo 5 refeições;
- Coma devagar, mastigue bem os alimentos;
- Evite fast foods, frituras, refrigerantes, doces, cafés, bebidas alcoólicas.

Referências Bibliográficas:

- How Do You Stop Tasting? Monell Center Advancing Discovery in taste and Smell. Disponível aqui
- Maternal diet and aging alter the epigenetic control of a promoter-enhancer interaction at the Hnf4a gene in rat pancreatic islets. PROCEEDINGS OF THE NATIONAL ACADEMY OF SCIENCES OF THE UNITED STATES OF AMERICA  Volume: 108   Issue: 13   Pages: 5449-5454
- Daily vegetable intake during pregnancy negatively associated to islet autoimmunity in the offspring - the ABIS study.  Pediatric Diabetes. Disponível aqui
- Maternal high-fat feeding primes steatohepatitis in adult mice offspring, involving mitochondrial dysfunction and altered lipogenesis gene expression. Hepatology, 2009
Essential n–3 fatty acids in pregnant women and early visual acuity maturation in term infants.American Journal of Clinical Nutrition, Vol. 87, No. 3, 548-557, March 2008 
- Maternal docosahexaenoic acid (DHA 22:6n-3) consumption during pregnacy decreases postpartum depression (PPD) symptomatology. The FASEB Journal. 2011. 25:349,7. 











Fonte: 
Liga da Saúde

23 de agosto de 2011

Estudo Identifica Impacto do Óleo de Peixe na Cognição e na Estrutura Cerebral...


Pesquisadores do Rhode Island Hospital's Alzheimer's Disease and Memory Disorders Cente encontraram associações positivas entre os suplementos de óleo de peixe e funcionamento cognitivo, bem como diferenças na estrutura cerebral entre usuários e não usuários de suplementos de óleo de peixe. Os resultados sugerem possíveis benefícios dos suplementos de óleo de peixe sobre a saúde do cérebro e do envelhecimento. Os resultados foram relatados na recente Conferência Internacional sobre Doença de Alzheimer, em Paris, França.

O estudo incluiu 819 indivíduos, dos quais 117 relataram uso regular de suplementos de óleo de peixe antes de entrar e durante o estudo de seguimento. Os pesquisadores compararam o funcionamento cognitivo atrofia do cérebro de pacientes que relataram usar rotineiramente estes suplementos para aqueles que não estavam usando suplementos de óleo de peixe.

Em comparação aos não-usuários, o uso de suplementos de óleo de peixe foi associada a uma melhor função cognitiva durante o estudo. No entanto, esta associação foi significativa apenas naqueles indivíduos que tinham uma função cognitiva basal normal e em indivíduos que testaram negativo para um fator de risco genético para a doença de Alzheimeré conhecido como APOE4. 

De acordo co os pesquisadores, estas observações deve motivar um estudo mais aprofundado dos possíveis efeitos de longo prazo suplementação de óleo de peixe em marcadores importantes do declínio cognitivo e à potencial influênciagenética sobre esses resultados.

21 de agosto de 2011

Resumo da Semana na Liga da Saúde....


Dúvidas mais comuns sobre a prática ortomolecular (Parte III)




Bom dia caros seguidores da Liga da Saúde.

Hoje temos a terceira e última parte do Post sobre Dúvidas mais comuns sobre a Prática Ortomolecular.

1 - Quais são as substâncias que a ortomolecular utiliza para tratar os pacientes e como saber se elas estão em falta ou em excesso no nosso organismo ?

R: Todas as células do corpo produzem energia com a finalidade de fabricar vários tipos de moléculas necessárias para o seu bom funcionamento. Nesse processo de produção de energia e síntese de substâncias que mantém o equilíbrio, uma parte do substrato para ativar esse processo é composto por substâncias que o próprio corpo sintetiza.

Estresse em Mulheres...


Mulheres quando em situação de estresse reagem de modo diferente dos homens. E alguns estudos sobre o comportamento dos hormônios e do funcionamento do cérebro de homens e mulheres em situação de estresse pode auxiliar melhor a compreensão dessas diferenças.

Viva mais e Melhor. A escolha é sua!




Ômega-3, Porque Você Deve Consumir?


Com certeza, você já ouviu e ouve todos os dias algo sobre esta gordura maravilhosa, seja no seu programa favorito, nas revistas, internet. Mas será que você realmente sabe os benefícios do ômega-3 para sua saúde? Então, prepare-se porque ele é tudo de bom! O ômega 3 é um ácido graxo essencial muito importante para nossa saúde. O corpo humano não é capaz de produzi-lo, portanto deve ser obtido através da alimentação e suplementação quando necessário.

Seu SONO é fundamental para a sua SAÚDE - Durma bem



A importância do sono para a saúde, bem como suas bases fisiológicas, já foram bastante discutidos pela Liga da Saúde em posts anteriores:

Canela...


Você sabia que esta delícia possui componentes como fibras, minerais e vitaminas? Sim, vitaminas como a C, tiamina, niacina, mucilagem, ferro, potássio, sódio, ácidos, óleo essencial, taninos, cálcio e fósforo entre outros.

Receita de Domingo: Bolachinhas de Banana com Aveia, Mel, Amêndoa e Canela...

Resultado final das bolachinhas (arquivo Carol Morais)
Leia mais...

20 de agosto de 2011

Ômega-3, Porque Você Deve Consumir?



Com certeza, você já ouviu e ouve todos os dias algo sobre esta gordura maravilhosa, seja no seu programa favorito, nas revistas, internet. Mas será que você realmente sabe os benefícios do ômega-3 para sua saúde? Então, prepare-se porque ele é tudo de bom! O ômega 3 é um ácido graxo essencial muito importante para nossa saúde. O corpo humano não é capaz de produzi-lo, portanto deve ser obtido através da alimentação e suplementação quando necessário.
Ele é encontrado em gorduras de peixes de águas profundas e frias, como cavala, arenque, salmão e sardinha. Outras fontes: sementes de linhaça moídas e óleos de peixe, de soja, de canola e de linhaça, azeite de oliva e castanhas e nozes.

Confira o Ranking (gramas de ômega-3/100 gramas de peixe):

Fonte: Revista Saúde

Um grande número de pesquisas vem demonstrando os benefícios do ômega para a saúde forma geral, fiz um resumo dos principais artigos que trazem estas novidades.

Cientistas americanos, em pesquisas realizadas na década de 1970, observaram seus benefícios em populações de esquimós, que consumiam peixes ricos em ômega 3. Eles compararam uma população que vivia no pólo norte, consumindo tais peixes, com outra que migrou para áreas urbanas. Aqueles que migravam apresentavam uma incidência de doenças cardiovasculares maior do que aqueles que ficaram vivendo da pesca.

Pesquisa da Universidade de Connecticut, demonstrou que o consumo durante a gravidez do ácido docosahexaenoico (DHA), um ácido graxo poliinsaturado da série ômega-3, encontrado em peixes como o salmão, durante a gravidez reduz o risco de depressão pós-parto. Foram administrados 300 miligramas de DHA, cinco dias por semana, entre as semanas 24 e 40 da gravidez, uma quantidade similar a meia porção de salmão.

Segundo uma pesquisa conduzida na Universidade de Campinas (Unicamp), os ácidos graxos ômega-3 e ômega-9, são capazes de reverter um processo que acontece no cérebro (mais especificamente no hipotálamo) e acaba desequilibrando a função de controle da fome e do gasto energético.

Dietas ricas em gorduras saturadas (presentes na carne bovina, no leite, no queijo e na manteiga) causam uma inflamação no hipotálamo que, quando prolongada, pode causar a morte de neurônios do local. Com a falência dessas células, o hipotálamo perde parte de suas funções. O resultado é uma redução significativa da capacidade de “percepção” do cérebro, que se confunde ao sinalizar para o organismo a estocagem ou a queima de energia. Durante as pesquisas, os ômegas conseguiram restabelecer as conexões neurais, reorganizando a função metabólica do organismo. 

Há ainda um outro papel importante na redução do peso: Segundo o estudo, o ômega-3 aumenta no tecido adiposo marrom uma proteína chamada UCP-1 (responsável pelo aumento do gasto energético). Com isso, as atividades normais de outras proteínas locais foram restauradas. Assim, os animais se tornaram mais tolerantes à glicose e também mais sensíveis às ações da insulina, antes prejudicada pela obesidade - resultando em uma queima calórica mais eficiente.

De acordo com um estudo publicado no American Journal of Clinical Nutrition, uma das melhorias que as gestantes podem fazer na dieta mesmo antes do nascimento de seus filhos é aumentar o consumo dos peixes para 2 vezes por semana. Este consumo deve ser mantido também durante a lactação, o estudo demonstrou que o ômega-3 presente nos peixes passa para o leite materno sendo benéfico ao desenvolvimento infantil. No estudo bebês cujas mães faziam uso dos peixes tinham melhores notas nos testes de desenvolvimento aos 6 e aos 18 meses de vida.

Estudo conduzido pelo Instituto de Pesquisa Phoenix-based Kronos Longevity (KLRI) encontrou que uma dieta rica em ômega-3 melhora a sensibilidade à insulina e reduz os marcadores inflamatórios.

À medida em que vamos envelhecendo a responsividade das células diminui em decorrência da perda de fluidade das células ou de alterações das membranas. Pesquisas vem demonstrando que o ácido graxo ômega-3 pode ajudar os sinais hormonais a entrar dentro das células menos fluidas de idosos. Estudos anteriores demonstraram que estes lipídios tem um papel importante na prevenção de doenças cardíacas e a aterosclerose, combate a de pressão, protege contra alguns tipos de câncer, Parkinson e até déficit de atenção.

No estudo, os participantes receberam uma dieta convencional ocidental por 6 semanas e após este período receberam suplementos de ômega-3 por 8 semanas. Os resultados evidenciaram uma redução dos níveis de triglicerídeos, da proteína inflamatória C-reativa e melhorou a sensibilidade ao hormônio insulina. Estes achados são consistentes com outros estudos que já haviam demonstrado os benefícios antiinflamatórios do ômega-3.

Pesquisadores da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, constataram que o ômega-3 tem um gostinho ainda mais saboroso para as mulheres, sobretudo aquelas que se aproximam ou já passaram da menopausa. São elas as principais vítimas da osteoporose que promove o esfarelamento da massa óssea. Ele restaura o equilíbrio e, assim, breca o avanço da osteoporose. As mulheres que querem distância do problema ou que lutam para controlá-lo não devem se esquecer, portanto, de ingerir as fontes desse ácido graxo.

Os mesmos cientistas americanos que avaliaram a ação antiosteoporose depararam com outra vantagem do nutriente: ele afasta doenças autoimunes, aquelas em que células de defesa declaram guerra a algumas regiões do próprio corpo. Entre elas, destaque para a artrite reumatóide, uma inflamação crônica nas articulações, e o lúpus eritematoso, problema marcado por ataques à pele e a órgãos como o fígado. O ômega-3 pode reduzir a capacidade de multiplicação das células agressoras e diminuir a concentração de substâncias de ação inflamatória

Em um artigo de revisão publicado na revista científica Nature Reviews Neuroscience vários nutrientes como o ômega-3 (encontrado em peixes e linhaça, principalmente) são citados como capazes de melhorar a memória e ajudar na batalha contra as desordens mentais que incluem depressão, alterações de humor, esquizofrenia e demência.

Jovens saudáveis que consomem ômega-3, um ácido graxo encontrado em peixes como o salmão, sofrem menos com problemas como inflamação e ansiedade. É o que aponta uma pesquisa realizada nos Estados Unidos e publicada na revista científica Brain, Behavior and Immunity.
De acordo com o estudo, feito pela Universidade do Estado de Ohio, se esses jovens fizerem uma dieta baseada na substância, eles terão menores riscos de desenvolver certas doenças quando forem idosos, como artrite, doenças cardíacas e câncer.

A hipótese é de que os suplementos de ômega-3 reduziriam os níveis de citocina, e, assim induziria a uma redução do estresse.

A ingestão do ômega 3 auxilia a diminuir os níveis de triglicerídeos e colesterol total. É um importante mediador de alergias e processo inflamatórios, pois são necessários para a formação das prostaglandinas  inflamatórias, tromboxanos e leucotrienos.

Os cientistas franceses comprovaram que uma dose diária de 200 mg de DHA é suficiente para afetar os marcadores biológicos que assinalam problemas cardiovasculares, como os relacionados com o envelhecimento, a aterosclerose e o diabetes.

Os tipos de ômega-3 são: DHA (ácido docosaexaenóico), EPA (ácido eicosapentaenóico) e ALA (ácido alfalinolênico). DHA e EPA são encontrados em óleos de peixe e protegem nosso coração. Porém, novas pesquisas vem mostrando que ALA, um tipo de ômega-3 encontrado na linhaça, soja e óleo de canola não parece prevenir contra as doenças cardiovasculares. A proporção de EPA e DHA deve ser de  2:1 

Ou seja, quando vemos uma indústria anunciando que seu produto (leite, cereal, creme vegetal, pão, dentre outros) é uma fonte de ômega-3 precisamos observar que tipo de óleo foi utilizado na preparação do mesmo. Os óleos vegetais são mais baratos mais não tem a mesma função dos óleos de peixe.

recomendação diária média de ômega-3 é de 1,6g para homens e 1,1g para mulheres. Claro que as doses devem ser individualizadas pelo seu médico ou Nutricionista de acordo com sua necessidade.

Dicas para reconhecer um ômega 3 seguro:


É provável que o ômega 3 que você esteja consumindo, embora tenha um baixo preço, não esteja fornecendo a quantidade de EPA e DHA necessária, além de ser rico em algumas toxinas, metais pesados e ácido araquidônico.

- Observe o conteúdo de EPA e DHA por cápsula
- Cheque a proporção de EPA e Ácido Araquidônico
- Identifique a estrutura do óleo ( éster etílico ou triglicerídeos)
- Verifique a quantidade de PCB’s, mercúrio e dioxinas
- Por último, esvazie 4 cápsulas de ômega 3 em um recipiente e coloque-as no congelador por 5 horas. Se ele congelar, então não se trata de um produto ultra-refinado.

Mas cuidado, apesar de todas essas maravilhas citadas acima, ele também pode trazer malefícios à saúde. O excesso por exemplo, pode retardar a coagulação sanguínea, causando hemorragias e hematomas. Antes de tomar grandes quantidades, consulte um profissional para adequar as doses às suas necessidades e dieta.

Referências Bibliográficas:

- Sontrop J, Campbell MK. Omega-3 polyunsaturated fatty acids and depression: a review of the evidence and a methodological critique. Prev Med. Janeiro de 2006;42(1):4-13. Epub 2005 Dec 7. (Abstract)
- Appleton KM, Hayward RC, Gunnell D, Peters TJ, Rogers PJ, Kessler D, Ness AR. Effects of n-3 long-chain polyunsaturated fatty acids on depressed mood: systematic review of published trials. Am J Clin Nutr.
- Federation of American Societies for Experimental Biology. "Omega-3 consumed during pregnancy curbs risk for postpartum depression symptoms." ScienceDaily, 12 Apr. 2011. Web. 17 Aug. 2011.
- Dieta rica em ômegas-3 e 9 interrompe e reverte processo inflamatório que causa a perda do controle da fome. Jornal da UNICAMP.  Página 7 setembro de 2010 – ANO XXIV – Nº 474.
- Effects of n–3 fatty acids during pregnancy and lactation. American Journal of Clinical Nutrition, Vol. 83, No. 6, S1452-1457S, June 2006 
- High Omega-3 Fat Intake Improves Insulin Sensitivity And Reduces Inflammatory Markers, But Does Not Alter Endocrine Responsiveness. Hormones and Metabolic Research inhttp://www.kronosinstitute.org/news/pressreleases/pr_0508.pdf

- Omega-3 supplementation lowers inflammation and anxiety in medical students: A randomized controlled trial, Brain, Behavior and Immunity omega, in PubMed



Fonte:  Liga da Saúde