31 de março de 2013

Feliz Páscoa!



“Páscoa é ser capaz de mudar,

é partilhar a vida na esperança,

é lutar para vencer todo tipo de sofrimento.

Páscoa é dizer sim ao amor e à vida,

Páscoa é renascimento, é recomeço,

é uma nova chance de melhorar

as coisas que não gostamos em nós,

para sermos mais felizes por conhecermos a nós mesmos mais um pouquinho,

e vermos que hoje somos melhores do que fomos ontem.”

30 de março de 2013

Você sabe do que é feito o chocolate que você consome?




Amargo: massa de cacau (resultado da trituração das favas), manteiga de cacau, açúcar e lecitina de soja (estabilizante usado para tornar a mistura homogênea)


Ao leite: adiciona-se leite em pó à massa de cacau, à manteiga de cacau, ao açúcar e à lecitina de soja

Branco: manteiga de cacau, açúcar, lecitina de soja e leite em pó

29 de março de 2013

Alimentos antioxidantes ajudam a dormir mais, diz nova pesquisa..



Receita para dormir mais e melhor todo mundo tem. Mas, agora, dá para montar um cardápio anti-insônia baseado numa grande pesquisa que relacionou comida com horas de sono.

O estudo, publicado na última edição da revista científica "Appetite", foi feito por uma equipe do departamento de medicina do sono da Universidade da Pensilvânia e envolveu 5.587 pessoas.

Os pesquisadores cruzaram os dados sobre alimentos consumidos e horas dormidas dos participantes, que tinham entre 18 ae 60 anos. As informações usadas são do levantamento nacional de saúde e nutrição dos Centros para Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos.

A parte mais original do trabalho foi quantificar, além de calorias e grandes grupos de alimentos (proteínas, gorduras, carboidratos), substâncias que, embora fundamentais, são necessárias em pequenas porções e, por isso, chamadas de micronutrientes: vitaminas e minerais.

Aí surgiram ingredientes surpreendentes tanto para os estudiosos do sono quanto para os da área de nutrição.

TOMATE E CHOCOLATE

Segundo a pesquisa, as substâncias ingeridas em maior quantidade pelas pessoas que dormem de sete a oito horas em relação aos que dormem seis ou menos horas por dia são os antioxidantes --desde sempre associados à prevenção de doenças, mas nunca antes considerados facilitadores do sono.

Os destaques foram o licopeno (que dá a cor ao tomate); a luteína (pigmento responsável pelo tom amarelo-alaranjado de alimentos como gema de ovo e milho); o mineral selênio; a vitamina C e a teobromina, um componente químico do cacau.

"Essas substâncias nunca tinham aparecido em pesquisas. A relação entre dieta saudável e o sono é pouco explorada", disse o psicólogo Michael Grandner, principal autor do estudo da Universidade da Pensilvânia.

Fonte: Folha de São Paulo

28 de março de 2013

Dicas para passar pela Páscoa sem engordar (muito)...



A Páscoa nem começou e você já está aí preocupada com as calorias? E quem não está? O jeito é comer apenas uma porção, de preferência pequena e de chocolate meio amargo ou amargo. Você não consegue resistir aos ovos de chocolate? Então, o jeito é criar estratégias para que o chocolate não provoque um estrago muito grande :)

Algumas sugestões para sua Páscoa ser mais light:

1. Avise seu namorado ou o pessoal de casa que você quer ganhar um ovo meio amargo ou com mais cacau. Estudos mostram que esse tipo de chocolate diminui o apetite e a compulsão por doce.

2. Quebre o ovo em vários pedaços (todos com cerca de 30 gramas) e coma só um por dia.

3. Coloque o chocolate na boca e deixe que derreta aos poucos.

4. Combine o seu pedaço com castanhas ou frutas secas. A gordura boa ou as fibras diminuem o IG (índice glicêmico), reduzindo o poder do chocolate "engordar".

5. Guarde o chocolate num pote fechado e dentro do armário. Longe dos olhos, você fica menos tentada a comer mais um pedacinho.

6. Leve o ovo para o trabalho e divida entre os amigos. Faça o mesmo com seus filhos, se estiverem acima do peso, incentive a levarem para a escola, assim distribuem entre os amigos.

27 de março de 2013

Se exagerar no chocolate, compense!.....


A Páscoa nem começou e você já está aí preocupada com as calorias? E quem não está? O jeito é comer apenas uma porção, de preferência pequena. Depois, o jeito é compensar.....


26 de março de 2013

Por que nosso corpo armazena gordura quando comemos à noite?



Os cientistas já demonstraram que o horário das refeições é tão importante quanto o que você come.
Uma das hipóteses para essa relação é que a atividade da insulina é controlada pelo relógio biológico, ou ritmo circadiano do corpo.
Mas faltava comprovar definitivamente uma relação causal em toda a cadeia de eventos que vai desde o comer fora de hora até o acúmulo de gordura no organismo.
Owen McGuinness e seus colegas da Universidade Vanderbilt (EUA) afirmam agora ter comprovado uma conexão entre a atividade da insulina e nosso ritmo circadiano.
Isso sugere que uma quebra sistemática em nosso ritmo biológico pode levar à obesidade, aumentando o risco de diabetes e doenças cardiovasculares.
Insulina e resistência à insulina
Nos últimos anos, vários estudos têm encontrado uma série de ligações entre o funcionamento do relógio biológico do corpo e vários aspectos do metabolismo, os processos físicos e químicos que fornecem energia e produzem, mantêm ou destroem tecidos.
Geralmente se assume que estas variações são causadas em resposta à insulina, que é um dos mais potentes hormônios metabólicos.
No entanto, ninguém tinha realmente comprovado que a ação da insulina segue um ciclo de 24 horas, ou o que acontece quando o relógio circadiano do corpo é interrompido.
A insulina, que é produzida no pâncreas, desempenha um papel fundamental na regulação do metabolismo das gorduras e carboidratos. Quando comemos, nossa digestão decompõe os carboidratos nos alimentos em glicose, um açúcar simples, que é absorvido para a corrente sanguínea.
Um excesso de glicose no sangue é tóxico, por isso um dos papéis da insulina é estimular a transferência da glicose para nossas células, removendo assim o excesso de glicose no sangue.
Especificamente, a insulina é necessária para mover a glicose para as células do fígado, músculos e tecido adiposo. Ela também bloqueia o processo de queima de gordura para obter energia.
A ação da insulina - a capacidade do hormônio para remover a glicose do sangue - pode ser debilitada por uma série de fatores, um fenômeno denominada de "resistência à insulina", porque o corpo passa a resistir à ação normal da insulina.
Comer na hora certa
Os cientistas descobriram que os animais de laboratório - que são noturnos, com um ritmo circadiano que é um espelho exato do humano - são relativamente resistentes à insulina durante seus momentos de sono e inatividade.
Mas eles se tornam mais sensíveis à insulina - mais capazes de retirar glicose do sangue - durante a fase de alimentação e atividade no seu ciclo de 24 horas.
Como resultado, a glicose é convertida em gordura principalmente durante a fase inativa, e usada como energia e para a construção de outros tecidos durante a fase de alta atividade.
"É por isso que é bom comer durante o dia... e não comer nada entre o jantar e café da manhã," diz Carl Johnson, coautor do estudo.
Fonte: Diário da Saúde

25 de março de 2013

Healthy Monday...


SEGUNDA SAUDÁVEL...

Mais uma semana se inicia e a páscoa se aproxima. Pois é, chocolate + chocolate + chocolate. Sabemos que muitas crianças e até adultos ganham muitos ovos de páscoa e comem tudo o que resulta num aumento de peso nesta época do ano.

Vamos sugerir que você faça na sua casa uma Páscoa solidária, doe metade dos ovos que seu filho ou você ganhar para uma criança carente, pois além de não aumentar o ponteiro da balança você torna o dia de uma criança mais feliz e doce. Pense nisso....

Lembre-se: Toda segunda-feira é uma nova chance para que um estilo de vida saudável se reinicie. Faça da segunda-feira o dia em que você renova seu compromisso de viver uma vida mais saudável !!!

23 de março de 2013

Sistema de contagem de calorias está errado, dizem cientistas...


Há algum tempo que os cientistas vêm questionando o sistema de cálculo de calorias nos alimentos.
Fale com um nutricionista, ou ouça o discurso das autoridades de saúde, e verá que todas as recomendações são baseadas nas calorias.
Mas, e se essa métrica - a própria contagem de calorias - estiver errada?
Que o sistema contém imprecisões sérias é algo sobre o que não há mais dúvidas.
"Nosso atual sistema de avaliar as calorias está certamente errado," disse Richard Wrangham, da Universidade de Harvard e coordenador de um painel que mostrou as deficiências do sistema durante a recente reunião da Associação para o Progresso da Ciência dos EUA.
Como as calorias são calculadas
O processo usado para estimar as calorias dos alimentos foi desenvolvido na virada do 19 para o século 20 por Wilbur Atwater.
É um sistema simples, que atribui quatro calorias para cada grama de proteína, nove calorias para cada grama de gordura, e quatro calorias para cada grama de hidrato de carbono.
Mais tarde, o sistema foi modificado para adicionar duas calorias para cada grama de fibra.
O painel de especialistas coletou uma série de evidências científicas que mostram que há muitos erros nesse sistema de atribuição das calorias aos alimentos.
Eles foram unânimes em atribuir falhas ao sistema de medição das calorias em pelo menos três itens:
  • ele não leva em conta a energia utilizada para digerir os alimentos;
  • não considera a parcela que as bactérias orais e intestinais retiram de vários alimentos; e
  • não considera as propriedades dos diferentes alimentos em si, que aceleram ou retardam sua viagem através dos intestinos.
Cru ou cozido?
As diferenças começam quando as calorias são medidas no mesmo alimento cru ou cozido - o organismo lida com os dois de forma totalmente diferente.
Normalmente se afirma que os alimentos cozidos têm menos calorias do que os mesmos alimentos crus.
Na verdade, afirmam os especialistas, o processo de cozimento "gelatiniza" o colágeno da carne, tornando-a mais fácil de mastigar e digerir - assim, a carne cozida tem mais calorias do que a carne crua.
As batatas são outro exemplo, onde o cozimento tira as qualidades naturais das proteínas, alterando seu valor calórico.
A forma como os alimentos são processados também pode torná-los mais fáceis de digerir, diminuindo a energia necessária para que o organismo os absorva, alterando totalmente sua contagem de calorias.
O que fazer? Ainda não há uma proposta definitiva, mas pelo menos um país, a Austrália, já baniu o sistema de cálculo das calorias devido aos erros que ele induz.
Fonte: Diário da Saúde

22 de março de 2013

Vitamina D demais na gravidez causa alergia alimentar no bebê...



As mulheres grávidas deveriam evitar tomar suplementos de vitamina D.
Esses suplementos parecem aumentar o risco de que as crianças desenvolvam alergias alimentares após o nascimento.
Esta foi a conclusão de um estudo realizado por cientistas do Centro Helmholtz para Pesquisa Ambiental e da Universidade Martin Luther, ambos na Alemanha.
Vitamina D e alergias
A vitamina D sempre teve uma boa reputação: ela fortalece os ossos, protege contra infecções, particularmente durante os meses frios do inverno, e ajuda os sistemas nervoso e muscular.
Especialmente na prevenção e tratamento do raquitismo, a vitamina D tem sido administrada a bebês e crianças pequenas em todo o mundo há mais de 50 anos.
No entanto, investigações científicas mais recentes estão cada vez mais questionando o aspecto positivo da chamada "vitamina dos ossos".
No final dos anos 1990, pela primeira vez a atenção dos pesquisadores foi atraída para uma ligação entre elevados níveis de vitamina D e o desenvolvimento de alergias.
Alergia alimentar na infância
Gabriele Stangl e Kristin Weibe incluíram 622 mães e suas 629 crianças no estudo de longo prazo intitulado "Estilo de vida e fatores ambientais e seu impacto sobre o risco de alergias nos recém-nascidos".
O nível de vitamina D foi medido no sangue das mulheres grávidas e também no sangue do cordão umbilical das crianças nascidas. Depois essas crianças foram acompanhadas durante os seus dois primeiros anos de vida.
O resultado foi claro: nos casos em que as gestantes tinham baixo nível de vitamina D no sangue, a ocorrência de alergias alimentares entre as crianças de dois anos de idade foi rara em comparação com os casos em que as gestantes apresentavam um alto nível de vitamina D no sangue.
Em sentido inverso, isto significa que um elevado nível de vitamina D nas mulheres grávidas está associado com um maior risco de que suas crianças desenvolvam uma alergia alimentar nos primeiros anos de vida.
Além disso, as crianças das mães com alto nível de vitamina D apresentaram um nível elevado de imunoglobulina E específica para alérgenos alimentares, tais como clara de ovo, proteína do leite, farinha de trigo, amendoins ou soja.
Com isto, os pesquisadores recomendam que as mulheres com saúde normal evitem tomar suplementos de vitamina D durante a gravidez.
Fonte: Diário da Saúde

21 de março de 2013

Ficou sem dormir? Alivie na hora de comer...



Pessoas sem tempo de dormir o suficiente enchem mais o prato ou selecionam lanches com maior contagem de calorias do que elas mesmas fazem quando podem dormir normalmente.
Maus hábitos de sono podem, portanto, afetar o risco das pessoas se tornarem obesas no longo prazo.
A conclusão, publicada no jornal científico Psychoneuroendocrinology, foi obtida durante um estudo realizado na Universidade de Uppsala, na Suécia.
Em um estudo anterior, a mesma equipe já havia demonstrado que uma única noite sem dormir aumenta a ativação de uma região do cérebro envolvida com o desejo de comer.
Menos sono, mais comida
Neste novo estudo, Pleunie Hogenkamp e Christian Benedict examinaram como pessoas privadas de sono se comportam ante uma mesa de comida típica de um restaurante.
Para isso, 16 homens de peso normal foram convidados a escolher seus tamanhos ideais de porções durante 7 refeição e 6 lanches, em condições tanto famintos quanto saciados.
Em uma das rodadas, eles estavam em condições de privação de sono, enquanto na outra haviam dormido aproximadamente 8 horas.
"Depois de uma noite de perda total de sono, os voluntários escolheram porções maiores ou alimentos mais energéticos. Curiosamente, eles fizeram isso antes e depois de um café da manhã, o que sugere que a privação de sono aumenta a ingestão alimentar independentemente da saciedade.
"Tendo em mente que o sono insuficiente é um problema crescente na sociedade moderna, nossos resultados podem explicar porque maus hábitos de sono podem afetar o risco das pessoas de ganhar peso a longo prazo," afirmam os autores.
O estudo vem se somar a outro, publicado também nesta semana, que demonstrou como o nosso corpo armazena gordura quando comemos à noite.
Fonte: Diário da Saúde

20 de março de 2013

Origem da gordura corporal começa a ser desvendada...


A obesidade ataca por todos os flancos, com o excesso de peso triplicando nos últimos 30 anos.
Enquanto médicos e autoridades de saúde não falam em outra coisa, meio mundo parece se incomodar com as gordurinhas a mais.
Por isso, pode parecer surpreendente que, até hoje, a ciência não saiba responder a perguntas muito básicas sobre a gordura no corpo.
Por exemplo: De onde vem a gordura? Como as células de gordura se formam?
Uma primeira tentativa de resposta a essas questões fundamentais acaba de ser proposta por Matthew Rodeheffer e seus colegas da Universidade de Yale (EUA).
Origem das células de gordura
O aumento das células de gordura é a marca registrada da obesidade. Isso é particularmente problemático porque, uma vez estabelecidas essas células, elas são muito difíceis de eliminar.
No entanto, até hoje quase nada se sabe sobre como as células de gordura se formam no organismo.
Rodeheffer e seu colega Ryan Berry atacaram o problema isolando as células de gordura e estudando quais células podem se transformar em células de gordura.
Para isso, eles usaram um processo conhecido como diferenciação.
Isso permitiu que eles identificassem os tipos de células que possuem receptores específicos que podem levar a que elas se transformem em células de gordura.
Daqui a 20 anos
O novo estudo, feito em animais de laboratório, confirmou que estas células com receptores específicos na sua superfície são as precursoras que geram as células de gordura no corpo.
Rodeheffer afirma que agora é possível estudar como essas células se comportam em diferentes condições, tais como exercícios, dietas, ou quando se come demais.
Os pesquisadores esperam descobrir o que faz com que essas células precursoras transformem-se em novas células de gordura na obesidade - e, no futuro, tentar bloquear a sua criação.
"Agora podemos voltar para o laboratório e pesquisar como essas células são ativadas para realmente gerar a gordura," disse ele. "E isso vai nos manter ocupados durante os próximos 20 anos."
Fonte: Diário da Saúde

19 de março de 2013

Março é tempo de...


- Abacate
- Abóbora e abóbora-moranga
- Abobrinha brasileira
- Ameixa estrangeira
- Alface
- Banana-maçã
- Banana-nanica
- Berinjela comum e japonesa
- Beterraba
- Cará
- Chuchu
- Coco-verde
- Escarola
- Fruta-do-conde
- Goiaba
- Jaca
- Laranja-pera
- Limão
- Maçã nacional e gala
- Mamão formosa e papaia
- Mandioca
- Milho verde
- Nabo
- Pera nacional e estrangeira
- Pepino caipira, comum e japonês
- Pêssego estrangeiro
- Pimenta cambuci e vermelha
- Quiabo
- Repolho
- Rúcula
- Salsa
- Seriguela
- Tangerina-cravo
- Tomate
- Uva itália e rubi

18 de março de 2013

Healthy Monday...


SEGUNDA SAUDÁVEL...

Começando mais uma semana com o pé direito!

Nesta semana eu te pergunto: como anda seu consumo de fibras? Você sabia que a textura firme das fibras te obriga a mastigar mais vezes entre cada garfada, o que antecipa a sensação de saciedade?

Elas também tem o poder de preencher um bom espaço no estômago, além de mantê-lo mais ocupado na digestão, adiando a fome.

Lembre-se: Toda segunda-feira é uma nova chance para que um estilo de vida saudável se reinicie. Faça da segunda-feira o dia em que você renova seu compromisso de viver uma vida mais saudável !!!

16 de março de 2013

Dieta mediterrânea reduz risco cardíaco...



Um dos mais longos trabalhos científicos sobre a dieta mediterrânea, rica em azeite, vegetais e peixe, sugere que ela pode reduzir o risco de problemas cardíacos e derrames em pessoas mais velhas e com mais probabilidade de sofrer desses males.

O estudo levou cinco anos e envolveu 7.500 pessoas na Espanha. Quem comia a dieta com muito azeite ou castanhas teve um risco 30% menor de sofrer problemas cardiovasculares graves do que os que receberam a orientação de seguir uma dieta com baixa gordura, mas, na verdade, não cortou muito esse nutriente.
Os adeptos da dieta mediterrânea comeram mais fruta, peixe, frango, feijões, saladas, molho de tomate e vinho.

Esse estilo de dieta é ligado há tempos à saúde do coração, mas a maior parte dos estudos a respeito são observacionais. A evidência agora é mais forte porque as pessoas foram seguidas por um longo tempo e monitoradas. Os médicos fizeram exames laboratoriais para verificar que os participantes estavam consumindo mais azeite e castanhas, como havia sido pedido.

A maioria dessas pessoas estava tomando remédios para baixar o colesterol e a pressão, e os pesquisadores não alteraram essas prescrições, segundo um dos responsáveis pelo trabalho, Ramon Estruch, de Barcelona.

Como um primeiro passo para evitar problemas cardíacos, ele acredita que a dieta é melhor do que um remédio, porque há poucos efeitos colaterais. "Dieta funciona."

Os resultados foram publicados nesta segunda (25) no "New England Journal of Medicine".

Os participantes do estudo não receberam menus rígidos ou contaram calorias, porque perda de peso não era o objetivo. Só 7% dos voluntários saíram do estudo em dois anos. Houve o dobro de desistências no grupo da dieta de baixas gorduras.

O estudo incluiu pessoas com idades entre 55 e 80 anos. Todas eram livres de doenças cardíacas no início da pesquisa mas tinham alto risco por diabetes, sobrepeso, colesterol alto e pressão alta.

Elas foram separadas em três grupos: dois seguiram uma dieta mediterrânea com quatro colheres de sopa de azeite de oliva ou com castanhas e nozes (um punhado ao dia). O terceiro grupo deveria ingerir uma dieta de baixas gorduras com mais pão, batatas, massas, arroz, frutas, vegetais e peixes e pouca carne vermelha e pouco óleo.

Depois de cinco anos, foi observado que os grupos de dieta mediterrânea tiveram menos problemas de saúde.

Os médicos acompanharam os infartos, derrames e problemas cardíacos. Houve 96 desses no grupo da dieta mediterrânea com azeite, 83 no grupo das nozes e 109 no grupo que não usou a dieta mediterrânea.

O derrame foi o problema para o qual a dieta mediterrânea fez mais diferença. Não houve mudanças no índice de mortes.

Os seguidores da dieta ingeriram 200 calorias a mais por dia do que o grupo das baixas gorduras.

O governo espanhol financiou o estudo; azeite e castanhas foram pagos por empresas fabricantes desses produtos na Espanha e nos EUA.

Muitos dos autores têm financiamentos da indústria de alimentos e vinhos, mas afirmam que as empresas não tiveram papel algum no desenvolvimento do estudo e nos resultados.

Rachel Johson, chefe do comitê de nutrição da American Heart Associaton, diz que o estudo é importante porque acompanhou números de infartos, derrames e mortes e não só mudanças nos números de colesterol.

Fonte: Folha de São Paulo

15 de março de 2013

Vitamina C é mais benéfica para meninos...


A vitamina C parece ser particularmente benéfica para as pessoas sob estresse físico pesado.
E também parece funcionar mais para homens que para mulheres, e mais para crianças do que para adultos.
Em mais uma tentativa de chegar a uma conclusão final sobre um dos mais debatidos assuntos em saúde - o uso da vitamina C - Harri Hemila e Elizabeth Chalker (Universidade de Helsinque - Finlândia) analisaram os melhores e mais recentes estudos sobre o assunto.
Gripado e exausto
Em cinco estudos randomizados envolvendo participantes com estresse físico de curto prazo, a vitamina C reduziu pela metade a incidência do resfriado comum.
Três dos estudos analisaram maratonistas, um estudou crianças de escolas suíças em uma estação de esqui, e um estudou soldados canadenses durante um exercício de inverno.
Além disso, outro estudo recente, realizado com nadadores adolescentes em competições, a vitamina C derrubou pela metade a duração dos resfriados nos participantes do sexo masculino, embora a vitamina não tenha tido efeito para as mulheres.
Doses regulares de vitamina C - de um grama por dia ou mais - reduziram a duração média dos resfriados em adultos em 8%, e em 18% entre as crianças.
Tome vitamina C e teste
Embora estes resultados mostrem de forma inequívoca que a vitamina C tem um efeito biológico durante os resfriados, tomar vitamina C todos os dias para diminuir as gripes esporádicas não parece ser eficaz.
Em média, os adultos têm poucos episódios de resfriado por ano. As crianças têm um pouco mais, por volta de meia dúzia de resfriados por ano.
Os estudos em que a vitamina C só foi administrada após os primeiros sintomas de um resfriado ainda são escassos, e seus resultados não são consistentes.
Ou seja, o assunto vitamina C versus gripes e resfriados está longe de ter uma palavra final.
Apesar disso, os pesquisadores concluem que, dado o efeito consistente da vitamina C sobre a duração e a gravidade dos resfriados, a segurança e o baixo custo da vitamina C, vale a pena que uma pessoa que tiver um resfriado avalie se a vitamina C fará bem para ela própria.
Fonte: Diário da Saúde

14 de março de 2013

Extrato de soja e cogumelo combate metástase...



Um composto natural, facilmente encontrado em lojas de produtos naturais, é capaz de aumentar a expectativa de vida de pacientes com câncer de próstata.
O composto é o polissacarídeo combinado com genisteína, ou PCG.
O PCG é extraído da soja e do cogumelo shiitake.
Os pesquisadores descobriram que a genisteína e a daidzeína, ambas substâncias presentes no PCG, ajudam a bloquear um mecanismo-chave usado pelas células tumorais do câncer de próstata para sobreviverem sob baixos níveis de testosterona.
Terapia de privação de andrógeno
Baixar o nível de testosterona, um tratamento conhecido como terapia de privação de andrógeno, há muito tempo é o tratamento padrão para pacientes com metástase do câncer de próstata.
A testosterona é um andrógeno, o termo genérico para qualquer composto que estimula ou controla o desenvolvimento e manutenção das características masculinas.
Infelizmente, a taxa de sucesso dessa terapia é muito baixa, o mesmo acontecendo com a expectativa de vida dos pacientes com metástase do câncer de próstata.
Terapia complementar
A Dra Paramita Ghosh e seus colegas da Universidade da Califórnia em Davis (EUA) descobriram que o composto natural PCG impede que as células tumorais resistam à terapia de privação de andrógeno, aumentando a eficácia do tratamento.
O estudo mostrou que, quando os níveis de andrógeno caem, as células tumorais eliminam uma proteína conhecida como filamina A, que normalmente fica ligada ao receptor de andrógeno no núcleo da célula - é esse receptor que controla o crescimento das células.
Quando a filamina A deixa o núcleo celular, aquela célula passa a ser capaz de sobreviver sem o andrógeno, essencialmente tornando o câncer incurável.
Os pesquisadores afirmam que sua descoberta permitirá usar o PCG como uma terapia complementar sem efeitos colaterais, que ajudará a aumentar a eficácia do tratamento medicamentoso tradicional.
Fonte: Diário da Saúde

13 de março de 2013

Brasileiros não ingerem carotenoides em quantidade suficiente...



O Brasil encontra-se em uma fase de transição nutricional, período em que os problemas de sobrepeso coexistem com a inanição e problemas relacionados à desnutrição.
"Em 2008 e 2009, os índices de déficit de peso reduziram drasticamente e a obesidade dobrou na população adulta feminina e está quatro vezes maior na população masculina adulta, se comparados com dados da década de 1970", aponta o pesquisador Rodrigo Dantas Amâncio, da USP.
Apesar de conseguir alimentar-se mais, o brasileiro não está necessariamente se alimentando melhor.
Carotenoides
Rodrigo aponta especificamente para o consumo de carotenoides, que podem contribuir para retardar e até mesmo prevenir diversos tipos de doenças e suprir a falta de vitaminas.
Os carotenoides podem ser consumidos a partir da ingestão de frutas, legumes e verduras,
"Os níveis prudentes de ingestão de carotenoides totais são de 9.000 a 18.000 microgramas por dia. A pesquisa revelou que a média de consumo nacional foi de 4.117 microgramas por dia, abaixo dos valores preconizados como seguros", registra Rodrigo.
Para suprir o valor indicado bastaria comer um prato de salada de agrião, brócolis e cenoura e, como sobremesa, escolher uma fruta como manga ou pêssego.
Entretanto, mais que apenas isso, recomenda-se o aumento no consumo destes alimentos nas refeições realizadas ao longo do dia, sobretudo quando a refeição é realizada fora do domicílio.
Família do caroteno
A carência de nutrientes na dieta pode trazer problemas como a hipovitaminose A, que consiste em uma insuficiência de vitamina A no organismo, podendo levar até mesmo à cegueira.
Por outro lado, o sobrepeso pode causar doenças crônicas não transmissíveis como câncer, hipertensão, doenças cardíacas e diabetes, que são as principais causas de morte no País. Enquanto isso,
Para evitar tanto um extremo quanto o outro, a ingestão de carotenoides é indispensável.
O pesquisador destaca a importância do consumo de substâncias bioativas, "como os carotenoides, (alfa-caroteno, beta-caroteno, beta-criptoxantina, licopeno, luteína e zeaxantina), que são antioxidantes, podendo prevenir as doenças crônicas não transmissíveis".
Alimentos como tomate e seus derivados, manga, cenoura, acerola, cajá, goiaba, mamão, abóbora, alface, agrião, couve e milho são apenas alguns exemplos de alimentos ricos em carotenoides.
A pesquisa teve âmbito nacional e o objetivo foi analisar e conhecer o consumo de carotenoides de acordo com região, sexo, faixa etária, escolaridade e Índice de Massa Corporal (IMC). Foram analisados 34.003 casos de pessoas a partir de 10 anos de idade de todo o Brasil.
Fonte: Diário da Saúde

12 de março de 2013

Leite orgânico ganha espaço na mesa dos brasileiros...



O leite também entrou na tendência orgânica, que cresce cada vez mais no Brasil.
Sem nenhum tipo de agrotóxico nos processos de produção, o alimento obtido de forma natural já chega à mesa do consumidor brasileiro com selo de qualidade.
Pesquisas mostram que os agrotóxicos podem ser a causa de muitas alergias alimentares e são a segunda maior causa de intoxicação.
Apesar das regulamentações, muitos agrotóxicos não autorizados são encontrados nos alimentos.
Leite orgânico
No ano passado, a Embrapa Cerrados, em consórcio com a Universidade Federal de Santa Catarina, decidiu impulsionar a produção e o consumo do leite orgânico no país.
Entre as pesquisas desenvolvidas, o correto manejo de pastagens é um fator fundamental.
A Embrapa está trabalhando no desenvolvimento de uma unidade de pesquisa participativa que possa ser replicada em todo o País.
Os principais nutrientes para a produção de pastagens são o nitrogênio, o fósforo e o potássio.
A fonte de nitrogênio tradicional é a ureia, mas ela é totalmente proibida no sistema orgânico.
O jeito então foi utilizar a adubação verde, com leguminosas fixadoras de nitrogênio.
"Como fonte de fósforo, são usados fosfatos de rochas naturais e, no lugar do cloreto de potássio, usamos o pó de rocha. Tudo é natural e não tem nada de adubo químico", explica João Paulo Soares, da Embrapa.
Preço do leite orgânico
Embora o preço do leite orgânico seja mais alto para o comprador, os números da produção mostram que a aposta no mercado dos alimentos orgânicos pode valer a pena para os produtores.
O preço pago aos produtores pelo leite convencional é de R$ 0,80 por litro, enquanto o leite orgânico rende até R$ 3,50 por litro.
Já no supermercado, o litro do leite produzido sem agrotóxicos custa até R$ 4,50, enquanto o convencional não ultrapassa R$ 2,00.
Mesmo representando ainda uma pequena parcela de tudo que é produzido em território nacional, o crescimento em fabricação do leite sem resíduos tóxicos chega a 250%, se considerados os últimos 10 anos.
Segundo pesquisa recente da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o brasileiro consome ou inala 6,7 litros de agrotóxico por ano.
Fonte: Diário da Saúde

11 de março de 2013

Para começar a segunda com o pé direito....



Bom dia! Segunda pede uma detox! Que tal fazer um super suco verde? 

Minha sugestão é pêssego, melão, couve, gengibre, chia, água de coco, Ah e nada de coar o suco!!! ❤

Durante o dia capriche no consumo de água e tome um chá verde, hibisco ou cavalinha para arrematar a desintoxicação!

Excelente semana!

9 de março de 2013

Almoçar tarde prejudica a perda de peso, diz estudo...



Não é apenas o que você come que atrapalha a dieta, mas também quando você come. Um estudo mostrou que pessoas que almoçam cedo perdem mais de peso do que os que adiam a refeição. As informações são do Daily Mail.
Pesquisadores do Hospital Brigham and Women's e da Universidade de Murcia reuniram 420 pessoas com excesso de peso para fazer dieta por 20 semanas. Os grupos foram divididos em dois: metade almoçava antes das 15h e a outra metade após esse horário. Durante a refeição, 40% das calorias diárias foram consumidas.
Segundo relatório do International Journal of Obesity, aqueles que comiam mais cedo perderem em média 30% a mais que o outro grupo. Além de perder mais peso, quem almoçou cedo teve menos risco de desenvolver diabetes.
"Nossos resultados indicam que quem come tarde apresenta um ritmo mais lento de perda de peso do que quem come cedo, o que sugere que o momento de grandes refeições pode ser um fator importante em um programa de emagrecimento”, disse o pesquisador Frank Scheer, do Hospital Brigham and Women's.
O estudo mostrou ainda que o horário de refeições menores não influencia na perda de peso. No entanto, notou-se que quem comia tarde também era mais propenso a pular o café da manhã.
Os pesquisadores também examinaram outros fatores que desempenham um papel na perda de peso, como ingestão e gasto de calorias, hormônios do apetite e qualidade do sono. Além dos horários das refeições, não foi encontrada qualquer outra diferença  entre os grupos que justifique os resultados.
Fonte: Terra

8 de março de 2013

Conheça os benefícios da vitamina B12...



A vitamina B12 é muito importante para a manutenção do sistema nervoso saudável.Ela melhora as funções cerebrais em idosos, ajuda a regular a formação de glóbulos vermelhos no corpo e alivia sintomas da depressão.
A deficiência de vitamina B12 pode causar fadiga, confusão mental, perda de memória, fraqueza muscular e outros sintomas causados pelos danos aos nervos. Uma boa maneira de conseguir essa vitamina é na alimentação, invista em carnes, leite, cereais integrais, levedo de cerveja, ovos, peixes e tofu, finaliza a nutricionista.
Invista na vitamina para manter o bom funcionamento do organismo!
Este texto eu escrevi para o blog Nutrição Prática & Saudável e estou replicando por aqui :)

7 de março de 2013

Extratos de chá verde e vinho tinto desarmam Alzheimer no cérebro...



Os compostos ativos presentes no chá verde e no vinho tinto interrompem um processo-chave na progressão do Mal de Alzheimer.
Em experimentos de laboratório, os pesquisadores isolaram o processo que permite que aglomerados das proteínas amiloide beta liguem-se às células do cérebro.
A seguir, eles conseguiram interromper esse processo usando extratos purificados de catequina, extraída do chá verde, e resveratrol, extraído do vinho tinto.
"Esse é um passo importante para aumentar a nossa compreensão das causas e da progressão da doença de Alzheimer," disse o professor Nigel Hooper, da Universidade de Leeds (Inglaterra), um dos coordenadores do estudo, que foi publicado na revista científica Journal of Biological Chemistry.
Formato das proteínas
A doença de Alzheimer é caracterizada por uma acumulação de proteína amiloide no cérebro, que se junta para formar aglomerados tóxicos, embora ainda haja dúvidas se essas placas de beta amiloide são causa ou consequência da doença.
Esses aglomerados prendem-se à superfície dos neurônios através de proteínas da superfície celular denominadas príons, causando um mau funcionamento das células nervosas ou levando-as à morte.
O que os cientistas queriam saber era se o formato desses aglomerados danosos é importante para a sua fixação, o que pode ser uma dica de como evitar seu acúmulo no cérebro.
"Quando nós adicionamos os extratos do vinho tinto e do chá verde, que recentemente se demonstrou serem capazes de mudar o formato das proteínas amiloide, os aglomerados não conseguiram mais causar danos aos neurônios," disse Hooper.
Sinalizadores
"Nós também demonstramos pela primeira vez que, quando as bolas de amiloide grudam nos príons, elas acionam a produção de ainda mais amiloides, criando um círculo vicioso mortal," acrescenta o pesquisador.
"Embora esses resultados iniciais não devam ser sinal para que as pessoas estoquem chá verde e vinho tinto, eles podem fornecer um novo e importante caminho na busca de tratamentos novos e mais eficazes [para o Alzheimer]," concluiu Hooper.
Fonte: Diário da Saúde