29 de junho de 2013

Nhoque sem glúten funcional...


Ingredientes:

  • Massa
  • - 2 batatas médias (aproximadamente 200g) cozidas
  • - 1 colher (sobremesa) de biomassa de banana-verde
  • - 1 colher (sopa) de manteiga sem sal ou azeite de oliva extravirgem
  • - 1 gema de ovo média
  • - ½ colher (chá) de curry ou cúrcuma em pó
  • - 1 colher (café) de sal marinho
  • - 3 colheres (sopa) de farinha sem glúten: 1 e ½ colher (sopa) de farinha de arroz + 1 e ½ colher (sopa) de polvilho doce
  • - Quantidade suficiente de farinha sem glúten para polvilhar
  • - Quantidade suficiente de água para cozinhar


  • Molho de Tomate
  • - 1 unidade grande de tomate italiano bem maduro
  • - 1 colher (café) de alho picado
  • - 1 colher (sopa) de cebola picada
  • - 1 colher (chá) de óleo de canola
  • - ½ colher (café) de sal marinho
  • - Pimenta do reino a gosto
  • - Manjericão fresco a gosto
  • - Orégano a gosto
  • - Salsinha fresca a gosto

Modo de Preparo:

Massa

Após o cozimento, descasque as batatas, coloque as mesmas em um escorredor e deixe escorrer toda a água, até que elas fiquem bem secas. Passe as batatas em um espremedor. Despeje o conteúdo em uma tigela e acrescente a biomassa, a gema e a manteiga (ou azeite), misturando bem. Junte o curry (ou a cúrcuma), o sal e a farinha sem glúten, misturando bem e depois amassando suavemente, até obter uma massa homogênea. Polvilhe a farinha sem glúten em uma pia ou mesa seca e limpa. Separe, aos poucos, a massa do nhoque; faça rolinhos com espessura de 6cm, aproximadamente, e corte em pedaços de 1,5 a 2cm de comprimento. Acrescente, aos poucos, o nhoque em uma panela com água fervente (com um fio de azeite) e deixe cozinhar até que os nhoques subam e flutuem na água e retire com uma escumadeira. Caso fique algum nhoque no fundo, solte-o com o auxílio da escumadeira. Coloque em um prato e reserve.

Molho de Tomate

Após lavar e desinfetar o tomate, pique-o em cubos e bata em um liquidificador. Coe e reserve. Em uma panela, refogue o alho e a cebola com o óleo de canola. Acrescente o tomate e refogue por 3 minutos em fogo baixo. Desligue o fogo e acrescente o sal, a pimenta do reino, manjericão, orégano e salsinha. Acrescente o molho sobre os nhoques e sirva a seguir.

Rendimento: 1 prato fundo

Fonte: VP

27 de junho de 2013

Isso faz bem pra quê?

Coco fresco...


O coco é riquíssimo em duas gorduras - ácido láurico e o monolauril. Estas gorduras são de rápida digestão, elas não ficam estocadas nas células, ao contrário, servem de combustível para gerar energia, evitando assim que se transformem em "gordura localizada" ou seja, reduz gordura corporal porque os triglicerídios de cadeia média (TCM), caso do ácido  láurico e do monolauril, favorecem a oxidação de ácidos graxos e a sua utilização como fonte de energia. O ácido láurico e o monolauril também regulam o funcionamento da tireóide, acelerando o metabolismo orgânico, o que facilita o emagrecimento.

Possui ação anti-inflamatória a nível celular - aumentam a produção de substâncias protetoras e, ao mesmo tempo, diminuem as concentrações de outras pró-inflamatórias. 

O ácido láurico e o monolauril têm ainda outras funções importantes no nosso organismo. Atuam como antivirais, combatem fungos e bactérias, melhoram a resposta imunológica, aumentam o colesterol bom (HDL), protegem o coração e ajudam a diminuir o apetite.

Esses benefícios se aplicam à carne de coco fresca (como na foto acima), o coco ralado industrializado e o coco verde não possuem estes benefícios. 

Dica de quando e quanto comer: de 20 a 30 gramas, cortado em pequenas lascas, como petisco na hora do lanche.

26 de junho de 2013

5 dicas para uma alimentação mais saudável...


Não é novidade que comer frutas e legumes é bom para a saúde. O difícil é colocar isso em prática no dia a dia. A Organização Mundial da Saúde recomenda o consumo de 400g de frutas e legumes por dia, correspondente a cinco porções diárias, para prevenir doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer.
Mas como podemos suprir essa necessidade na prática? Aqui estão cinco maneiras de incluir as cinco porções por dia no seu menu diário sem fazer muito esforço.
Adicionar frutas ao café da manhã

O café da manhã não tem que ser chato, especialmente se você adicionar frutas. "Corte uma maçã ou uma pêra, junte com blueberries, e coloque no cereal ou na farinha de aveia para obter um reforço de vitamina C e betacaroteno", aconselha a nutricionista Helen Ford.

Se você não tem tempo de tomar café da manhã, uma solução é um shake de frutas vermelhas, como morango, amora, framboesa, que são ricas em antioxidantes que estimulam o sistema imunológico. "O mais importante são as polpas das frutas, pois mastigá-las aumenta a produção dos sucos gástricos, o que auxilia o processo de digestão e absorção de nutrientes", diz Ford.
Adicionar a casca é ainda melhor, porque, de acordo com a especialista, ajuda a reduzir o colesterol. Para aqueles que argumentam que comer frutas os deixam inchados, a nutricionista tem um remédio.
"É melhor comer a fruta por volta de uma hora antes da refeição, ela contém açúcares simples, que não exigem muita digestão", diz Ford. "Outros alimentos, como os ricos em gordura, proteína e amido, permanecem por mais tempo no estômago, e tem uma digestão mais lenta." "Por isso, se você comer frutas após a refeição, a frutose vai ficar por muito tempo no estômago, vai fermentar e causar distensão abdominal e flatulência." 
Legumes para o lanche

Ford explica que figos secos e nozes são boas escolhas para comer entre as refeições. O chef Javed Anand sugere usar suco de frutas ou de legumes para fazer um pão achatado, como pita ou o tradicional pão indiano Paratha. "Em vez de adicionar água à massa, adicione o suco", diz Anand.

"Você pode adicionar manteiga, queijo ou pickles. Esta é uma ótima maneira de incluir legumes na massa".
​Sopa para substituir o sanduiche 

Sopa de agrião é uma escolha ideal para o almoço, explica Ford, pois é rica em ferro e magnésio. No entanto, a nutricionista explica que, se você preferir um sanduíche, basta adicionar uma porção de folhas verdes escuras, como espinafre e agrião.

Se o problema da sopa é que dá a impressão de que não enche o estômago, você pode adicionar carne ou legumes a uma base vegetal. O chef Mathew Pennington é um especialista em sopas à base de legumes, porque são fáceis de adaptar, desde que você mantenha as mesmas proporções.
"Para uma sopa para quatro ou seis pessoas, a base é sempre 500g de cebola, 250g de cenoura e 250g de aipo. Descasque e corte os legumes em cubos e misture em uma frigideira grande, em seguida cubra-os com água". "Deixe ferver e cozinhe até que os legumes estejam macios. Tempere com sal e vinagre, e misture até ficar homogêneo. Você pode peneirar se quiser não quiser a sopa com pedaços", diz Pennington.
Compota de frutas

Cozinhar a fruta lentamente usando especiarias ao em vez de açúcar também é uma boa maneira de melhorar o sabor do doce ou da compota. "Eu amo peras e pêssegos cozidos em um pouco de água com anis estrelado e canela", diz Anand. "Depois de cozido, retiro as frutas e adiciono um pouco de iogurte grego e açafrão".

Anand diz que o anis estrelado é uma espécie muito versátil e vai bem com todos os tipos de frutas. Uma outra dica é usar menta, que adiciona frescor a uma salada de frutas ou compota. "Açafrão funciona bem com manga e laranja." conta Anand.
Além disso, diversos estudos sugerem que o ruibarbo contém níveis elevados de polifenóis, que protegem as células do organismo contra danos por radicais livres. Pesquisadores da Sheffield Hallam University, na Inglaterra, descobriram que o ruibarbo cozido de forma lenta tem um maior teor de polifenóis do que em seu estado natural.
Assim, para uma sobremesa nutritiva ou um lanche com um alto teor de vitamina C, você pode fazer uma compota de ruibarbo com gengibre e suco de laranja. "Maçãs e amoras cozidas vão muito bem com uma boa pitada de canela", diz Helen Ford. "É uma deliciosa sobremesa saudável e cheia de vitaminas".
Varie as frutas e legumes

Uma das melhores maneiras de aproveitar ao máximo as cinco porções por dia é comer de acordo com as cores do arco-íris, ou seja, diferentes frutas e legumes. "É muito importante ter uma dieta variada e experimentar pratos diferentes", diz Anand.

"Eu acho melhor comer uma variedade de frutas e legumes preparados de forma menos saudável, do que comer o mesmo legume favorito o tempo todo." Javed Anand diz que o coco, que muitos acham pouco saudável, é muito bom para a pele e o cabelo."A chef recomenda cozinhar carne com leite de coco. E complementa: "Para mim, quanto mais variada a dieta, mais saudável você está."
Fonte: Terra

24 de junho de 2013

Healthy Monday...



SEGUNDA SAUDÁVEL...

E o inverno começou....e com ele uma boa notícia! ​Você sabia que o inverno é uma boa estação para queimar calorias? Isso porque,para aquecer o corpo no frio, o organismo gasta mais energia, o que acelera o metabolismo. 

Então, para começar esta semana de frio, que tal uma sopinha para aquecer e emagrecer? 

Lembre-se: Toda segunda-feira é uma nova chance para que um estilo de vida saudável se reinicie. Faça da segunda-feira o dia em que você renova seu compromisso de viver uma vida mais saudável !

22 de junho de 2013

Deixando o bolo de caixinha mais saudável e magrinho....



Deu vontade de um bolinho? Emagreça e melhore as receitas. Peguei um bolo de caixinha, e ao invés de manteiga, coloquei óleo de coco, coloquei apenas claras e leite desnatado e acrescentei aveia na massa. Para untar a forma usei óleo de coco e farelo de aveia. Para dar o toque final, linhaça dourada. Delícia!

21 de junho de 2013

Frutas amazônicas podem durar até chegar à mesa do consumidor...


Que tal comer uma fruta que tem 150 vezes mais vitamina C do que uma laranja?
Isso só é fácil se você morar na região Amazônica: basta comprar camu-camu.
Mas como permitir que a população de outras regiões se beneficie dessa e de outras frutas amazônicas, cujas propriedades funcionais já foram reconhecidas por diversos estudos?
Hoje, os consumidores de outras regiões do país e do mundo costumam ter acesso a esses alimentos somente após seu processamento, geralmente na forma de polpa congelada ou de doce.
Para facilitar a comercialização in natura, dentro e fora do país, de três espécies nativas da floresta tropical - camu-camu (Myrciaria dubia), bacupari (Garcinia gardneriana) e abiu (Pouteria caimito) - pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) pesquisaram técnicas de colheita e armazenamento que permitem prolongar ao máximo o tempo de vida pós-colheita das frutas.
"O camu-camu foi escolhido como carro-chefe do trabalho por ser a espécie conhecida com o maior teor de vitamina C. O nível de ácido ascórbico dessa fruta chega a ser 150 vezes maior que o da laranja. Além disso, é rico em antocianina, um pigmento com propriedades antioxidantes", disse Patrícia Maria Pinto, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq-USP).
Segundo Patrícia, o bacupari foi selecionado por ser rico em carotenoides e possuir princípios ativos com ação bactericida.
Já o abiu, além de muito saboroso, é rico em vitaminas A, B e C, além de cálcio e fósforo.
"São frutas pouco exploradas, comercializadas em pequena escala no país e com potencial até para exportação", disse Patrícia.
As frutas foram colhidas em diferentes estágios de maturação e, por meio de análises físicas, químicas, fisiológicas e testes de qualidade, foi determinado o período ideal para cada espécie.
Conservação das frutas amazônicas
"Algumas frutas, como a banana, podem ser colhidas ainda verdes. São as chamadas frutas climatéricas. Outras, como o abacaxi e a laranja, precisam estar totalmente maduras, pois o processo de amadurecimento é interrompido com a colheita e, se forem colhidas antes da hora, a qualidade dessas frutas é prejudicada. São as chamadas frutas não-climatéricas", explicou Patrícia.
De acordo com os resultados das análises, o camu-camu e o abiu se mostraram viáveis para colheita cerca de 15 dias antes da maturação completa. "O ponto ideal para o camu-camu é quando está com a casca na cor vermelho-esverdeada e, o abiu, com a casca na cor verde-amarela", disse Patrícia.
O bacupari, por outro lado, se revelou um fruto não-climatérico. Precisa ser colhido já totalmente maduro, quando a casca atinge a coloração laranja.
Em seguida, as frutas foram submetidas a diferentes temperaturas de armazenamento.
Os pesquisadores da Esalq verificaram que o abiu e o bacupari podem ser refrigerados a 10 ºC, por mais de 15 dias, sem sofrer alterações de cor nem qualquer outro dano pelo frio.
Já o camu-camu pode ser armazenado a 5 ºC, também por mais de 15 dias, sem qualquer prejuízo. À temperatura ambiente, o tempo de vida pós-colheita das frutas foi em torno de uma semana.
Embora sejam espécies nativas da Amazônia, as frutas usadas na pesquisa foram todas cultivadas no Estado de São Paulo. Os abius são originários de pomares comerciais da região de Mirandópolis. Os bacuparis e os camu-camus são da Coleção de Frutas Tropicais da Estação Experimental de Citricultura de Bebedouro (EECB), instituição parceira no desenvolvimento do estudo.
Exportação de culturas
"Queríamos mostrar aos produtores que, com técnicas corretas, essas espécies da floresta amazônica se desenvolvem bem em outras regiões e têm boa vida pós-colheita", disse Patrícia.
Segundo ela, as análises usadas no trabalho podem servir de base para outras frutas, entre elas o açaí, principal destaque da fruticultura amazônica.
"Há poucos estudos sobre a pós-colheita do açaí in natura. A maioria deles é feita com produtos industrializados, na forma de suco, de polpa congelada ou de pó. Também seria interessante intensificar os estudos com outras espécies amazônicas, como o cupuaçu e o guaraná", concluiu.
Fonte: Diário da Saúde

20 de junho de 2013

Segundo estudo: 61% das mulheres preferem corpo saudável a bom relacionamento...


Se tivesse que escolher entre alimentos saudáveis e relacionamento bom e estável, o que preferiria? De acordo com uma pesquisa do varejista de produtos naturais Abe’s Market, divulgada pelo jornal Daily Mail, nos Estados Unidos, 61% das mulheres optariam por comer bem. 
O levantamento ouviu a opinião de 1,5 mil americanas e constatou que 70% delas concordaram que preferem que os filhos tenham uma dieta saudável a boas notas na escola. Fora isso, 60% dão mais importância à alimentação saudável do que a uma poupança​​.
Quando o assunto são roupas, 83% delas disseram que escolheriam um corpo saudável a um guarda-roupa recheado. E 54% das pesquisadas prefeririam comer de maneira adequada a rezar. “Mesmo estando cientes do enorme crescimento da alimentação saudável, os resultados dessa pesquisa foram surpreendentes", disse Jennifer Grayson, representante da empresa.

18 de junho de 2013

Adoçante estévia ganha popularidade e vendas avançam...


Adoçantes extraídos da estévia estão rapidamente se tornando uma sensação especialmente nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha, países onde ainda são uma novidade, apesar de a planta ser usada há séculos na região do Brasil. Apenas em 2008 o governo americano deu seu aval para a venda de produtos com o adoçante. Na União Europeia, a autorização foi concedida em 2011.
Refletindo isso, entre 2008 e 2012 houve um aumento global de 400% na venda de novos produtos à base de estévia, com uma elevação de 158% apenas entre 2011 e 2012, segundo a Mintel, consultoria internacional do setor de alimentos.

A rede britânica de lojas de vitaminas e suplementos alimentares Holland & Barrett diz ter detectado um aumento de 50% nas vendas de produtos com o adoçante no último mês, em comparação com o mesmo período do ano passado. A Coca-Cola chegou a alterar a receita do refrigerante Sprite na Grã-Bretanha, relançando uma versão com stevia que supostamente teria uma redução de 30% de calorias. Segundo os fabricantes, o "adoçante milagroso" não tem calorias nem carboidratos e não aumenta os níveis de glicose. Mas será que isso é bom demais para ser verdade?
Produto 'natural'
David Turner, da analista de alimentos e bebidas da consultoria Mintel, diz que atualmente pode-se encontrar no mercado uma variedade de iogurtes, chocolates e até cervejas adoçadas com estévia e que a mídia tem cada vez mais ligado o açúcar refinado à obesidade, que é descrita atualmente como uma epidemia mundial. Somente no Brasil, mais de 65 milhões de pessoas estão com excesso de peso, enquanto que dez milhões são tidos como obesos.

A estévia tem o potencial de ajudar a controlar do peso, a manter a saúde dos dentes e combater o diabetes, diz a nutricionista Laura Wyness, da Fundação Britânica de Nutrição. Esses possíveis benefícios médicos já seriam válidos para os adoçantes artificiais de baixa caloria que estão no mercado há muitos anos, como o aspartame e a sacarina, mas a estévia tem uma vantagem. "A grande questão da estévia é que ela tem uma fonte natural", diz Stefan Gates, apresentador de TV e autor de livros sobre gastronomia e alimentos. "Isso não significa que ela já não esteja altamente processada quando chega à sua comida ou bebida... mas é isso (produtos 'naturais') que todos querem agora."da Estévia, explica que "o processo de extração inclui deixar as folhas secas imersas em água, como se faria com chá, e então separar ou purificar os compostos de melhor sabor adocicado, que são conhecidos como glicosídeos de esteviol." Ashwell diz que os glicosídeos de esteviol permanecem quimicamente intactos durante todo o processo - o que lhe daria uma vantagem a mais comparado com outros adoçantes.
Segundo cientistas, os extratos concentrados são cerca de 300 vezes mais doces do que o açúcar. Já o gosto “tem sido descrito como semelhante a sementes de anis”, disse David Turner.

Controvérsias
Mas ainda não se sabe ao certo os efeitos a longo prazo dos adoçantes como a estévia, o que faz com que surjam temores. Um deles é de que o adoçante afete hormônios relacionados à atividade cerebral. Em comparação com a estévia, os adoçantes artificiais sintéticos, como o aspartame ─ usado em bebidas como a Coca-Cola Diet ─ têm sido alvo de controvérsias há muito tempo.
O aspartame já foi ligado ao câncer, e embora não tenha havido provas conclusivas, as pessoas se mantêm receosas quanto à palavra "artificial" em questão de alimentos, diz o apresentador e escritor Stefan Gates.

Além disso, "há uma anseio na indústria alimentícia por produtos que 'não contenham x' (componente, ou substância)'", diz Gates. "Se você puder listar que seu produto é 'livre' de alguma coisa, tem uma grande vantagem no mercado porque as pessoas são influenciadas por reportagens que alimentam a paranoia sobre os alimentos". A Associação Dietética Britânica e a organização não-governamental Diabetes UK (que faz campanhas para frear o avanço da doença e congrega mais de 5 mil voluntários) não fazem distinção entre seus aconselhamentos para adoçantes tradicionais e a estévia. 
"Como nutricionista, eu apoio e promovo o uso de adoçantes na cozinha e nas dietas", diz Sioned Quirke, porta-voz da Associação Dietética Britânica. "Não há indícios que sugerem que os adoçantes de baixas caloria, como a sacarina, o aspartame e a sucralose, sejam ruins para as pessoas", complementa, dizendo que ela aconselha o uso da estévia somente como adoçante e acredita que as indícios sobre os supostos benefícios à saúde são insuficientes.
Robert Lustig, autor do livro Fat Chance: The Bitter Truth about Sugar(ou "A Amarga Verdade sobre o Açúcar", em tradução livre), é um ativista antiaçúcar, mas se recusa a defender os adoçantes alternativos justamente pela falta de estudos científicos. Ele diz que ainda não se sabe se tais compostos afetam as funções cerebrais ou os hormônios e nem os efeitos sobre o organismo, que é "enganado" ao se preparar para receber uma quantidade de açúcar que nunca chega. "Pode ser que isto faça com que o cérebro libere mais insulina", diz, acrescentando que não há provas sobre possíveis benefícios para a perda de peso.
Fonte: Terra

17 de junho de 2013

Healthy Monday...


SEGUNDA SAUDÁVEL...


Bom dia! Todo dia é dia, mas a segunda é o dia internacional do "hoje eu começo a dieta" e do "a partir de hoje vou melhorar meus hábitos alimentares". Então, bora mudar isso a partir de hoje? Tome uma atitude agora e comece seu Projeto Verão 2014. Sim, isso mesmo, não adianta querer mudar de vida em 1 mês para as férias, comece agora e melhore não só seu corpo, mas sua qualidade de vida!

Lembre-se: Toda segunda-feira é uma nova chance para que um estilo de vida saudável se reinicie. Faça da segunda-feira o dia em que você renova seu compromisso de viver uma vida mais saudável !

15 de junho de 2013

Bolo de batata yacon...


Ingredientes:

  • - 3 ovos médios (de preferência caipiras)
  • - 3 colheres (sopa) de óleo de coco (levemente aquecido, para que fique líquido)
  • - 3 unidades (médias) de batata yacon, descascadas e picadas
  • - 1 xícara (chá) de açúcar demerara orgânico
  • - 1 xícara (chá) de farinha de arroz
  • - 1 xícara (chá) de amido de milho
  • - 1 colher (chá) de canela em pó
  • - 1 colher (sopa) de fermento em pó



Modo de Preparo:

Em um liquidificador, bata os ovos, o óleo de coco e o açúcar até ficar homogêneo. Acrescente a batata yacon e liquidifique bem. Despeje em uma tigela e aos poucos acrescente a farinha de arroz, o amido de milho e a canela, misturando suavemente. Por último, coloque o fermento e misture. Despeje a massa em uma forma ou refratário de vidro, untado e enfarinhado (com farina de arroz), e leve ao forno (pré-aquecido a 180°C por 15 minutos) por cerca de 40 minutos.

Fonte: VP

14 de junho de 2013

Dicas para uma alimentação prática com frutas e verduras.....


Não é nenhuma novidade que comer frutas e legumes é bom para a saúde. O difícil é colocar isso em prática no dia-a-dia.
A Organização Mundial da Saúde recomenda o consumo de 400g de frutas e legumes por dia, correspondente a cinco porções diárias, para prevenir doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer.
Mas como podemos suprir essa necessidade na prática?
Aqui estão cinco maneiras de incluir as cinco porções por dia no seu menu diário - sem fazer muito esforço.
Adicionar frutas ao café da manhã
Café da manhã não não se faz apenas com pãozinho e bolachas - você pode adicionar frutas.
Se você não tem tempo de tomar café da manhã, uma solução é uma vitamina de frutas vermelhas, como morango, amora, framboesa, que são ricas em antioxidantes que estimulam o sistema imunológico."Corte uma maçã ou uma pera [...] e coloque no cereal ou na farinha de aveia para obter um reforço de vitamina C e betacaroteno", aconselha a nutricionista Helen Ford.

"O mais importante são as polpas das frutas, pois mastigá-las aumenta a produção dos sucos gástricos, o que auxilia o processo de digestão e absorção de nutrientes", diz Ford.
Adicionar a casca é ainda melhor, porque, de acordo com a especialista, ajuda a reduzir o colesterol.
Para aqueles que argumentam que comer frutas os deixam inchados, a nutricionista tem um remédio: "É melhor comer a fruta por volta de uma hora antes da refeição, ela contém açúcares simples, que não exigem muita digestão."
"Outros alimentos, como os ricos em gordura, proteína e amido, permanecem por mais tempo no estômago, e tem uma digestão mais lenta. "Por isso, se você comer frutas após a refeição, a frutose vai ficar por muito tempo no estômago, vai fermentar e causar distensão abdominal e flatulência," acrescenta.
Legumes para o lanche
Ford explica que figos secos e nozes são boas escolhas para comer entre as refeições.
O chef Javed Anand sugere usar suco de frutas ou de legumes para fazer pão: "Em vez de adicionar água à massa, adicione o suco", diz Anand.
"Você pode adicionar manteiga, queijo ou picles. Esta é uma ótima maneira de incluir legumes na massa".
No entanto, se você insiste no sanduíche, adicione uma porção de folhas verdes escuras, como espinafre e agrião.

A nutricionista Helen Ford sugere adicionar carnes ou legumes às sopas.

Sopas ricas
Sopa de agrião é uma escolha ideal para o almoço, explica Ford, pois é rica em ferro e magnésio.
Se o problema da sopa é que dá a impressão de que não enche o estômago, você pode adicionar carne ou legumes a uma base vegetal.
O chef Mathew Pennington é um especialista em sopas à base de legumes, porque são fáceis de adaptar, desde que você mantenha as mesmas proporções.
"Para uma sopa para quatro ou seis pessoas, a base é sempre 500g de cebola, 250g de cenoura e 250g de aipo. Descasque e corte os legumes em cubos e misture em uma frigideira grande, em seguida cubra-os com água."
"Deixe ferver e cozinhe até que os legumes estejam macios. Tempere com sal e vinagre, e misture até ficar homogêneo. Você pode peneirar se não quiser a sopa com pedaços", diz Pennington.

Compotas de frutas são uma ótima opção para uma sobremesa gostosa e saudável

Frutas cozidas
Cozinhar a fruta lentamente usando especiarias em vez de açúcar também é uma boa maneira de melhorar o sabor do doce ou da compota.
"Eu amo peras e pêssegos cozidos em um pouco de água com anis estrelado e canela", diz Anand. "Depois de cozido, retiro as frutas e adiciono um pouco de iogurte grego e açafrão".
Anand diz que o anis estrelado é uma espécie muito versátil e vai bem com todos os tipos de frutas. Uma outra dica é usar menta, que adiciona frescor a uma salada de frutas ou compota.
"Açafrão funciona bem com manga e laranja." conta Anand.
Além disso, diversos estudos sugerem que o ruibarbo contém níveis elevados de polifenóis, que protegem as células do organismo contra danos por radicais livres.
Pesquisadores da Sheffield Hallam University, na Inglaterra, descobriram que o ruibarbo cozido de forma lenta tem um maior teor de polifenóis do que em seu estado natural.
Assim, para uma sobremesa nutritiva ou um lanche com um alto teor de vitamina C, você pode fazer uma compota de ruibarbo com gengibre e suco de laranja.
"Maçãs e amoras cozidas vão muito bem com uma boa pitada de canela", diz Helen Ford. "É uma deliciosa sobremesa saudável e cheia de vitaminas".
Uma das melhores maneiras de aproveitar ao máximo as cinco porções por dia é comer de acordo com as cores do arco-íris, ou seja, diferentes frutas e legumes.
Varie as frutas e legumes
"É muito importante ter uma dieta variada e experimentar pratos diferentes", diz Anand.
"Eu acho melhor comer uma variedade de frutas e legumes preparados de forma menos saudável, do que comer o mesmo legume favorito o tempo todo."
Javed Anand diz que o coco, que muitos acham pouco saudável, é muito bom para a pele e o cabelo."A chef recomenda cozinhar carne com leite de coco.
E complementa: "Para mim, quanto mais variada a dieta, mais saudável você está."
Fonte: Diário da Saúde

13 de junho de 2013

Que tal uma horta em casa?

Para desfrutar de um canteiro de temperos em casa, bastam um cantinho arejado, que receba luz do sol, e alguns vasos-até mesmo quem mora em apartamento pode ter uma horta particular.

A vantagem é a possibilidade de colher os ingredientes pouco antes de irem parar na panela, fresquinhos, com aroma e sabor acentuado.

Fonte: Folha de São Paulo

12 de junho de 2013

Autoridades dos EUA estudam proibição à cafeína...


Autoridades dos EUA estão investigando quão segura é a presença da cafeína em lanches e bebidas energéticas, preocupadas com o "efeito cumulativo" do estimulante - que é usado em um número cada vez maior de produtos. Será que nossa sociedade movida a chá e café está dependente demais da droga favorita no mundo?
O bule borbulhante, o aroma que vem da caneca e o primeiro gole amargo (e às vezes doce também) da manhã formam um conjunto de rituais sem o qual a jornada de trabalho seria, para milhões de pessoas, horripilante.
A cafeína é, de acordo com a revista New Scientist, a "droga psicoativa" mais popular. Nos Estados Unidos, estima-se que mais de 90% dos adultos a usam todos os dias.
Mas agora, até mesmo os EUA - berço da Coca-Cola, da rede de cafeterias Starbucks e dos energéticos 5-Hour Energy - está questionando a adição de cafeína a alimentos diários como waffles, sementes de girassol, mix de castanhas e doces e até jujubas.
Em um comunicado recente, a Food and Drug Administration (FDA), agência que regula a qualidade de medicamentos e alimentos, condenou o "exemplo infeliz" da goma de mascar Wrigley, que produziu pacotes de oito bastões de chiclete com tanta cafeína quanto em metade de um copo de café. Posteriormente, a Wrigley disse que iria suspender a produção do produto.
A agência também está olhando atentamente para bebidas energéticas cafeinadas, e informou que estava preocupada com o "efeito cumulativo" da dependência de produtos estimulantes.
Tratamento de emergência
De acordo com a Substance Abuse and Mental Health Services Administration, agência governamental americana que cuida do abuso de substâncias e saúde mental, o número de pessoas que procuram tratamento de emergência após a ingestão de bebidas energéticas dobrou para mais de 20 mil em 2011.
Maiores bebedores de café per capita, segundo Chartsbin
1. Finlândia: 12 kg
2. Noruega: 9,9 kg
3. Islândia: 9 kg
4. Dinamarca: 8,7 kg
5. Holanda: 8,4 kg
6. Suecia: 8,2 kg
7. Suíça: 7,9 kg
8. Bélgica: 6,8 kg
9. Canadá: 6,5 kg
10. Bósnia Herzegovina: 6,2 kg

No entanto, a indústria de bebidas energéticas diz que seus produtos são seguros e insiste que não há prova de uma ligação entre consumo e qualquer reação nociva.
Mas não há qualquer tipo de consenso científico de que o uso da cafeína é prejudicial. Um estudo recente da Escola de Saúde Pública de Harvard sugeriu que "beber café não possui graves efeitos prejudiciais à saúde" e que a ingestão de até seis xícaras por dia "não estaria associada ao aumento do risco de morte por qualquer causa".​Casos de overdoses fatais causadas por "efeitos tóxicos da cafeína" foram documentados, embora sejam muito raros. Cientistas da Johns Hopkins University que estudaram as propriedades viciantes da substância descobriram que os sintomas de abstinência incluíam cansaço, dores de cabeça, dificuldade de concentração, dores musculares e náuseas.
Em moderação, a cafeína pode ter alguns efeitos positivos. Pesquisas sugerem que poderia estar associada à redução do risco de câncer de próstata e mama. Um estudo recente liga beber café e chá a um menor risco de diabetes tipo 2.
Como resultado, a FDA se comprometeu a "determinar o que é um nível seguro" de uso da cafeína.
O movimento da agência foi bem recebido por aqueles que temem que a cafeína esteja invadindo demais as nossas vidas diárias - muitas vezes em produtos inesperados.
"Muitas pessoas não estão cientes da cafeína que estão tomando", diz Lynne Goldman, diretor da Escola George Washington University de Saúde Pública e Serviços de Saúde.
Como resultado, diz ela, há problemas como insônia, indigestão ou aumento da pressão arterial.
O consumo de cafeína é especialmente preocupante para os pais, que podem achar difícil regular o que ingerem seus filhos.
Mas, desafiar a hegemonia da cafeína pode ser uma tarefa difícil em um planeta que consome 120 mil toneladas da substância por ano.
Na Finlândia, o país mais viciado em cafeína no mundo, um adulto médio consome 400mg da droga a cada dia - o equivalente a quatro ou cinco xícaras de café diárias, e igual ao limite recomendado pela Food Standards Agency da Grã Bretanha, por exemplo.
"O apelo (da cafeína) é de que nos ajuda a ganhar mais dinheiro"
Stephen Braun, autor do livro "Buzz: The Science and Lore of Alcohol and Caffeine"
"Achamos que, quando usada com moderação, a cafeína não representa um risco", diz Sanna Kiuru, um oficial sênior da Evira, a autoridade finlandesa de segurança alimentar. "São principalmente os adultos que bebem café, não crianças. Em nossa opinião, os níveis são bastante moderados".
Mesmo os finlandeses amantes da cafeína têm se preocupado com o aumento do uso não evidente da substância, no entanto.
"Estamos preocupados com o aumento da cafeína em alimentos diferentes", diz Kiuru.
Bebidas altamente cafeinadas na Finlândia são obrigadas a conter etiquetas de advertência - uma prática que será estendida a toda a União Europeia a partir de 2014.
Para a maioria dos consumidores de cafeína, seu benefício principal é que, ao estimular a atenção, a substância ajuda a produzir mais.
Esta é uma característica que a torna incomum entre as substâncias recreativas, diz Stephen Braun, autor do livro Buzz: The Science and Lore of Alcohol and Caffeine (Burburinho: A ciência e a tradição do álcool e da cafeína, em tradução livre).
"O apelo (da cafeína) é de que nos ajuda a ganhar mais dinheiro", acrescenta Braun.
"O que a torna diferente de outras drogas é que é usada como uma ferramenta de produtividade - e não por prazer, como a cannabis, ou como um relaxante, como o álcool."
Talvez a analogia mais próxima seja com folhas de coca, mascadas por trabalhadores para lhes dar energia extra em países como Peru e Bolívia.
Popularidade e produtividade
Não é coincidência, avalia Braun, que a popularidade da cafeína tenha crescido na Europa no início da revolução industrial, com a corrida por maior produtividade.
Muitas mentes criativas da história também têm sido associadas a algumas façanhas verdadeiramente épicas no consumo de cafeína.
De acordo com um biógrafo, o romancista e dramaturgo francês Balzac bebia cerca de 50 xícaras de café por dia. "Se não fosse pelo café, uma pessoa não poderia escrever, o que quer dizer que não poderia viver", insistiu ele, certa vez.
Ludwig van Beethoven contaria meticulosamente exatos 60 grãos de café por xícara quando preparava diariamente a bebida - para consumo próprio.Durante sete anos, o cineasta David Lynch jantou no mesmo lugar em Los Angeles todos os dias, sempre bebendo até sete xícaras de café adoçado "com muito açúcar" de uma só vez, o que, segundo ele, seria uma garantia de que "muitas ideias" viriam.
Talvez um dos contos recentes mais bem divulgadas sobre excesso de cafeína atribui ao cantor Robbie Williams o consumo de até 36 espressos duplos e 20 latas de Red Bull por dia.
Mas as tentativas de reprimir a disseminação da substância se provaram inúteis historicamente.
Em 1911, o governo dos EUA processou a Coca-Cola Company, afirmando que a cafeína na bebida era "prejudicial à saúde", mas a Coca-Cola venceu nos tribunais.
Um problema com a tentativa de regular o consumo, sublinha Braun, é que a substância afeta todos de forma diferente, tornando impossível estabelecer um limite "seguro" que funcione para todas as pessoas.
"Em última análise, você tem que se tornar seu próprio cientista - não há alternativa a uma cuidadosa auto-experimentação", diz ele.
Mas os críticos dizem que isso não se aplica a bebidas energéticas e alimentos com cafeína, cujos efeitos são, indiscutivelmente, mais difíceis de julgar.
Fonte: Terra