29 de setembro de 2014

Seis alimentos indicados para uma pele saudável...


Ter um pele saudável pode ser mais fácil e barato do que se imagina. No lugar de recorrer a cosméticos e procedimentos estéticos, há uma série de alimentos muito recomendados. Confira alguns exemplos

Pimentão Vermelho

Um pimentão vermelho contém mais de 100% das necessidades diárias de vitamina C de uma pessoa. Também contém quantidades significativas de fibras e de vitamina B6. Além disso, é rico em carotenoides que podem ajudar aprevenir rugas e aumentar a circulação de sangue para a pele, ajudando a manter uma aparência mais jovem. De quebra, pimentões vermelhos também são ótimos para combater aacne.

Salmão

O salmão é um excelente alimento para combater estresse, ansiedade e depressão. O peixe também é rico em ômega 3, excelente para combater inflamações, rugas e acne, além de hidratar a pele de dentro para fora. 

Chá verde

A planta que dá origem ao chá é fonte de antioxidantes e L-teanina, que ajudam a relaxar o corpo. Quente, a bebida libera catequina, substância com propriedades anticâncer e anti-inflamatórias.

Espinafre

O espinafre é fonte de ferro, ácido fólico, magnésio, fibras, e vitaminas A, C e E. O alimento também contém antioxidantes que lutam contra vários tipos de problemas de pele.

Mamão

O mamão tem poucas calorias (apenas 39 calorias por 100 gramas) e não contém colesterol. Os nutrientes antioxidantes encontrados na fruta, incluindo as vitaminas C e E e betacaroteno, são ótimos para reduzir inflamação e acne. Além disso, a vitamina C também pode proteger a pele contra os danos do sol.

Cenoura

As cenouras são especialmente boas para combater espinhas. Ricas em vitamina A, ajudam a evitar o excesso de produção de células na camada exterior da pele, as quais obstruem os poros.

27 de setembro de 2014

Panqueca integral aberta...


Esta receita eu fiz bem no olhômetro, mas foi mais ou menos assim: bati 1 ovo, 3 col. sopa de água, um pouco de cheiro verde, sal rosa e fui adicionando farinha integral até ficar na consistência de panqueca, mais ou menos uma 3 colheres. Coloque a mistura na frigideira e deixe cozinhar tampado até a parte de cima ficar mais firme e coloque i frango e o tomate picado. Tampe novamente e deixe cozinhar. Se quiser pode virar para ficar dourado por cima, mas cuidado!

25 de setembro de 2014

Hortinha básica em casa...


Não tem nada melhor do que finalizar um prato com uma erva fresca, mas a durabilidade das que compramos em supermercados é pequena.
Uma boa dica é comprar vasinhos com ervas aromáticas para fazer seus pratos do dia-a-dia e acrescentar sabor e antioxidantes aos alimentos. 
Tirar folhinhas de hortelã fresquinha para seu suco verde de manhã ou manjericão para aquele molho de tomate, faz toda diferença!
Você encontra estes vasinhos em supermercados, alguns hortifrutis ou lojas especializadas em mudas.
Além da praticidade de ter estas ervas a mão, elas vão perfumar sua cozinha <3

22 de setembro de 2014

Alimentos Funcionais para o Humor na Gravidez...



A gravidez é especial na vida de qualquer mulher. Mas não dá para negar que ela também vem acompanhada de dias complicados: enjoo, azia, tonteira, ou simplesmente toda a pressão podem se traduzir em grande mau humor. Ainda bem que com uma alimentação balanceada e escolhendo os alimentos certos podemos contornar a situação. 

Banana

A banana traz uma reserva enorme de vitaminas e minerais essenciais para um dia “colorido”. Contém vitamina B6 necessária na produção de neurotransmissores do bom humor e magnésio que ajuda a diminuir a ansiedade. Também contém o triptofano, precursor da serotonina!

Grão de bico

Também rico em triptofano e magnésio, contém cálcio. Juntos trabalham no organismo promovendo sensação de relaxamento. A lentilha pode ser usada com o mesmo objetivo.

Tofu

É um “queijo” feito à base de soja e uma boa pedida pois contém o dobro de proteínas do feijão, por exemplo e 45% menos calorias que o queijo minas! Além disso, contém nosso queridinho magnésio e um pouco de ferro, tão necessário na gravidez porque é uma fase que a anemia está mais presente e promove desânimo e apatia.

Gérmen de trigo

Contém vitamina B1 e inositol, substância importante para que a serotonina trabalhe corretamente. Além disso, possui vitamina B5 que já é conhecida como anti-estresse.

Abacate

É rico em ácido fólico, vitamina B3 e potássio. Ainda contém ferro, magnésio evitaminas C, E e B6. É o conjunto perfeito para aquele lanche da tarde em que a ansiedade está mil.

Água

Beba bastante água! A hidratação é super importante na gestação, onde o intestino teimoso fica mais teimoso ainda e teima em travar!

20 de setembro de 2014

Fritata de batata doce....



Uma boa dica para um almoço ou jantar rápido e gostoso.

Ingredientes

Ovos - 2 por pessoa
Batata doce - 1/2 unidade pequena por pessoa
Farinha de banana verde
Cheiro verde
Sal rosa

Modo de Preparo:

Bata os ovos, rale ou fatie a batata doce e misture aos ovos. Coloque 2 col. (sopa) de farinha de banana verde, adicione cheiro verde e sal rosa a gosto.

18 de setembro de 2014

Hipertireoidismo e Hipotireoidismo: você sabe a diferença?


A tireoide - ou tiroide - é uma glândula que fica localizada na parte anterior do pescoço, logo abaixo da região conhecida como "pomo de Adão" - ou gogó.

A tireoide produz os hormônios tireoidianos, que são responsáveis por várias atividades do corpo, principalmente aquelas relacionadas com o crescimento e desenvolvimento de órgãos e sistemas.

Uma secreção dos hormônios tireoidianos acima do normal provoca o hipertireoidismo, enquanto uma secreção insuficiente provoca o hipotireoidismo.

A diferença entre essas duas doenças está não só nos sintomas e sinais que apresentam, mas também nas suas causas.

Hipertireoidismo

O hipertireoidismo é caracterizado pela hiperatividade da tireoide. A síndrome causada pelo excesso de hormônios tiroidianos chama-se tirotoxicose. É preciso diferenciá-las, pois pode haver tirotoxicose sem hipertireoidismo.

A causa mais comum da tirotoxicose é a Doença de Graves, caracterizada por hipertireoidismo, alterações oculares, doença cutânea localizada e, raramente, aumento das pontas dos dedos. Em geral, o bócio, que é o aumento do volume da tireoide, e o excesso de hormônios tiroidianos são os predominantes, e os sinais específicos são a projeção do globo ocular para a frente e as alterações da pele.

Já as causas de tirotoxicose sem hipertireoidismo são doenças inflamatórias da tireoide, como a tireoidite subaguda, tireoidite crônica de Hashimoto e uso de amiodarona, um medicamento utilizado no tratamento da arritmia cardíaca, uso de hormônios tiroidianos para emagrecer e até mesmo um tipo de tumor ovariano que desenvolve células produtoras de hormônios tiroidianos.

Em sua forma mais suave, o hipertireoidismo pode não apresentar sintomas reconhecíveis ou apresentar apenas sintomas generalizados, como sensação de desconforto e fraqueza. Com o desenvolvimento da doença, há um aumento na tireoide, que pode estar associado a vários outros sintomas e sinais, como hiperatividade, irritabilidade, insônia, ansiedade, intolerância ao calor, pele quente e suada, queda de cabelos, aceleração dos batimentos cardíacos, palpitações, nervosismo, mãos trêmulas e suadas, perda de peso cansaço ao exercício, coceira no corpo, sede e poliúria (aumento do volume urinário), aumento do número de defecações, redução ou suspensão da menstruação, perda da libido, disfunção erétil , náusea e mal-estar gástrico.

De forma geral, os medicamentos antitireoidianos podem ser utilizados para baixar os níveis dos hormônios no sangue, mas o tratamento da tirotoxicose e do hipertireoidismo depende da causa da condição.

Tirotoxicose: uso de medicamentos antitiroidianos, iodo radioativo e a retirada cirúrgica da glândula, esta indicada em poucos casos.
Exoftalmia: uso de medicamento (corticoide e imunossupressores) e, quando indicada, cirurgia.
Bócio multinodular tóxico: com medicamentos antitiroidianos, remoção cirúrgica, iodo radioativo ou injeção percutânea de álcool (etanol).
Adenoma tóxico: pode-se indicar medicamentos antiroidianos, iodo radioativo ou remoção cirúrgica.
Tumores de placenta: são tratados com cirurgia e quimioterapia.
Tiroidites: com medicamentos analgésicos e betabloqueadores e, se indicado, cirurgia.
Struma ovarii: com ressecção cirúrgica do(s) ovário(s) e iodo radioativo.

Hipotireoidismo

Os principais sintomas e sinais do hipotireoidismo são: fadiga, fraqueza, intolerância ao frio, desaceleração dos batimentos cardíacos, perda do apetite, rouquidão, inchaço, face mixedematosa, aumento da língua, surdez, depressão, dor nas juntas, intestino preso, menstruação irregular, pele seca e áspera, queda de cabelo, ganho de peso e aumento do colesterol no sangue.

Como causas do hipotireoidismo, pode-se citar a idade acima de 60 anos, doença tiroidiana primária ou secundária, a doença da hipófise, tireoidite autoimune, tratamento com iodo radioativo (após cirurgia de câncer de tireoide), radioterapia no pescoço, ressecção parcial ou total da tireoide (tireoidectomia por bócio ou câncer) e uso de medicamento (lítio, amiodarona, iodo e antitiroidianose tratamentos).

Algumas crianças nascem com hipotireoidismo porque não têm a tireoide ou porque a mesma não funciona bem.

O Teste do Pezinho, que é feito em recém-nascidos gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), é capaz de diagnosticá-la. A criança identificada com a doença deve começar a ser tratada de imediato, para ter um desenvolvimento físico e mental normal, e tomar o medicamento, que é o hormônio tiroidiano sintético, por toda a vida.

O tratamento do hipotireoidismo é realizado com reposição de hormônio tireoideano (sintetizado em comprimidos) que a glândula não é mais capaz de produzir em quantidade suficiente. Desta forma, os sintomas são corrigidos em algumas semanas, sendo que o tratamento deve ser mantido pelo resto da vida. A dose varia conforme a causa e o grau do hipotireoidismo.

Fonte: Diário da Saúde

16 de setembro de 2014

Conheça as vitaminas do Complexo B...


As vitaminas do complexo B são essenciais para o funcionamento do organismo e desempenham importantes funções no processo metabólico.

As principais fontes alimentares das vitaminas do complexo B são as carnes, vísceras, leite e derivados e os cereais integrais.

Por fazerem parte do grupo de hidrossolúveis (são dissolvidas em água), normalmente elas não são armazenadas pelo organismo em quantidades significativas, o que implica em uma necessidade de consumo diário para manter-se saudável.

Conheça a principais vitaminas do complexo B.

Vitamina B1

Conhecida também como tiamina, ela tem entre suas funções o metabolismo dos carboidratos, lipídios e proteínas e a estimulação de nervos periféricos. O composto age de forma essencial no sistema nervoso.

A vitamina B1 é encontrada em uma variedade de fontes animais e vegetais como carnes, vísceras (especialmente o fígado, coração e rins), gema de ovo e grãos integrais.

A deficiência deste nutriente no organismo pode levar à doença denominada beribéri, que afeta os sistemas nervoso e cardiovascular.

Vitamina B2

Também chamada de riboflavina, ela é importante para a formação das células vermelhas do sangue. A deficiência é causada principalmente pela baixa ingestão dessa vitamina por um longo período.

As necessidades da vitamina B2 aumentam simultaneamente com o crescimento, a gravidez e a lactação. Produtos derivados do leite, folhas verdes e vísceras são fontes do composto orgânico.

Vitamina B3

Niacina é o nome da vitamina B3 ou PP.

Essa vitamina auxilia no metabolismo dos carboidratos e proteínas, participam da síntese das gorduras e da respiração. Carnes magras, aves, peixes, amendoins, leguminosas e a levedura da cerveja são as principais fontes de niacina. Anormalidades digestivas causadas pela deficiência do composto levam à irritação e à inflamação das mucosas da boca e do trato gastrointestinal, o que pode resultar em diarreia. Sua deficiência é conhecida como pelagra.

Vitamina B6

A vitamina B6, conhecida como piridoxina, é encontrada em abundância em alimentos de origem animal e vegetal.

Ela é responsável pelo metabolismo das proteínas, dos carboidratos e das gorduras e é fundamental para o desenvolvimento do sistema nervoso central e da função cognitiva.

A deficiência isolada em vitamina B6 é rara, pois geralmente é acompanhada da deficiência de outras vitaminas do complexo B e não tem como principal causa o consumo inadequado dos nutrientes, porque pode ser encontrada em uma ampla variedade de alimentos.

Na maioria das situações, a deficiência ocorre por má absorção, fatores genéticos, interação com medicamentos, consumo exagerado de álcool, tabagismo, entre outros. Os principais sintomas são observados na pele, no sistema nervoso e no sangue.

Vitamina B9

Comumente conhecida como ácido fólico, que é a forma sintética da vitamina, ela é encontrada em suplementos, medicamentos e produtos fortificados.

O principal papel do ácido fólico está no metabolismo de aminoácidos e na síntese de DNA, que é fundamental para o desenvolvimento embrionário. Estudos mostram que a suplementação com ácido fólico previne defeitos nesse desenvolvimento nos períodos de gestação.

As fontes são as vísceras, feijão e os vegetais de folhas verdes escuras, como espinafre e brócolis.

Vitamina B12

Também conhecida como cobalamina, o armazenamento da vitamina ocorre em maior quantidade no fígado e em menor quantidade nos rins, sendo liberada quando necessário para a medula óssea e outros tecidos corporais.

É essencial para o funcionamento do metabolismo das células, em especial as do trato gastrointestinal, da medula óssea e do tecido nervoso. Participa no metabolismo das proteínas e está associada à absorção do ácido fólico.

As causas da deficiência da vitamina B12 podem ser classificadas em três categorias: redução da capacidade absortiva, aumento das necessidades e consumo insuficiente. A manifestação mais evidente da deficiência é a anemia perniciosa ou megaloblástica, causada pela má absorção de B12, podendo ser acompanhada de alterações neurológicas.

Os alimentos ricos em vitamina B12 são os de origem animal, tais como produtos lácteos, carne, fígado, peixes e ovos.

É importante lembrar que complementos vitamínicos e suas doses diárias devem ser recomendados por profissionais de saúde especializados. Antes de buscar qualquer complementação, consulte um médico.

Fonte: Diário da Saúde

13 de setembro de 2014

Versão saudável do leite com achocolatado....


Esta é uma boa dica para aqueles que tem intolerância a lactose ou querem dar uma variada no café da manhã.

Misturei uma polpa de coco congelada, açúcar se coco, água para dar consistência e cacau em pó. Ficou uma delícia!!!

11 de setembro de 2014

Alimentos que ajudam no combate à depressão...



A depressão é um dos distúrbios afetivos mais que comuns atualmente.

Com forte incidência no público feminino, os dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que mais de 350 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem com a doença.

Os principais sintomas são a falta de energia, alterações de humor, falta de interesse e motivação para as atividades cotidianas e crises de ansiedade.

Contudo, os antidepressivos são a classe de medicamentos mais controversa entre os especialistas, com vários deles argumentando que os antidepressivos fazem mais mal do que bem aos pacientes.

Por isso, pesquisadores estão tentando usar outras técnicas, como uma alimentação mais saudável, para inibir os efeitos da depressão.

Eles se baseiam no fato de que o cérebro humano produz uma série de substâncias químicas, os neurotransmissores, que são responsáveis por controlar inúmeras funções em nosso organismo. Na depressão, há uma baixa produção da serotonina, normalmente associada com uma sensação de bem-estar, além de regular o humor e também dando a sensação de "saciedade".

"A alimentação pode ajudar diretamente na produção da serotonina, o que ajuda a aumentar o bom humor e combater os sintomas da depressão. Entretanto, vale ressaltar que ela não substitui o tratamento da doença, com a intervenção medicamentosa e terapia", explica o nutricionista Felipe Rizzetto.

Assim, como forma complementar de terapia, o nutricionista lista os alimentos com maior capacidade para dar uma forcinha no combate à depressão.

Ovos

Ovos são uma boa fonte de vitaminas do complexo B, que colaboram com o bom humor. O recomendado é uma unidade por dia, no máximo. Quem tem colesterol alto deve se preocupar com o consumo excessivo e evitar este alimento frito.

Castanha-do-pará

É rica em selênio, um poderoso agente antioxidante. A castanha pode ajudar na redução do estresse. São recomendadas de duas a três unidades diárias.

Nozes e amêndoas

Também são fontes ricas de selênio e ajudam a minimizar os sintomas da depressão. A recomendação é de quatro a cinco unidades de nozes ou 10 a 12 unidades de amêndoas diariamente. Também dá para fazer uma mistura dos dois tipos.

Mel

É estimulante e ajuda na produção de serotonina, neurotransmissor responsável pela sensação de prazer e bem-estar. Para usufruir dos benefícios, duas colheres de sobremesa ao dia são suficientes.

Leite e iogurte desnatado

São fontes ricas de cálcio, mineral que elimina a tensão e a depressão. O cálcio ajuda a reduzir e controlar o nervosismo e a irritabilidade. É recomendado o consumo de 2 a 3 porções por dia.

Melancia, abacate, mamão, banana, tangerina e limão

Todas essas frutas são ricas em triptofano, aminoácido que ajuda na produção de serotonina. É recomendado o consumo de três a cinco porções (80 gramas cada) de frutas todos os dias.

Laranja e maçã

São excelentes fontes de ácido fólico, cujo consumo está associado à menor prevalência de sintomas depressivos. Além de ser rica em vitamina C, a laranja promove o melhor funcionamento do sistema nervoso, garante energia, ajuda a combater o estresse e previne a fadiga.

Fonte: Diário da Saúde

9 de setembro de 2014

Bolinhos de coco...


Esta receita é ótima! Um bolinho gostoso e saudável! 

Ingredientes:

1 xícara de farinha de coco
1/2 xícara de farinha de trigo integral
1/2 xícara de quinoa em floco e amaranto batidos no processador para ficar mais fino.
1 xícara de açúcar de coco
1/2 xícara de leite de coco light
1 xícara de leite sem lactose
1 colher de sopa de óleo de coco
1 colher de sopa de fermento em pó
3 ovos
25g de coco ralado 

Modo de preparo:

Misture todos os ingredientes e coloque em forminhas. leve ao forno até dourar.

OBS: Sobrou um pouco de massa e fiz na forma de cookies misturando com um pouco de pasta de amendoim desidratada com cacau e ficou muito bom. Massa super versátil.

5 de setembro de 2014

Própolis orgânica também tem efeito antimicrobiano..


O Brasil é o segundo maior produtor mundial de própolis, sendo superado apenas pela China.

Não é à toa, uma vez que se sabe que a própolis brasileira é a melhor e a mais rica do mundo.

E um novo estudo confirmou as propriedades antioxidantes e antimicrobianas da própolis orgânica produzida na Região Sul do Brasil.

O trabalho foi realizado pela equipe do professor Severino Matias de Alencar, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da Universidade deSão Paulo (USP).

Das 78 amostras, coletadas no sul do Paraná e norte de Santa Catarina, em diferentes apiários, foram identificadas sete variantes de própolis orgânica com comprovadas atividades antioxidante e antimicrobiana.

Os efeitos antimicrobianos da própolis foram confirmados em relação às bactérias Streptococcus mutans,Streptococcus sobrinus, Staphylococcus aureus, Streptococcus oralis ePseudomonas aeruginosa.

"Foi uma constatação importante porque havia dúvida em relação a essas própolis orgânicas, por causa dos teores muito baixos de flavonoides, que são as substâncias notoriamente responsáveis pelas propriedades antioxidantes e antimicrobianas das própolis, principalmente de clima temperado. Porém, verificamos que essas mesmas propriedades são exercidas, com igual eficácia, pelos ácidos fenólicos", disse o pesquisador.

Segundo ele, foram identificados altos teores de ácidos gálico, cafeico e cumárico, entre outros tipos de ácidos fenólicos.

Os ácidos fenólicos e os flavonoides pertencem à mesma classe química doscompostos fenólicos, cuja principal característica é a presença em suas moléculas de pelo menos um radical hidroxila ligado a um anel benzênico.

"A atividade antioxidante decorre da doação de elétrons ou íons de hidrogênio (H+), originários da hidroxila, que reduzem os radicais livres oxidantes. Já a atividade antimicrobiana decorre de um entre os três modos de ação seguintes: (1) reação com a membrana celular, alterando sua permeabilidade e causando perda de constituintes celulares ou mudanças conformacionais em ácidos graxos dessa membrana; (2) inativação de sistemas enzimáticos ou de enzimas essenciais, como a H+ATPase; ou (3) suprarregulação ou infrarregulação, envolvendo genes de adaptação ao estresse, glicólises e outros fatores", explicaram os pesquisadores.

Efeitos benéficos da própolis

A atividade antimicrobiana da própolis já era empiricamente conhecida pelos antigos sacerdotes egípcios, que a utilizavam no processo de embalsamamento, para proteger as múmias do ataque de fungos e bactérias.

Há relatos de uso da própolis também na Idade Média, para prevenir infecções no cordão umbilical de recém-nascidos.

E, até mesmo na Segunda Guerra Mundial, a própolis foi empregada como agente cicatrizante e antimicrobiano no tratamento de soldados em alguns hospitais da antiga União Soviética.

O produto consiste, basicamente, em uma resina vegetal, liberada por plantas, e coletada em botões florais pelas abelhas, que recolhem a resina e a carregam para a colmeia, onde ela desempenha várias funções úteis, como asde vedação, impermeabilização e assepsia ambiental, entre outras.

Foram essas funções, essenciais para a preservação da colmeia, que fizeram com que o material fosse chamado de "própolis" (do grego, pro, "em benefício de", e polis, "cidade").

Fonte: Diário da Saúde

2 de setembro de 2014

Cardiologistas alertam para riscos das "bebidas energéticas"...


"As chamadas 'bebidas energéticas' são populares em casas de dança e durante os exercícios físicos, com as pessoas algumas vezes consumindo várias dessas bebidas, uma após a outra. Esta situação pode levar a uma série de condições adversas, incluindo angina, arritmia cardíaca (batimentos cardíacos irregulares) e até mesmo a morte súbita."

A frase, do professor Milou-Daniel Drici, da Universidade de Nice (França), foi proferida durante uma apresentação realizada nesta semana na reunião anual da Sociedade Europeia de Cardiologia.

E ele acrescentou: "Cerca de 96% dessas bebidas contêm cafeína, com uma lata típica de 250 ml podendo conter o conteúdo de dois cafés expressos de cafeína. A cafeína é um dos mais potentes antagonistas dos receptores de rianodina e leva a uma liberação maciça de cálcio dentro das células cardíacas. Isso pode causar arritmias, mas também tem efeitos sobre a capacidade do coração de contrair e usar o oxigênio. Além disso, 52% dessas bebidas contêm taurina, 33% têm glucuronolactona e dois terços contêm vitaminas."

As conclusões são de um estudo que contou com a participação de 15 especialistas, incluindo cardiologistas, psiquiatras, neurologistas e fisiologistas.

Síndrome da cafeína

Durante o período de dois anos em que os dados foram coletados, 257 casos envolvendo os energéticos foram notificados à Agência Nacional de Saúde da França, dos quais 212 forneceram informações suficientes para uma avaliação de segurança.

Os especialistas descobriram que 95 desses eventos adversos relatados apresentaram sintomas cardiovasculares, 74 psiquiátricos e 57 neurológicos, em alguns casos apresentando simultaneamente mais de uma dessas categorias.

Paradas cardíacas e mortes súbitas ou inexplicáveis ocorreram em pelo menos oito casos, enquanto 46 pessoas tiveram alterações do ritmo cardíaco, 13 tiveram angina e 3 tiveram hipertensão.

"Nós descobrimos que a 'síndrome da cafeína' foi o problema mais comum, ocorrendo em 60 pessoas. Ela caracteriza-se por um ritmo rápido do coração, chamado taquicardia, tremores, ansiedade e dor de cabeça.

"Efeitos adversos raros, mas graves, também foram associados com estas bebidas, tais como morte súbita ou inexplicável, arritmia e ataque cardíaco (infarto do miocárdio). Nossa busca na literatura confirmou que estas condições podem estar relacionadas ao consumo de bebidas energéticas," argumentou o Dr. Drici.

Quando evitar as bebidas energéticas

A seguir, o especialista orientou os grupos em maior risco quanto ao consumo das bebidas energéticas.

"Pacientes com doenças cardíacas, incluindo as arritmias catecolaminérgicas, síndrome do QT longo e angina devem estar cientes do perigo potencial de uma grande ingestão de cafeína, que é um estimulante que pode agravar a sua condição com consequências possivelmente fatais."

"O público em geral precisa saber que as chamadas 'bebidas energéticas' não têm absolutamente nenhum lugar durante ou após os exercícios físicos, em comparação com outras bebidas elaboradas com esse objetivo," concluiu o pesquisador.

Fonte: Diário da Saúde