30 de outubro de 2011

Resumo da Semana na Liga da Saúde....


Cronobiologia: conheça as horas mais propícias pra cada atividade no seu dia-a-dia


  1. Acordar cedo para correr.
  2. Em seguida, ir ao dentista.
  3. Às 14h, participar de uma reunião de trabalho.
  4. À noite, aula na faculdade.
  5. E uma consulta ao relógio à espera do último compromisso do dia.
  6. Um encontro com os amigos para tomar uma cervejinha.

Atividade Física e Gestação...


Nas décadas recentes o conceito de atividade física durante a gestação tem mudado bastante. A respeito da saúde da gestante e do feto, ainda existem muitas informações errôneas e conselhos equivocados quando uma gestante procura de fato exercitar-se durante esse período. O American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG, 2002) reconhece que a prática regular de atividade física durante a gestação parece atuar no controle do ganho de peso nesse período e no pós-parto, especialmente quando o suprimento nutricional está adequado. E ainda, acredita que os hábitos adquiridos durante o período gestacional oferecem uma influência singular na incorporação de comportamentos saudáveis que podem acompanha-las durante toda a vida. Os benefícios da pratica de atividade física durante o período gestacional são diversos, onde as vantagens podem até se estender aos aspectos emocionais.

Conheça os Super Poderes da Romã...




Conheço muita gente que tem um pé de romã em casa e não dá a mínima bola para esta super fruta! Um pecado! 

Emagrecendo com o DR. CAVEIRINHA


Você quer emagrecer rápido e fácil? Dr. Caveirinha, é claro, não atua no Brasil... Mas tem a solução!

Flavonóides...


Certamente você já deve ter ouvido falar em flavonóides, mas duvido que saiba o que eles podem realmente fazer por você e onde encontrá-los.

Comer, qual a (s) regra (s)?


Sou fã do trabalho de Michael Pollan, esse jornalista acabou de tornando um estudioso e especialista em alimentação e sustentabilidade. Autor de vários best seller sobre o tema, entre eles “O dilema do onívoro”, “Em defesa da comida” e “Food rules” ou regras da comida (tradução minha). Esse último está sendo relançado com ilustrações lindíssimas e em formato para ouvir no próprio site do autor à http://michaelpollan.com/books/food-rules-illustrated-edition/

Receitas com Canela....


Gentem... Como eu adoroo canela, segue abaixo receitas gostosas e saborosas com essa especiaria dos Deuses....

29 de outubro de 2011

Segundo estudo, consumo de iogurte desnatado durante a gravidez aumentaria o risco da criança desenvolver alergias como asma e rinite alérgica...


Comer iogurte desnatado durante a gravidez pode aumentar o risco de a criança desenvolver asma e rinite alérgica, de acordo com descobertas recentes.

 foi apresentado no European Respiratory Society (ERS) Congresso Anual em Amsterdam em 25 de setembro de 2011.

O estudo teve como objetivo avaliar se os ácidos graxos encontrados em produtos lácteos podem proteger contra o desenvolvimento de doenças alérgicas em crianças.

Os pesquisadores avaliaram a ingestão de leite e laticínios durante a gravidez e monitoraram a prevalência de asma e rinite alérgica utilizando registros e questionários na corte nacional de nascimentos dinamarquesa.

Os resultados mostraram que a ingestão de leite durante a gravidez não foi associada com maior risco de desenvolver asma e ele realmente protegia contra o desenvolvimento de asma. No entanto, as mulheres que comeram iogurte desnatado com frutas uma vez por dia tiveram 1,6 vezes mais probabilidade de ter crianças que desenvolveram asma aos 7 anos de idade, em comparação com filhos de mulheres que disseram não beber. Eles também foram mais propensos a ter rinite alérgica e para mostrar os sintomas de asma.

Os pesquisadores sugerem que a gordura não-relacionada aos componentes de nutrientes no iogurte pode desempenhar um papel no aumento deste risco. Eles também estão olhando para a possibilidade de que a ingestão de iogurte com baixo teor de gordura pode servir como um marcador para a dieta e outros fatores de estilo de vida.

De acordo com os pesquisadores da Escola de Saúde Pública de Harvard, este é o primeiro estudo do tipo a relacionar a ingestão de iogurte com baixo teor de gordura durante a gravidez com um risco aumentado de asma e rinite alérgica em crianças. Isto pode ser devido a uma série de razões e vamos continuar investigando se isto está relacionado a certos nutrientes ou se as pessoas que comeram iogurte regularmente tinham estilos de vida semelhantes e padrões de dieta que poderiam explicar o aumento do risco de asma. 

Fonte: ScienceDaily

28 de outubro de 2011

Proteína de soja melhora o perfil lipídico em indivíduos saudáveis, segundo estudo...


Um novo estudo publicado online no European Journal of Clinical Nutrition mostra que a proteína de soja em comparação com a suplementação de proteína do leite de leite melhora o perfil lipídico em indivíduos saudáveis. Este estudo investigou o efeito da proteína de soja e do leite em comparação com a suplementação de carboidratos em lipídios entre adultos saudáveis​​. Numerosos estudos têm demonstrado que a proteína de soja reduz o LDL (o "mau colesterol") e aumenta oHDL (o "bom colesterol"), apoiando a saúde do coração na proteína de soja para baixar o colesterol com a alegação de que é aprovado em 12 países ao redor do globo.

A doença cardíaca coronária é uma epidemia de saúde, sendo o assassino número 1 de mulheres e homens no mundo. A pesquisa mostrou que a redução de lipídios no sangue reduz o risco de doença cardíaca coronariana e derrame", disse a pesquisadora. "Os resultados deste estudo revelam que a suplementação de proteína de soja sobre a ingestão de lipídios pode ajudar a deixar seus níveis mais baixos no sangue, ajudando assim a reduzir o risco de doença cardíaca coronária  em indivíduos saudáveis."

Neste estudo a redução do colesterol total, bem como a redução da relação colesterol total /HDL foi estatisticamente significativa com proteína de soja em comparação com a suplementação de carboidratos. Comparado com proteínas do leite, a suplementação de proteína de soja aumentou o HDL significativamente reduzindo significativamente a relação colesterol total / HDL, bem como reduziu o colesterol LDL.

"É a mudança do estilo de vida, como a inclusão de proteína de soja na sua dieta, que muitas vezes podem ter um impacto positivo em sua saúde", disse Krul."A investigação continua a demonstrar que a proteína de soja pode ajudar a reduzir o colesterol LDL, importante biomarcador para a doença cardíaca coronária."



27 de outubro de 2011

Tratamento de doença inflamatória intestinal com um probiótico...


Os cientistas têm sido claros há algum tempo sobre como a maioria dos probióticos trabalham. Um novo estudo encontrou uma base científica para um probiótico que poderia ser usado para tratar a doença inflamatória intestinalcomo a doença de Crohn.

A pesquisa feita por acadêmicos da Escola de Ciências Veterinárias e da Escola de Medicina Clínica  da Universidade de Bristol foi publicado online na revista PloS ONE.

A maioria dos probióticos no mercado, tais como Lactobacillus e Bifidobacterium, são bactérias do ácido láctico. Embora os probióticos têm se mostrado com sucesso em manter a remissão da doença inflamatória intestinal, a evidência da sua eficácia na doença ativa é rara. Os pesquisadores descobriram que isso é por causa do aumento nos níveis de ferro, que acontecem durante a doença inflamatória intestinal ativa, que inibe o crescimento de bactérias probióticas, incluindo Lactobacillus.

Os níveis de ferro no intestino aumentam durante a inflamação, sangramento, durante o estresse e quando as pessoas estão tomando suplementos de ferro. O ferro é criticamente importante para o crescimento da maioria das espécies de bactérias, incluindo patógenos, e sua disponibilidade é o que restringe seu crescimento. É bem sabido que patógenos aumentam sua  taxa de crescimento em até 8.000 vezes quando expostos a níveis elevados de ferro. Bactérias do ácido láctico são incomuns pois elas evoluíram sem exigir ferro, e assim não aumentam a taxa de crescimento quando expostas a ele.

Os pesquisadores descobriram que uma variedade de cepas probióticas de bactérias do ácido lático não podem responder a níveis de ferro aumentados e estão patenteando. Elas mostraram que tem propriedades probióticas e imunomoduladoras, e podem reduzir as respostas pró-inflamatórias a patógenos associados com a  doença inflamatória intestinal,

Os pesquisadores sugerem que o ferro é o fator de resposta que impede que os probióticos sejam úteis no tratamento da doença, e que a sua bactéria probiótica poderia ser um novo tratamento para a doença intestinal ativa.




26 de outubro de 2011

Mulheres não recebem vitamina D suficiente durante a menopausa, segundo estudo...


Uma dieta saudável é especialmente importante durante o período da menopausa onde o risco de sofrer de problemas de saúde aumenta. Vários estudos analisando a dieta de mulheres antes e após a menopausa na Espanha mostram os problemas que vêm com essa transição. Os resultados mostram que todos os grupos estudados têm uma ingestão deficiente de vitamina D.

Os pesquisadores dizem que mudanças biológicas e fisiológicas em mulheres causadas pela menopausa vêm com um maior risco de desenvolver problemas de saúde e a dieta desempenha um papel importante. Estes problemas incluem diabetes, osteoporose, doenças cardiovasculares e certos tipos de câncer. 

Para estudar esses hábitos alimentares, os autores do estudo analisaram 3574 mulheres a partir de 45-68 anos de idade de outubro de 2007 a ​​julho de 2008. Cada programa continha um mínimo de 500 mulheres de sete cidades espanholas (LaCoruña, Barcelona, Burgos, Palma de Mallorca, Pamplona, Zaragoza e Valencia) e um questionário de freqüência alimentar envolvido validado pela população espanhola.

Os resultados mostram que a taxa de obesidade foi de 29%, enquanto 42% estão com sobrepeso. A média de ingestão calórica foi de 2.053 Kcal(com 43% do consumo de energia provenientes de carboidratos, 36% de gorduras e 20% de proteínas). Os pesquisadores destacam que praticamente todas as mulheres receberam a dose recomendada de todas as vitaminas, além da D e E.

O caso da vitamina D é surpreendente, dado que nenhum dos grupos chegou a 50% do seu RDA (Dose Diária Recomendada). O consumo médio total foi de 2:14 microgramas por dia, o que constitui apenas 39% da RDA para as mulheres dessa faixa etária.

"Uma dieta com menos gordura e proteína que é rica em vegetais, nozes ealimentos ricos em carboidratos vai mesmo para fora do balanço energético e corrige os níveis de vitamina D e E", de acordo com os pesquisadores. "Isto é especialmente importante em lugares que estão longe do Mar Mediterrâneo, ondeas mulheres têm uma maior tendência a ficar aquém das recomendações atuais."



25 de outubro de 2011

Trabalha à noite e seu peso está aumentando? Então saiba o porquê?..



Um novo estudo realizado por cientistas brasileiros sugere que trabalhadores noturnos apresentam alterações em funções hormonais que podem deixá-los predispostos a comer mais, ganhar peso e desenvolver síndrome metabólica – um conjunto de fatores de risco cardiovascular que inclui hiperglicemia, hipertensão arterial, obesidade e aumento da circunferência da cintura.
A literatura científica internacional já demonstrava que os trabalhadores noturnos têm mais tendência ao ganho de peso, além de maior risco de apresentar doenças cardiovasculares e outros indicadores de síndrome metabólica.
Mudanças de comportamentos alimentares associadas ao trabalho noturno – incluindo aumento do valor calórico e variações no horário e número de refeições – têm sido apontadas como a mais provável explicação para esse fenômeno.
Estudando os mecanismos biológicos que poderiam estar por trás das mudanças comportamentais, um grupo de pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) descobriu que os trabalhadores noturnos apresentam alterações em funções hormonais estomacais que regulam a saciação – a sensação de estar satisfeito após a refeição –, o que pode levar ao ganho de peso. A conclusão é que a função hormonal estomacal de regulação da saciação sofre alteração nas pessoas que trabalham à noite.

O estudo foi realizado com um grupo de 24 mulheres, sendo 12 trabalhadoras do turno da noite e 12 trabalhadoras do turno do dia do Hospital das Clínicas da Unicamp. Todas elas tinham índice de massa corpórea entre 25 e 35.
Foram estudados os mecanismos hormonais ligados à saciação e não as diferenças comportamentais. Tomamos o cuidado de trabalhar apenas com pessoas do mesmo sexo, com padrões semelhantes de peso, de atividade física e de condição socioeconômica e cultural, a fim de observar as diferenças relacionadas à variável do turno de trabalho.
Segundo os pesquisadores, a literatura internacional aponta que os trabalhadores noturnos têm mais riscos de ganhar peso e desenvolver doenças cardiovasculares, associando esse fenômeno a um aumento do consumo calórico.
Mas, até agora, os estudos não haviam desvendado se esse aumento ocorria devido ao estresse causado pela quebra do ritmo biológico ocasionada pela vigília no período noturno ou por um fator de ordem puramente comportamental: como se a falta de estímulos no período noturno levasse a pessoa a comer mais – o que os cientistas suspeitam ser um mito.
O estudo investigou um aspecto sobre o qual não há dados na literatura: como se comportam os hormônios gastrointestinais que controlam a fome e a saciação. Alguns estudos mostram que existe uma alteração nos níveis de leptina – um hormônio relacionado ao grau de adiposidade – nos trabalhadores noturnos. Mas não se sabia se a leptina se alterava como consequência do ganho de peso ou se era sua causa.
As voluntárias foram submetidas a um teste de alimentação padrão, que consiste na ingestão de 515 calorias, com uma dieta hiperproteica e hiperlipídica. As trabalhadoras noturnas foram testadas durante o dia, em jornadas de folga. As trabalhadoras diurnas foram testadas no horário normal.
“Depois da alimentação, estudamos por três horas a produção de insulina e de três hormônios GLP-1 e PY-B36 – ambos com ação anorexígena –, de grelina, um hormônio produzido no estômago e que estimula a fome, e de xenina, hormônio que inibe a fome”, declararam os pesquisadores.
No padrão normal de alimentação, pouco antes da refeição, os níveis de grelina se apresentam altos, enquanto os outros três hormônios apresentam níveis baixos. Depois da refeição, por um período de três horas, o GLP-1, PY-B36 e xenina aumentam e a grelina é reduzida.
Nos indivíduos que trabalham à noite, os padrões de GLP-1 e de PY-B36 se apresentavam semelhantes ao das trabalhadoras diurnas. Mas foi identificado uma alteração na produção de grelina entre as trabalhadoras noturnas.
Normalmente, segundo Geloneze, após a refeição a produção de grelina cai abaixo dos níveis basais. Entre as trabalhadoras noturnas, não houve supressão da grelina depois da alimentação.
“Outra diferença que observamos ocorreu em relação à xenina. Esse hormônio normalmente aumenta após a refeição, contribuindo para a saciação. Mas nas mulheres que trabalham à noite a produção de xenina não subiu”, disse o pesquisador.
Do ponto de vista clínico, houve uma diferença discreta na quantidade de calorias ingeridas, de cerca de 10%. As trabalhadoras noturnas, apesar de terem o mesmo padrão de índice de massa corpórea das outras, tinham também um pouco mais de concentração de gordura no abdome.
Quando falamos de tratamento da obesidade, precisamos levar em conta que as condições das pessoas são muito heterogêneas e uma abordagem terapêutica única pode ser ineficiente. Agora sabemos que para os trabalhadores noturnos seria preciso ter terapias focadas nesses mecanismos subjacentes, como, por exemplo, drogas que modulem a produção de xenina e grelina. 
Fonte: Agência FAPESP

24 de outubro de 2011

Healthy Monday.....

SEGUNDA SAUDÁVEL...

Mais uma semana no ar! E você está se preparando para as festas de final do ano, para o verão? Está precisando exterminar uns quilos que te perseguiram durante este ano? Então corre que ainda dá tempo de estar linda até lá!

Possuímos a estratégia certa para você conseguir emagrecimento saudável aliado á melhora da sua qualidade de vida! Para saber sobre nossos serviços   clique aqui

Lembre-se: Toda segunda-feira é uma nova chance para que um estilo de vida saudável se reinicie. Faça da segunda-feira o dia em que você renova seu compromisso de viver uma vida mais saudável !!!

23 de outubro de 2011

Resumo da Semana na Liga da Saúde....


O que é Ecologia médica?

Muitos me perguntam o que é Ecologia Médica. 
Primeiro, devemos salientar que Medicina Ambiental, Ecologia Celular, Medicina Ecológica são sinônimos de Ecologia Médica. 
Leia mais...



Obesidade versus anorexia nervosa...


Vivemos um momento de explosão da obesidade no mundo todo, que vem aumentando de forma assustadora, sendo hoje umas das causas de mortalidade, devido à comorbidades que a doença acaba agregando, como diabetes, hipertensão, problemas articulares, cardiológicos, entre outros.


É a vez das vitaminas...

Meus amigos,


Depois de turbulentas semanas de discussões sobre a legalização ou proibição dos “emagrecedores” em que todo o país queria saber se as drogas eram tão maléficas quanto estavam sendo propagadas e que também gostaria de saber sobre novas drogas colocadas em cartaz como milagrosas, parece que os holofotes agora estarão sobre a importância versus a nocividade das vitaminas.

Emagrecer a qualquer custo?


Quase que a totalidade das pessoas que adentram o consultório, além da sua queixa habitual, reclama do peso. “Doutor eu preciso perder peso”, não raro de forma “urgente”. Àquela pessoa que deseja o imediatismo das pílulas para emagrecer, certamente vai entrar para a turma do efeito sanfona.

Chocolate...


O chocolate é feito a partir do cacau, originário das regiões de clima quente e úmido da Bacia Amazônica. O cacau já era largamente utilizado pelas populações indígenas pré-colombianas, estes preparavam uma bebida de cor avermelhada e adoçada com mel, a qual foi transformada mais tarde no delicioso chocolate.

Trabalha à noite e seu peso está aumentando? Então saiba o porquê?..



Um novo estudo realizado por cientistas brasileiros sugere que trabalhadores noturnos apresentam alterações em funções hormonais que podem deixá-los predispostos a comer mais, ganhar peso e desenvolver síndrome metabólica – um conjunto de fatores de risco cardiovascular que inclui hiperglicemia, hipertensão arterial, obesidade e aumento da circunferência da cintura.

Receita: Leite de Girassol, Quinua e Gergelim



Você é como eu, que não toma leite de vaca, cabra ou de soja?

Então vou passar estas 3 receitas que eu faço em casa e ADOOOROO, além de fácil, rápido é bem gostoso! #Recomendo